Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

Oferta de mão de obra, escolaridade e capacidade para inovar no Brasil

Antigo, Mariangela Furlan; Rapini, Márcia Siqueira; Esperidião, Fernanda;

Artigo completo:

Este artigo procura ilustrar que o aumento da escolaridade não tem representado ganhos de aprendizado e de produtividade, porque os anos de estudos não tem se traduzido no desenvolvimento de habilidades relevantes para o mercado de trabalho. O processo de aprendizado e de construção de competências enfrenta dois obstáculos que são conectados: 1) baixa proporção de indivíduos que alcançam a educação superior; 2) escassez de espaços nos quais os graduados encontram trabalho para aplicar o conhecimento que adquiriam, de forma a darem continuidade ao processo de aprendizado (Arocena e Sutz, 2010). Para isto são utilizados dados da PNAD Continua (PNADC) do IBGE para o período de 2012 a 2019 como uma proxy da oferta de mão-de-obra qualificada. Os setores industriais das empresas foram classificados pela intensidade da atividade tecnológica de acordo com taxonomia da OCDE. Foram estimados modelos logit multinomiais, tanto para os ocupados na indústria quanto no setor de serviços. Os resultados indicam que maior escolaridade e qualificação profissional contribuem para a inserção do trabalhador em setores de maior intensidade tecnológica, favorecendo, portanto, a continuidade do processo de aprendizado. Por sua vez, os dados também evidenciam os efeitos macroeconômicos e conjunturais nas decisões microeconômicas das empresas, o que refletiu no aumento da probabilidade de inserção de trabalhadores em setores de menor intensidade tecnológica, para qualquer nível de escolaridade, após 2015.

Artigo completo:

This article seeks to illustrate that the increase in schooling has not represented gains in learning and productivity, because years of study have not translated into the development of skills relevant to the job market. The learning and competence building process faces two obstacles that are connected: 1) low proportion of individuals with higher education; 2) lack of spaces in which graduates find work to apply the knowledge acquired, to continue the learning process (Arocena and Sutz, 2010). For this purpose, data from the PNAD Continua (PNADC/IBGE) for the period from 2012 to 2019 are used as a proxy for the supply of qualified labor. The industrial sectors of companies were classified by the intensity of technological activity according to OECD taxonomy. Multinomial logit models were estimated, both for those employed in the industry and in the services sector. The results indicate that greater schooling and professional qualification contribute to the insertion of the worker in sectors of greater technological intensity, favoring, therefore, the continuity of the learning process. In turn, the data also show the macroeconomic and cyclical effects on the microeconomic decisions of companies, which reflected in the increased probability of insertion of workers in sectors of lower technological intensity, for any level of education, after 2015.

Palavras-chave: processo de aprendizado; intensidade tecnológica; oferta de mão de obra (PNADC); Brasil.,

Palavras-chave: learning process, technological intensity, labor supply (PNADC), Brazil.,

DOI: 10.5151/v-enei-776

Referências bibliográficas
  • [1] AGUAS, M. (2012). Ensino Profissional e Rendimentos do Trabalho: uma análise para o Brasil. Boletim Mercado de Trabalho - Conjuntura e Análise, n. 47, mai. 201
  • [2] AMITRANO, C. R.; SQUEFF, G. C. Notas sobre informalidade, produtividade do trabalho e grau de utilização e seus impactos sobre o crescimento econômico no Brasil nos anos 2000. Nova Economia, [S. l.], v. 27, n. 3, 2018.
  • [3] ARAÚJO, A. J. N.; CHEIN, F.; PINTO, C. Ensino profissionalizante, desempenho escolar e inserção produtiva: uma análise com dados do ENEM. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 48, n. 1, abril de 2018.
  • [4] AROCENA, R.; SUTZ, J. Weak knowledge demand in the South: Learning divides and innovation policies, Science and Public Policy, V.37, n.8, October, 2010.
  • [5] ARUNDEL, A., E. LORENZ, B.-A°. LUNDVALL; A. VALEYRE. How Europe’s economies learn: a comparison of work organization and innovation mode for the EU-1 Industrial and Corporate Change, 16(6), 1175–1210, 2007.
  • [6] BASSI, M., M. BUSSO, S. URZUA E J. VARGAS. Disconnected: Skills, Education, and Employment in Latin America. Washington, DC: BID. 2012.
  • [7] BRASIL.MEC.Acessível:http://redefederal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=a rticle&id=52&Itemid=2. Acesso em 16/02/2021.
  • [8] BORRÁS, S.; EDQUIST, E. Education, training and skills in innovation policy. Science and Public Policy, 2014, pp. 1–13.
  • [9] CHAMINADE, C. LUNDVALL., B. A.; HANEEF, S. Advanced Introduction to National Innovation Systems. Elgar Advanced Introductions, 2018.
  • [10] CRESPI, G.; FERNÁNDEZ-ARIAS, E.; STEIN, E. Como repensar o desenvolvimento produtivo? Políticas e instituições sólidas para a transformação econômica. Washington, D.A: Banco Interamericano de desenvolvimento, 2014.
  • [11] DE NEGRI, F. Novos caminhos para a inovação no Brasil. Washington (DC): Editora Wilson Center, 2018.
  • [12] FREGULIA, R.S; GONÇALVEZ, E.; DUTRA, R.H.P. Fuga de cérebros no mercado de trabalho formal das cidades brasileiras: uma análise de dados em painel para o período 1995-2008. Planejamento e Políticas Públicas, n. 53, jul./dez, 2019.
  • [13] GALA, P. RONCAGLIA, A. Brasil, uma economia que não aprende – novas perspectivas para entender o nosso fracasso, São Paulo: Edição do Autor, 2020.
  • [14] HOLM, J.R.; LORENZ, E. LUNDVALL, B.A.; VALEYRE, A. Organizational learning and systems of labor market regulation in Europe. Industrial and Corporate Change, 19(4), 1141-1173, 2010.
  • [15] IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Rio de Janeiro: IBGE, 2020 (microdados, 2012 a 2019).
  • [16] IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, 2º trimestre, suplemento educação. Rio de Janeiro: IBGE, 2020 (microdados, 2016 a 2019).
  • [17] MORAES, N.R de; SOUZA, F da C; HAMADA, C. dos S. Políticas Públicas de Educação: recorte a partir de uma revisão bibliográfica sistemática. Revista Observatório. São Paulo. vol 5; nº 4, p.1-40, jul-set.2019. DOI: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2447-4266.2017v5n4p670
  • [18] OLIVEIRA, Antonio C. e CÓSSIO, Maria F.de. O atual cenário da educação profissional no Brasil. In. XI Congresso Nacional de Educação-EDUCARE. 2013. PUC-PR
  • [19] RAPINI, M. S.; CHIARINI, T.; BITTENCOURT, P.F. Obstacles to innovation in Brazil. Industry & Higher Education, v. 31, p. 168-183, 2017.
  • [20] SALMI, J. Novos Desafios para o ensino Superior no Século XXI. Em: |Schwartzman, S. A educação superior na América Latina e os desafios do século XXI. Editora da Unicamp, Campinas, 2014.
  • [21] TAVEIRA, J.G.; GONÇALVES, E.; FREGUGLIA, R.S. Uma análise da mobilidade de trabalhadores qualificados da indústria de transformação brasileira. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 243-270, mai-ago/2011.
  • [22] TONER, P. (2011) ‘Workforce skills and innovation: An overview of major themes in the literature’, OECD Education Working Papers, 55. Paris: OECD.
  • [23] VIAMONTE, Perola F.V.S. Ensino profissionalizante e ensino médio: novas análises a partir da LDB 9394/96. Educação em Perspectiva, Viçosa, v.2, n.1, p. 28-57. Jan-jun/2011.
Como citar:

Antigo, Mariangela Furlan; Rapini, Márcia Siqueira; Esperidião, Fernanda; "Oferta de mão de obra, escolaridade e capacidade para inovar no Brasil", p. 2173-2192 . In: Anais do V Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação (ENEI): “Inovação, Sustentabilidade e Pandemia”. São Paulo: Blucher, 2021.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/v-enei-776

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações