Artigo - Open Access.

Idioma principal

O SETOR ESPACIAL BRASILEIRO À LUZ DAS RECENTES MUDANÇAS DOS ARRANJOS ORGANIZACIONAIS

NERIS JR, Celso; FERREIRA, Marcos José Barbieri;

Artigo:

Este artigo busca avaliar a participação das empresas brasileiras nos programas espaciais que vêm sendo executados no Brasil, particularmente no que se refere à capacitação tecnológica, produtiva e organizacional dessas empresas. Utilizando como fonte primária os dados do Mapeamento da Indústria Espacial Brasileira, realizado no ano de 2013 para o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), são descritas e analisadas as capacitações e limitações das empresas brasileiras que vêm participando dos diferentes programas espaciais realizados no país. É possível constatar que estas empresas possuem competências tecnológicas restritas à segmentos de mercado bastante específicos, implicando na especialização e pulverização da estrutura produtiva do setor. Além disso, restrições produtivas e financeiras relacionadas às descontinuidades dos projetos espaciais são também percebidas. Neste sentido, a criação da Visiona, em conjunto com INPE e DCTA, como contratante e integradora de um novo programa de satélites constitui uma mudança na estrutura organizacional que procuraremos também avaliar.

Artigo:

This article seeks to evaluate the participation of brazilian firms in the space programs that are being implemented in Brazil, particularly in relation to technological, productive and organizational capacity of these companies. Using as a primary source the data of Mapeamento da Indústria Espacial Brasileira, held in 2013 for the Center for Strategic Studies and Management Science, Technology and Innovation (CGEE), we describe the capabilities and limitations of brazilian firms that are participating of space programs conducted in Brazil. It can be seen that these companies have technological skills restricted to very specific market segments, resulting in specialization and in the spraying of the productive structure of the sector. Moreover, productive and financial constraints related to discontinuities of space projects are also perceived. In this sense, the creation of Visiona, together with INPE and DCTA, as contractor and integrator of a new satellite program is a change in the organizational structure that we also seek to evaluate.

Palavras-chave: indústria espacial; capacitações; arranjo organizacional,

Palavras-chave: space industry; capacitations; organisational arrangements,

DOI: 10.5151/engpro-1enei-057

Referências bibliográficas
  • [1] AGÊNCIA ESPACIAL BRASILEIRA – AEB (2016). Informações Institucionais. Disponível em: http://www.aeb.gov.br/. Acessado em abril de 2016.
  • [2] CARVALHO, H. (2011). Alternativas de Financiamento e Parcerias Internacionais Estratégicas no Setor Espacial. In: BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Assuntos Estratégicos. Desafios do Programa Espacial Brasileiro. Brasília: SAE, 2011.
  • [3] CHAGAS, M.; CABRAL, A. (2010) Criação de capacitações em integração de sistemas: o caso do programa CBERS. Revista de Administração e Inovação, v. 7, n. 2, pp. 34-59, abr./jun.
  • [4] CHAGAS, M.; CABRAL, A.; CAMPANÁRIO, M. (2011) Firmas Integradoras de Sistemas, suas Capacitações e Fontes de Tecnologia – O Caso da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer). Revista de Ciências da Administração, v. 13, n. 29, p. 63-87.
  • [5] CHANDLER, A. (1990) Scale and scope: the dynamics of industrial capitalism. Cambridge: Harvard University Press.
  • [6] DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, L. (2011) Análise de dados da Pintec 2011. Nota técnica, n. 15. Brasília: Ipea.
  • [7] DEWES, M. (2012) Projetos nacionais de inovação: práticas do setor espacial brasileiro. Tese (Doutorado em Administração), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
  • [8] DEWES, M.; PADULA, A. (2012) Innovation in a strategic development program: the Aeroespace Program in Brazil. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, n. 1, p. 169-194, jan-jun.
  • [9] FERREIRA, M.J.B. (2009) Dinâmica da inovação e mudanças estruturais: um estudo de caso da indústria aeronáutica mundial e a inserção brasileira (Tese de Doutorado). Campinas: Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas (IE/Unicamp).
  • [10] FERREIRA, M.J.B. (2010) A industrial espacial brasileira: inserção, desafios e oportunidade. Boletim Neit, n. 15, jan-abr, pp. 1-9.
  • [11] FUTRON (2012). Futron’s 2012 Space Competitiveness Index: a comparative analysis off how countries invest in and benefit from space industry. Futron Corporation.
  • [12] GATTAZ, C.; CATHARINO, M.; VAZ, C. (2012) O caso do sistema setorial de inovação e produção espacial brasileiro: desafios para a gestão de uma rede de cooperação. In: OLIVEIRA, V.F.; CAVENAGHI, V.; MÁSCULO, F.S. (Orgs.). Tópicos emergentes e desafios metodológicos em Engenharia de Produção: casos, experiências e proposições. V.V, ABEPRO.
  • [13] GUERRA, O.; TEIXEIRA, F. (2011) Da oferta de Sistemas Complexos de Produção para o Suprimento de Serviços e Sistemas Integrados: uma Trajetória Evolutiva. Anais do XXIX Encontro da Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia (ANPEC), Salvador (BA), 11-14 de dezembro.
  • [14] HOBDAY, M.; DAVIES, A.; PRENCIPE, A. (2005) Systems integration: a core capability of the modern corporation. Industrial and Corporate Change, v. 14, n. 6, p. 1109-1143.
  • [15] INFODEFESA (2016) Informações institucionais. Disponível em: http://www.infodefensa.com/latam/2013/08/28/noticia-visiona-seleciona-empresas-fornecedoras-do-sistema-do-satelite-geoestacionario-brasileiro-sgdc.html. Acessado em abril de 2016.
  • [16] MATOS, P. (2016). Sistemas espaciais voltados para Defesa. In Mapeamento da Base Industrial de Defesa. Brasília: ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial: Ipea – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, pp. 509-595.
  • [17] MANKINS, J.C. (1995). Technology Readiness Levels: A White Paper. NASA, Office of Space Access and Technology, Advanced Concepts Office.
  • [18] MARTRE, H. (2001). A indústria aeroespacial: Análises e reflexões. Disponível em: http://www.france.org.br/abr/imagesdelafrance/aeroespacial.htm. Acessado em: 2016.
  • [19] MILLER, R.; HOBDAY, M.; LEROUX-DEMERS, T.; OLLEROS, X. (1995) Innovation in Complex Product Systems Industries: the case of flight simulation. Industrial and Corporate Change, v. 4, n. 2, p. 363-400, 1995.
  • [20] PENROSE, E. (2006 [1959]) A teoria do crescimento da firma. Campinas: Editora da Unicamp.
  • [21] ROSENBERG, N. (2006 [1982]) Por dentro da caixa preta. Campinas: Editora da Unicamp.
  • [22] TEECE, D.; PISANO, G. (1994) The dynamic capabilities of firms: an introduction. Industrial and Corporate Change, v. 3, n. 3, p. 537-556.
  • [23] UTTERBACK, J. (1996) Dominando a Dinâmica da Inovação. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora.
  • [24] VAZ, C. (2011) Fomento e apoio ao desenvolvimento da capacidade industrial, atendimento às demandas de fabricação dos projetos espaciais. In: BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Assuntos Estratégicos. Desafios do Programa Espacial Brasileiro. Brasília: SAE.
  • [25] VISIONA TECNOLOGIA ESPACIAL (2016) Informações institucionais. Disponível em: http://www.visionaespacial.com.br/. Acessado em abril de 2016.
Como citar:

NERIS JR, Celso; FERREIRA, Marcos José Barbieri; "O SETOR ESPACIAL BRASILEIRO À LUZ DAS RECENTES MUDANÇAS DOS ARRANJOS ORGANIZACIONAIS", p. 1011-1025 . In: Anais do 1º Encontro da Nacional de Economia Industrial e Inovação [=Blucher Engineering Proceedings, v.3 n.4]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-1enei-057

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações