Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

O ponto de vista do ilustrador científico: um ato de comunicação em benefício da informação

Trotta, Tatiana de; Spinillo, Carla Galvão;

Artigo completo:

Apesar de se poder imaginar que uma ilustração é obra e arte única de quem a desenha, pelo menos quando se trata da ilustração científica não é possível pensar desta maneira. Por causa do que a ilustração científica almeja, ela precisa de mais pessoas envolvidas desde sua concepção. Embora a necessidade de comunicação para produção da ilustração científica não ser uma surpresa, o ilustrador é o responsável em fazer a informação transitar entre as pessoas para concretiza-la adequadamente. Este artigo apresenta dois objetos de pesquisa: (1) os domínios das pessoas envolvidas na produção da ilustração científica de anatomia humana e (2) o ponto de vista do ilustrador científico. É um recorte de tese de doutorado da primeira autora. Estes objetos de pesquisa foram alcançados por meio de estudo de autores de referência e questionário a ilustradores científicos profissionais. A investigação possibilitou identificar a atuação das pessoas e os fatores envolvidos para a concepção e execução da ilustração científica. O ponto de vista do ilustrador científico combina os domínios com os fatores, demonstrando assim a abrangência de seu trabalho e a extensão de sua atuação.

Artigo completo:

Palavras-chave: ilustrador científico, comunicação, anatomia humana, ciência,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/9cidi-congic-1.0036

Referências bibliográficas
  • [1] AEIMS – Association européenne des illustrateurs médicaux et scientifiques. Acesso em: setembro 2014. URL: http://www.aeims.eu/.
  • [2] AMI – The association of medical illustrators. Acesso em: setembro 2014. URL: http://www.ami.org/.
  • [3] Ford, B. J. (1993). Images of science: a history of scientific illustration. New York: Oxford University Press.
  • [4] GNSI. (2011). Acesso em: julho 2012. URL: http://www.gnsi.org/science-illustration/careers-ed.
  • [5] Hodges, E. R. S. (2003). The guild handbook of scientific illustration. New Jersey: John Wiley & Sons.
  • [6] Kemp, M. (2010). Style and non-style in anatomical illustration: From Renaissance Humanism to Henry. Journal of Anatomy. N 216, pp. 192–208. Acesso em: 16 maio 2013. URL: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1469-7580.2009.01181.x/full.
  • [7] Mijksenaar, P. (1997). Visual function: an introduction to information design. Rotterdam: 010 Publishers.
  • [8] Pignatari, D. (2002). Informação. Linguagem. Comunicação. São Paulo: Atelier editorial.
  • [9] Rifkin, B. A; Ackerman, M. J. (2016). Human Anatomy: A Visual History from the Renaissance to the Digital Age. New York: Abrams.
  • [10] Silva, E. R. B. (2009). Imagens facilitam a compreensão da ciência. Ciência e Cultura [online]. 61 (3), pp. 64-65. Acesso: 25 março 2019. URL: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252009000300023.
  • [11] Tillmann, B. (2006). Atlas de Anatomia Humana com sinopse dos músculos. Barueri, SP: Manole.
  • [12] Trotta, T. de. (2017). Modelo descritivo de sintaxe visual para ilustração científica do corpo humano. Tese (Doutorado). UFPR: Curitiba.
  • [13] UNIC – União Nacional dos Ilustradores Científicos do Brasil. Acesso em: setembro 2014. URL: http://ciencia.art.br/.
  • [14] Wood, P., AMI, & GNSI. (1994). Scientific Illustration: a guide to biological, zoological, and medical rendering techniques, design, printing, and display. New York: John Wiley $ Sons.
Como citar:

Trotta, Tatiana de; Spinillo, Carla Galvão; "O ponto de vista do ilustrador científico: um ato de comunicação em benefício da informação", p. 27-35 . In: Anais do 9º CIDI | Congresso Internacional de Design da Informação, edição 2019 e do 9º CONGIC | Congresso Nacional de Iniciação Científica em Design da Informação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/9cidi-congic-1.0036

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações