Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

O MOODBOARD COMO ESTÍMULO À INOVAÇÃO NO PROCESSO DE CODESIGN: ESTUDO DE CASO EM UMA STARTUP

Oliveira, Caio Marcelo Miolo de;

Artigo Completo:

O design apresenta-se no presente artigo como processo próprio para atuar em organizações de diferentes segmentos que buscam inovar. Através da concepção de ferramentas próprias e da prática de trabalho em codesign com diferentes atores envolvidos no projeto, o designer busca integrar capacidades, estimular ações criativas e assim, inovar. Entre os instrumentos de design para propiciar inovação, facilitando comunicação e estímulo da criatividade dos membros de uma equipe de projeto está o moodboard. Neste contexto, o presente artigo investiga em um estudo de caso, como o moodboard pode estimular a inovação no processo de codesign realizado em uma startup. Como resultados da pesquisa tem-se uma proposta de como pode ser realizada uma atividade de construção de um moodboard; a verificação do moodboard como uma ferramenta própria para favorecer a participação de não-designers no projeto, a comunicação, o conhecimento distribuído e a sociabilidade entre membros do projeto; e por fim, própria para estimular a criatividade, aumentando assim as chances de inovar em um projeto.

Artigo Completo:

Palavras-chave: moodboard; inovação; codesign; startup.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0075

Referências bibliográficas
  • [1] ALEXIOU, Katerina. Complexity and coordination in collaborative design. In: ALEXIOU, Katerina; JOHSON, Jeffrey; ZAMENOPOULOS, Theodore (ed.). Embracing Complexity in design. Ed. New York: Routledge, 2010. p.73-93. 2010.
  • [2] BEST, Kathryn. Design Management: Managing Design Strategy, Process and Implementation. London: AVA Publishing SA, 2006.
  • [3] BORBA, Gustavo Severo de; ROSA, Mirela; FREIRE, Karine. S.O.S Criativo: Kit para explorar, criar e testar ideias. 201
  • [4] BORJA DE MOZOTA, Brigitte. Design management: using design to build brand value and corporate innovation. New York: Allworth Press, 2003.
  • [5] BORJA DE MOZOTA, Brigitte. The Four Power of Design: A Value Model in Design Management. Design Management Review Vol.17 No. 2. New, 2006.
  • [6] CANTÚ, Daria. Ideas Sharing Lab. Community Centred Design for Multifuncional and Collaborative Food Services. Doctoral Thesis, Politécnico Di Milano, FEB. 2012.
  • [7] CAPES. Disponível em: < HYPERLINK "http://www.periodicos.capes.gov.br"http://www.periodicos.capes.gov.br >. Acesso em 5 dez. 2015.
  • [8] COSTA, A I A, SCHOOLMEESTER, D; DEKKER, M; JONGEN, W M F. Exploring the use of consumer collages in product design Trends in Food Science and Technology. Vol 14 pp 17-31, 2003.
  • [9] COTTAM, H.; LEADBEATER C. Health: Co-creating Services. London, Design Council, 2004.
  • [10] FINEP. Glossário. 2015. Disponível em: < http://www.finep.gov.br/biblioteca/glossario >. Acesso em 5 dez. 2015.
  • [11] GARNER, S; MCDONAGH-PHILP, D. Problem Interpretation and Resolution via Visual Stimuli: The Use of ‘Mood Boards’ in Design Education. In:The Journal of Art and Design Education, p. 57-64, 2001.
  • [12] GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
  • [13] GITAHY, Yuri. O que é uma startup? 2010. Disponível: < http://exame.abril.com.br/pme/noticias/o-que-e-uma-startup >. Acesso em 5 dez. 2015.
  • [14] HYYTINEN, Ari; PAJARINEN, Mika; ROUVINEN, Petri. Does innovativeness reduce startup survival rates? Journal of Businness Venturing 30, 564-581, 2015.
  • [15] MANZINI, E. In: MERONI, Anna; SANGIORGI, Daniela. Design for services. Gower Publishing, 2011.
  • [16] MCDONAGH, D., & DENTON, H. Exploring the degree to which individual students share a common perception of specific mood boards: Observations relating to teaching, learning and team-based design. Design Studies, 26(1), 35-53, 2005.
  • [17] MERONI, Anna. (ed.). Creative Communities. People Inventing Sustainable Ways of Living. Milan: Edizioni Polidesign, 2007.
  • [18] MERONI, Anna. Strategic design: where are we now? Reflection around the foundations of a recent discipline. Strategic Design Research Journal, v.1, n.1, Dec 1, p.31-38, 2008.
  • [19] MERONI, Anna; SANGIORGI, Daniela. Design for services. Gower Publishing, 2011.
  • [20] SANDERS, Elizabeth B-N; STAPPERS, Pieter Jan. Co-creation and the new landscapes of design. CoDesign, v.4, n.1, p-5-18, mar. 2008. Disponível em: . Acesso em 10jun. 2015.
  • [21] VERGANTI, Roberto. Sete Perguntas: “Não existe manual de inovação”, declara Roberto Verganti. Editora Unicamp, 2005. Disponível em: < http://www.exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1017 > . Acesso em 8 dez. 2015.
  • [22] VERGANTI, Roberto. Design, Meanings and Radical Innovation: a metamodel and a research agenda. The Journal of Product Innovation Managements, v.25, p.436-456. 2008.
  • [23] ZURLO, Francesco. Design Strategico. In: XXI Secolo, vol. IV, Gli spazi e le arti. Roma: Enciclopedia Treccani, 2010.
Como citar:

Oliveira, Caio Marcelo Miolo de; "O MOODBOARD COMO ESTÍMULO À INOVAÇÃO NO PROCESSO DE CODESIGN: ESTUDO DE CASO EM UMA STARTUP", p. 876-887 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0075

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações