Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

O impacto dos incentivos fiscais em uma dimensão do esforço em pesquisa e desenvolvimento de grandes empresas no Brasil: uma análise do período de 2006 a 2015

Santos, Marcelo Figueiredo; Rapini, Márcia Siqueira; Santos, Ulisses Pereira dos; Teixeira, André Luiz da Silva;

Artigo completo:

O incentivo fiscal foi um instrumento de política econômica muito utilizado no Brasil nos anos 2000, e seus efeitos para o crescimento da produção e emprego têm sido objeto de divergência no debate econômico nacional. O objetivo desse artigo é analisar se o incentivo fiscal dado a grandes empresas da indústria extrativa e de transformação no período 2006-2015, contribuiu de forma significativa para ampliar o esforço em P&D, mensurado a partir da quantidade de mestres e doutores. Serão utilizados os dados da pesquisa de Sondagem da Inovação da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) conjuntamente com os dados de emprego da Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do trabalho (RAIS-MTE). Os exercícios econométricos realizados indicam que os incentivos fiscais foram significativos para explicar o aumento de mestres e doutores como esforço em P&D no Brasil entre os anos de 2006 a 2015.

Artigo completo:

Palavras-chave: incentivo fiscal, pesquisa e desenvolvimento, mão de obra qualificada, Pesquisa Sondagem da ABDI,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-6.1-092

Referências bibliográficas
  • [1] ARAÚJO, Bruno César; CAVALCANTE, Luiz Ricardo; ALVES, Patrick. Variáveis proxy para os gastos empresariais em inovação com base no pessoal ocupado técnico-científico disponível na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), 2009.
  • [2] ARELLANO, Manuel; BOND, Stephen. Some tests of specification for panel data: Monte Carlo evidence and an application to employment equations. The review of economic studies, v. 58, n. 2, p. 277-297, 1991.
  • [3] ___________________. Dynamic panel data estimation using DPD98 for GAUSS: a guide for users. cemfi, Madrid, 1998.
  • [4] ASSUNÇÃO, Matheus Carneiro. Incentivos fiscais em tempos de crise: impactos econômicos e reflexos financeiros. Revista da PGFN, v. 1, n. 1, p. 99-121, 2011.
  • [5] AVELLAR, Ana Paula et al. Avaliação de impacto de programas de incentivos fiscais à inovação: um estudo sobre os efeitos do PDTI no Brasil. Economia, v. 9, n. 1, p. 143-164, 2008.
  • [6] CALZOLAIO, Aziz Eduardo; DATHEIN, Ricardo. Políticas fiscais de incentivo à inovação: uma avaliação da Lei do Bem. ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL, v. 15, 2012.
  • [7] CAMERON, A. Colin; TRIVEDI, Pravin K. Microeconometrics: methods and applications. Cambridge university press, 2005.
  • [8] CARVALHO, Laura. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. Editora Todavia SA, 201
  • [9] CAVALCANTE, L. R. Classificações tecnológicas: uma sistematização: Nota Técnica. Brasilia: [s.n.]. 2014.
  • [10] COLISTETE, Renato Perim. O desenvolvimentismo cepalino: problemas teóricos e influências no Brasil. Estudos Avançados, v. 15, n. 41, p. 21-34, 2001.
  • [11] COLOMBO, D. G.; CRUZ, H. N. Impactos da política fiscal de inovação brasileira na composição de investimentos privados e no tipo de inovação. Revista Brasileira de Inovação, v. 17, n.2, 2018.
  • [12] FREEMAN, Chris. The ‘National System of Innovation’in historical perspective. Cambridge Journal of economics, v. 19, n. 1, p. 5-24, 1995.
  • [13] FREEMAN, C.; SOETE, L. A Economia da Inovação Industrial. Campinas: Editora Unicamp, 2008.
  • [14] FRENKEL, J. Estudo da competitividade da indústria brasileira: sistemas de apoio fiscalcreditício ao risco tecnológico e à competitividade. Campinas: Unicamp/UFRJ/FDC/FUNCEX, 1993.
  • [15] FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Univ of California Press, 1961.
  • [16] GREENE, W. H. Econometric Analysis: International Edition, 7th Edition, Pearson, 2012.
  • [17] GRIFFITH, Rachel; REDDING, Stephen; REENEN, John Van. Mapping the two faces of R&D: Productivity growth in a panel of OECD industries. Review of economics and statistics, v. 86, n. 4, p. 883-895, 2004.
  • [18] GUSSO, D. Agentes da inovação: quem os forma, quem os emprega. Tecnologia, exportação e emprego. Brasília: Ipea, p. 397-444, 2006.
  • [19] HANSEN, L. e K. SINGLETON, “Generalized Instrumental Variables Estimation of Nonlinear Expectations Models,” Econometrica, 50(5), 1982.
  • [20] Hausman, J. A. Specification tests in econometrics. Econometrica: Journal of the Econometric Society, 1978.
  • [21] KANNEBLEY JÚNIOR, Sérgio; SHIMADA, Edson; DE NEGRI, Fernanda. Efetividade da Lei do Bem no estímulo aos dispêndios em P&D: uma análise com dados em painel. 2016.
  • [22] KANNEBLEY JR., S.; PORTO, G. S. Incentivos fiscais à pesquisa, desenvolvimento e inovação no Brasil: uma avaliação das políticas recentes. Washington: IDB, 2012. (IDB Publications, n. 326).
  • [23] HALL, Bronwyn; VAN REENEN, John. How effective are fiscal incentives for R&D? A review of the evidence. Research policy, v. 29, n. 4-5, p. 449-469, 2000.
  • [24] LEON-LEDESMA, Miguel A. Economic Growth and Verdoorn's law in the Spanish regions, 1962-91. International Review of Applied Economics, v. 14, n. 1, p. 55-69, 2000.
  • [25] MARINHO, M. E, P. O cenário e os efeitos da Lei de Inovação para o setor farmacêutico nacional. EM: Marinho, M.E.P (coord.) Inovação e Setor Farmacêutico, São Paulo: Saraiva Jur, 2017.
  • [26] MATESCO, Virene Roxo; TAFNER, Paulo. O estímulo aos investimentos tecnológicos: o impacto sobre as empresas brasileiras. 1996.
  • [27] MATIAS-PEREIRA, José. Uma avaliação das políticas públicas de incentivo a inovação tecnológica no Brasil: a Lei do Bem. Parcerias Estratégicas, v. 18, n. 36, p. 221-250, 2015.
  • [28] MONTENEGRO, Rosa Livia; GONÇALVES, Eduardo; ALMEIDA, Eduardo. Dinâmica espacial e temporal da inovação no estado de São Paulo: uma análise das externalidades de diversificação e especialização. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 41, n. 4, p. 743-776, 2011.
  • [29] MYRDAL, Gunnar. Teoria econômica das regiões. Saga, 1968.
  • [30] NELSON, Richard R.; PHELPS, Edmund S. Investment in humans, technological diffusion, and economic growth. The American economic review, v. 56, n. 1/2, p. 69-75, 1966.
  • [31] NELSON;, R. R.; WRIGHT, G. The Rise and Fall of American Technological Leadership : The Postwar Era in. Journal of Economic Literature, v. XXX, n. December, p. 1931–1964, 1992.
  • [32] NELSON, R. R.; ROSENBERG, N. Technical Innovation and National Systems. In: NELSON, R. (Ed.). . National Innovation Systems. New York, Oxford: Oxford University Press, 1993. p. 3–21.
  • [33] PEREZ, C. Technological revolutions and techno-economic paradigms. Cambridge Journal of Economics, v. 34, n. 1, p. 185–202, 2010.
  • [34] DEVELOPMENT. ECONOMIC ANALYSIS; STATISTICS DIVISION. OECD Science, Technology and Industry Scoreboard 2003. Canongate US, 2003.
  • [35] RIBEIRO, L. C.; RUIZ, R. M.; BERNARDES, A. T.; ALBUQUERQUE, E. M. (2006b). Science in the developing world: running twice as fast? Computing in Science and Engineering, v. 8, pp. 81- 87, July.SCHUMPETER, J. A. Theorie der wirtschaftlichen entwicklung.[Português] Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, credito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1997.
  • [36] TEIXEIRA, Elenaldo Celso. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Salvador: AATR, v. 200, 2002.
  • [37] WOOLDRIDGE, Jeffrey M. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. Pioneira Thomson Learning, 2006.
Como citar:

Santos, Marcelo Figueiredo; Rapini, Márcia Siqueira; Santos, Ulisses Pereira dos; Teixeira, André Luiz da Silva; "O impacto dos incentivos fiscais em uma dimensão do esforço em pesquisa e desenvolvimento de grandes empresas no Brasil: uma análise do período de 2006 a 2015", p. 1301-1319 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-6.1-092

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações