Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

O IMPACTO AMBIENTAL DA INTRODUÇÃO DE AUTOMÓVEIS DIESEL

FORCETTO, A. L. S.; ABRANTES, R. de;

Artigo Completo:

Enquanto na Europa uma grande quantidade de veículos leves de passageiros (VLP) utiliza o óleo Diesel como combustível, no Brasil o uso em VLP é proibido. No entanto, está em tramitação no Congresso Nacional Projeto de Lei 1013/2011, que extingue esta proibição, baseado nas premissas que o automóvel Diesel terá menor emissão de CO2 e menor poluição. Assim, o objetivo deste trabalho é fazer uma avaliação do impacto ambiental da emissão de gases poluentes e CO2 que haveria em metrópoles como a Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), caso seja liberado o uso de óleo Diesel em VLP. Este estudo baseia-se nos resultados dos ensaios de homologação de veículos que possuem motorização similar Otto (gasolina e flex) e Diesel, bem como em dados de estudos de campo, analisados segundo a metodologia da CETESB para o cálculo do inventário de emissões veiculares. Os resultados apontam, para o automóvel Diesel em relação aos Otto, para forte aumento nas emissões de NOx e pequena redução na emissão de CO2 total, porém com aumento significativo do CO2 fóssil (descontados os biocombustíveis), resultados que são multiplicados ao se considerar as emissões reais de NOx e ao se projetar o impacto ambiental sobre a RMSP.

Artigo Completo:

Palavras-chave: diesel, impacto ambiental,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/engpro-simea2017-11

Referências bibliográficas
  • [1] PETROBRÁS Composição de preços ao consumidor – óleo Diesel. Disponível em: . Acesso em 06/Abril/2017.
  • [2] CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de Lei 1013/2011. Disponível em: . Acesso em 06/Abril/2017.
  • [3] CETESB Posicionamento acerca do projeto de Lei nº 1013, de 2011 que dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel,e dá outras providências - Informação técnica 01/16/ETH/ET. Disponível em . Acesso em 06/Abril/2017.
  • [4] OMS – Organização Mundial da Saúde (WHO – World Health Organization) International Agency for Research on Cancer – IARC: Diesel engine exhasut carcinogenic. Informação à imprensa. Lion, França: 12/Junho/2012. Disponível em: . Acesso em 10/Abril/2017.
  • [5] ICCT – International Council on Clean Transportation. The European real-driving emissions regulation. Berlim, Alemanha. Disponível em: . Acesso em 17/Outubro/2016.
  • [6] CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do ar. Disponível em: . Acesso em 26/Novembro/201
  • [7] CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Qualidade do ar no estado de São Paulo 2015. Relatório. Editoração: Roseli Arroio. São Paulo: 2016. 167 p. Disponível em: . Acesso em 20/Maio/2016.
  • [8] CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Plano de redução de emissão de fontes estacionárias – PREFE 2014. Coord.: Hércules Cerullo. São Paulo: 2014. 202 p. Disponível em: . Acesso em 24/Novembro/2016.
  • [9] IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis. Programa de controle de poluição do ar por veículos automotores – Proconve/Promot/Ibama, 3ª. Edição. Brochura. IBAMA/DIQUA: 2011. 584 p. Disponível em: . Acesso em 24/Junho./2015.
  • [10] ALVIM, D. et. al. Estudo dos compostos orgânicos voláteis precursores de ozônio na cidade de São Paulo. Artigo técnico. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, 13 p., 2011. Disponível em: Acesso em 21/Janeiro/2017.
  • [11] MARTINS, L. Sensibilidade da formação do ozônio troposférico às emissões veiculares na Região Metropolitana de São Paulo. 2006. 219 p. Tese (Doutorado em Ciências Atmosféricas). Universidade de São Paulo – Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas, São Paulo.
  • [12] CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Emissões veiculares no estado de São Paulo 2015. Relatório. Coord.: Marcelo Bales. São Paulo: 2016. 214 p. Disponível em: . Acesso em 23/Novembro/2016.
  • [13] CASTRO, A. H. S.; ARAÚJO, R. S. e SILVA, G. M. M. Qualidade do ar – parâmetros de controle e efeitos na saúde humana: uma breve revisão. Holos, ano 29, vol. 5, p. 107 a 121, Outubro/20 ISSN: 1807-1600i
  • [14] EPA – United States Environmental Protection Agency. Search results for Nitrogen Oxides. Disponível em: . Acesso em 04/Abril/2017.
  • [15] ALBUQUERQUE, T. T. A. Formação e transporte das partículas finas inorgânicas em uma atmosfera urbana: o exemplo de São Paulo. Tese (Doutorado em Metereologia). 2010, 189 p. Universidade de São Paulo – Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas, São Paulo.
  • [16] FRANCO, V. et al. Real-world exhaust emissions from modern diesel cars – A metaanalysis of PEMS emissions data from EU (EURO 6) and US (Tier 2 bin 5/ulev II) Diesel passenger cars. Part 1: aggregated results. Berlim, Alemanha: ICCT – International Council on Clean Transportation Europe, 2014, 59 p. Disponível em: . Acesso em 04/Janeiro/2017.
  • [17] KADIJK, G. et al. TNO 2016 R10083 NOx emissions of Euro 5 and Euro 6 diesel passenger cars – test results in the lab and on the road. Relatório. Delft, Holanda: TNO – Netherlands Organisation for Applied Scientific Research, 2016, 33 p. Disponível em: . Acesso em 23/Setembro/2016.
  • [18] GERMAN, J. The emissions test defeat device problem in Europe is not about VW. Berlim, Alemanha: ICCT – International Council on Clean Transportation Europe, 2016, 8 p. Disponível em: , acesso em 25/Novembro/2016.
  • [19] KODJAK, D. et al. An international perspective on vehicle emissions compliance, testing and enforcement. In: US EPA COMPLIANCE SUMMIT, 2016, Ann Arbour, Estados Unidos. Anais… Estados Unidos: EPA, 2016, 22 p.
  • [20] MARNER, B. Emission of nitrogen oxides from modern Diesel vehicles. Relatório. Bristol, UK: Air Quality Consultants, 2016. 48 p. Disponível em: . Acesso em 23/Setembro/2016.
  • [21] THOMPSON, G. et al. In-Use Emissions Testing of Light-Duty Diesel Vehicles in the United States – final report. Morgantown, Estados Unidos: CAFEE – Center for Alternative Fuels, Engines & Emissions – West Virginia University, 2014, 133 p. Disponível em: . Acesso em 11/Janeiro/2017.
  • [22] IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Auto de infração nº 9082389-E – Procedimento 02001.007032/2015-46 – Decisão de 1ª instância 191/2017 – Parecer DIQUA 000207/2017 – Relatório de avaliação de emissões de poluentes de veículos Amarok Diesel, CETESB, 01.2017. Auto de infração. Brasília, DF: 21/março/2017. Disponível em: . Acesso em 06/Abril/2017.
Como citar:

FORCETTO, A. L. S.; ABRANTES, R. de; "O IMPACTO AMBIENTAL DA INTRODUÇÃO DE AUTOMÓVEIS DIESEL", p. 145-151 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-simea2017-11

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações