Dezembro 2020 vol. 8 num. 5 - Colóquio Internacional de Design 2020

Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

O idoso, o ambiente doméstico e o envelhecimentoativo

The elderly, the domestic environment and the active aging

Camargos, Maria Laura de Almeida; Rezende, Edson José Carpintero;

Artigo completo:

O envelhecimento populacional caracteriza aspecto de grande relevância na atualidade e são urgentesinvestimentos em estudos e pesquisas. Envelhecer enseja variadas modificações nos aspectos físicos,psicológicos, socioeconômicos e culturais no cotidiano das pessoas, destacando-se alterações nasconfigurações familiares e na habitação. Este estudo objetiva explorar o impacto potencial doambiente físico de moradia sobre o comportamento das pessoas idosas, no reconhecimento danecessidade de respeitar as demandas particulares de cada indivíduo. O envelhecimento ativo, a partirdos princípios de autonomia, independência e qualidade de vida, fundamenta esta reflexão, aofortalecer a hipótese que ambientes saudáveis contribuem para uma vida ativa e com possibilidadesde maior acessibilidade e realização pessoal. Noções de identidade e pertencimento ao espaçohabitado são tomadas como proposições que contribuem para o estudo. O artigo é concluídoinstigando o design de ambientes a enfrentar o desafio de projetar espaços que tenham o potencialde apoiar a complexa experiência de habitar do idoso, de forma a proporcionar dignidade e satisfaçãopessoal.

Artigo completo:

Populacional aging caracterizes an aspect of accentuated relevance in the current timesand investments in studies and research are urgently needed. Aging involves several changes in thephysical, psychological, socioeconomic and cultural aspects of people's daily lives, and even moresignificant are the changes in family settings and housing. This study aims to explore the potentialimpact of the physical environment on the behavior of the elderly, also recognizing the need torespect the particular demands of each individual. Active aging, based on the principles of autonomy,independence and quality of life, underlies this reflection, by strengthening the hypothesis thathealthy environments contribute to an active life with possibilities of greater accessibility and personalfulfillment. Notions of identity and belonging to the inhabited space are taken as propositions thatcontribute to the study. The article concludes by instigating the field of environmental design to facethe challenge of designing spaces that have the potential to support the complex living experience ofthe elderly, contributing to provide dignity and personal satisfaction.

Palavras-chave: Envelhecimento ativo; ambiente do idoso; identidade; qualidade de vida; design de ambientes,

Palavras-chave: Active aging; elderly environment; identity; quality of life; room design,

DOI: 10.5151/cid2020-92

Referências bibliográficas
  • [1] ABREU, S. M . M. de. Aspectos subjetivos relacionados ao design de ambientes: um desafio no processo projetual. Dissertação (mestrado) – Universidade do Estado de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Design, 2015.
  • [2] BUFFEL, T. Social research and co-production with older people: Developing agefriendly communities. Elsevier Jour The meaning of aging in place to older people nal of Aging Studies, 2018.
  • [3] BRONWYN T. ; CHERYL T.; DESLEIGH de J.. Restoring and Sustaining Home: The Impact of Home Modifications on the Meaning of Home for Older People. Journal of Housing for the Elderly, 2008.
  • [4] CAIMCROSS, L. Active ageing and the built environment. London: Housing Learning & Improvement Network, 2016.
  • [5] CAMARANO, A. A., MELLO, J. L. Introdução. In: CAMARANO, A. A. (Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: Ipea, 2010.
  • [6] CAMARANO, A.A., KANSO, S. Perspectivas de crescimento para a população brasileira: velhos e novos resultados. Rio de Janeiro: Ipea, 2009.
  • [7] CAMARANO, A.A., KANSO, S. Como as famílias brasileiras estão lidando com idosos que demandam cuidados e quais as perspectivas futuras? a visão mostrada pelas PNADs. In: CAMARANO, A. A. (Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? Rio de Janeiro: Ipea, 2010.
  • [8] CAMARANO, A. A, BARBOSA, P. Instituições de longa permanência para idosos no Brasil: do que se está falando? In: ALCÂNTARA, A. O.; GIACOMIM, K. C. Política nacional do idoso: velhas e novas questões. Rio de Janeiro: Ipea, 2016.
  • [9] CARR, K. et al. Universal design: a step toward successful aging. Hindawi Publishing Corporation Journal of Aging Research, 2013.
  • [10] COSTA, S. et al. Habitação e urbanismo in Política nacional do idoso: velhas e novas questões.
  • [11] CAMARANO, A.A.; ALCÂNTARA, A. O.; GIACOMIM, K. C. Rio de Janeiro: Ipea, 2016.
  • [12] CURL. A. THOMPSON, C. W.; ASPINALLB P.M. The effectiveness of ‘shared space’ residential street interventions on self-reported activity levels and quality of life for older people. Elsevier Journal of Aging Studies, 2015. EC – EUROPEAN COMMISSION. Long-term care in the European Union. Employment, social affairs, equal opportunities dg social protection, and integration social protection, social services. Bruxelles: EC, 2008.
  • [13] ELLIS et al. Study protocol: healthy urban living and ageing in place (HULAP) - an international, mixed methods study examining the associations between physical activity, built and social environments for older adults the UK and Brazil. BMC Public Health, 2018.
  • [14] GOBBENS, R. J. J; ASSEN M. A. L. M. Associations of environmental factors with quality of life in older adults. The Gerontologist, 2018.
  • [15] MINAYO, M. C. S.; FIGUEIREDO, A. E. B.; MANGAS, R. M. N. Estudo das publicações científicas (2002- 2017) sobre ideação suicida, tentativas de suicídio e autonegligência de idosos internados em Instituições de Longa Permanência. Ciência e Saúde Coletiva, 2019.
  • [16] MIRANDA, G. M. D; MENDES, A. C. G; SILVA, A. L. A. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Rio de Janeiro: Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 20
  • [17] OLIVEIRA A. S. de et al. Fatores ambientais e risco de quedas em idosos: revisão sistemática. Rio de Janeiro: Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 2014.
  • [18] OMS – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Tradução de Suzana Gontijo. Brasília: Opas, 2005.
  • [19] TAFNER, P. BOTELHO, C.; ERBISTI, R. Transição demográfica e o impacto fiscal na previdência brasileira. In: Camarano, A.A. Novo regime demográfico, uma nova relação entre população e desenvolvimento? Rio de Janeiro: Ipea, 2014.
  • [20] UN - UNITED NATIONS. Political Declaration and Madrid International Plan of Action on Ageing. New York: United Nations, 2002.
  • [21] UN - UNITED NATIONS. World Population Ageing, 2013.
  • [22] VASCONCELOS A.M.N.; GOMES M.M.F. Transição demográfica: a experiência brasileira. Brasília: Epidemiologia Serviço Saúde, 2012.
  • [23] WILES, Janine L. et al. The Meaning of “Aging in Place” to Older People. Oxford: The Gerontological Society of America. 2011.
  • [24] WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. 10 Priorities: Towards a decade of healthy ageing. Geneva: World Health Organization, 2017.
  • [25] WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. International Workshop on Housing, Health and Climate Change: Develop Guidance for Health protection in the the built environment – mitigation and adaptation responses. Geneva: WHO, 2010.
  • [26] WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. Active ageing: a policy framework. Geneva: WHO, 2002.
Como citar:

Camargos, Maria Laura de Almeida; Rezende, Edson José Carpintero; "O idoso, o ambiente doméstico e o envelhecimentoativo", p. 1229-1238 . In: Anais do Colóquio Internacional de Design 2020. São Paulo: Blucher, 2020.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/cid2020-92

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações