Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

O esgotamento do crescimento brasileiro e o investimento em infraestrutura enquanto novo vetor de dinamismo

Bueno, André; Sarti, Fernando;

Artigo completo:

O atual padrão de crescimento brasileiro, calcado no consumo, atingiu seu limite. Os baixos patamares de investimento nas últimas décadas Brasil é um dos principais fatores para o pequeno dinamismo da economia e uma indústria inadequada ao processo de desenvolvimento, especialmente com uma estrutura produtiva incapaz e insuficiente (desindustrialização precoce) de absorver os estímulos de demanda gerados pela economia. Assim, como forma de analisar tais hipóteses, efetua-se neste trabalho comparações: (i) das participações e contribuições de países e regiões no PIB e investimento global; (ii) entre os padrões de crescimento brasileiro (consumption-led) e chinês (investment-led), e suas respectivas estruturas produtivas. Os resultados obtidos corroboram que o investimento é a causa fundamental para o pífio desempenho da econômica brasileira, fazendo-se fundamental o protagonismo do investimento para a retomada do crescimento. Este trabalho propõe, então, que a expansão dos investimentos em infraestrutura é um meio viável para tal tarefa.

Artigo completo:

Palavras-chave: Crescimento econômico; Estrutura produtiva; Investimento; Investimento em infraestrutura; Desindustrialização,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-1.4-048

Referências bibliográficas
  • [1] BIELSCHOWSKY, Ricardo. Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2013.
  • [2] BRESSER-PEREIRA, Luis; OREIRO, José Luis; MARCONI, Nelson. Macroeconomia Desenvolvimentista: Teoria e política econômica do novo desenvolvimentismo. Elsevier Brasil, 2017.
  • [3] CARNEIRO, R. Desenvolvimento brasileiro pós-crise financeira: oportunidades e riscos. Observatório da Economia Global, Textos Avulsos, n. 4, Agosto 2010.
  • [4] DÁVILA-FERNÁNDEZ, Marwil Jhonatan. Desindustrialização e o investimento em infraestrutura como instrumento conciliador de uma política industrial base no Brasil. Brazilian Journal of Political Economy, v. 35, n. 3, p. 576-600, 2015.
  • [5] DRACH, Daniel Chaves et al. Componentes estruturais da desindustrialização: uma análise da economia brasileira para o período 2003-13. Dissertação (Mestrado), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 2016.
  • [6] DWECK, Esther et al. Impacto da austeridade sobre o crescimento e a desigualdade no Brasil. XXIII Encontro Nacional de Economia Política. Acesso em, v. 9, n. 01, p. 2018, 2018.
  • [7] FLEURY, F.L. (2009), “Investimento em infraestrutura como instrumento de política industrial”, Tese (Doutorado em Administração) — Faculdade de Economia Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 206 pp.
  • [8] HIRATUKA, Célio; SARTI, Fernando. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil. Brazilian Journal of Political Economy/Revista de Economia Política, v. 37, n. 1, 2017.
  • [9] KOSE, M. Ayhan et al. Weakness in investment growth: Causes, implications and policy responses. 2017.
  • [10] LOPREATO, Francisco Luiz C. Aspectos da atuação estatal de FHC a Dilma. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2015.
  • [11] LOPREATO, Francisco Luiz Cazeiro. Caminhos da política fiscal do Brasil. Editora Unesp, 2013.
  • [12] MCKINSEY GLOBAL INSTITUTE. Bridging global infrastructure gaps – Has the world made progress? McKinsey & Company, out. 2017.
  • [13] MCKINSEY GLOBAL INSTITUTE. Bridging global infrastructure gaps. McKinsey & Company, jun. 2016.
  • [14] MCKINSEY GLOBAL INSTITUTE. Infrastructure productivity: how to save $ 1 trillion a year. McKinsey & Company, jan. 2013.
  • [15] MEDEIROS, C. A. O ciclo recente de crescimento chinês e seus desafios. Observatório da economia global, Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica do Instituto de Economia/Unicamp, Textos Avulsos – n. 3, jun. 2010.
  • [16] MELLO, Guilherme; ROSSI, Pedro. Do industrialismo à austeridade: a política macro dos governos Dilma. In: CARNEIRO, Ricardo; BALTAR, Paulo; SARTI, Fernando. Para além da política econômica. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2018.
  • [17] MORCEIRO, P. C. Desindustrialização na economia brasileira no período 2000-2011: Abordagens e indicadores. Dissertação (Mestrado) — Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2012.
  • [18] MORCEIRO, P. C. (2018), “A indústria brasileira no limiar do século XXI: uma análise da sua evolução estrutural, comercial e tecnológica”, Tese (Doutorado em Ciência Econômica) — Faculdade de Economia Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 216 pp.
  • [19] PEREIRA, A.; PUGA, F. P. Infraestrutura no Brasil: ajustando o foco. Rio de Janeiro: BNDES, nov. 2016. (Textos para Discussão n.112).
  • [20] SARTI, Fernando. Padrão de crescimento e desenvolvimento industrial. In: BARBOSA, Nelson et al. (Org.). Indústria e desenvolvimento produtivo no Brasil. Elsevier, 2015.
  • [21] SARTI, Fernando; HIRATUKA, Célio. Desempenho recente da indústria brasileira no contexto de mudanças estruturais domésticas e globais. Campinas: Instituto de Economia Unicamp, 2017.
  • [22] WORLD BANK – Disponível em . Acessado em 13/07/2018
Como citar:

Bueno, André; Sarti, Fernando; "O esgotamento do crescimento brasileiro e o investimento em infraestrutura enquanto novo vetor de dinamismo", p. 326-342 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-1.4-048

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações