Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

O ENSINO DE LÍNGUAS NO PROGRAMA DE ESCOLARIZAÇÃO HOSPITALAR DO PARANÁ (SAREH): DISCUSSÕES SOBRE CURRÍCULO

PETERS, Itamara; BARROS, Eliana Merlin Deganutti de;

Artigo Completo:

Esta pesquisa trata-se de um recorte do trabalho de conclusão do Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) desenvolvido na Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), cuja finalidade é investigar as práticas de letramento escolar realizadas no SAREH e produzir orientações teórico-metodológicas para subsidiar a área de códigos e linguagem desse programa. O objetivo desta proposta é analisar e compreender a seleção dos objetos de ensino e a metodologia utilizada por professores da área de Códigos e Linguagem que atuam como docentes de Língua Portuguesa na educação hospitalar do programa SAREH, para propor uma orientação teórico-metodológica aos professores do referido programa. A pesquisa baseia-se na metodologia de abordagem qualitativa, pautada no estudo de caso, utilizando um instrumento de coleta de dados pré-definido (questionário) que foi aplicado em 09 (nove) unidades hospitalares conveniadas com a Secretaria Estadual de Educação do Paraná, A pesquisa coletou respostas de 10 (dez) professores da área de Códigos e Linguagem que apresentam diferentes formações acadêmicas para a atuação no ensino de Língua Portuguesa. Para embasar as análises, o trabalho apoia-se nas discussões sobre currículo de Apple (1982, 2004); Silva (2000); Moreira e Candau (2003); Gomes (2007) entre outros, cujos estudos apontam para um olhar crítico sobre o currículo e os desdobramentos das escolhas curriculares no processo educativo. Além da conceituação curricular na educação hospitalar há a necessidade de compreensão dos processos de adaptação curricular propostos pelos documentos norteadores da educação especial e inclusiva e também das discussões curriculares na escolarização hospitalar apresentadas por Covic e Oliveira (2011). Diante das análises feitas, entende-se que construir um currículo para a criança e adolescente da educação hospitalar é trabalhar numa relação triangular entre o currículo especifico da educação hospitalar, o currículo encaminhado pela escola de origem (oficialmente prescrito) e o currículo que emerge das práticas sociais.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Currículo, educação hospitalar, ensino de línguas,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-009

Referências bibliográficas
  • [1] APPLE, Michael W. Educational and Curricular Restructuring and the Neo-liberal and Neo-conservative Agendas: Interview with Michael Apple. Disponível em: Currículo sem Fronteiras, v.1, n.1, pp. i-xxvi, Jan/Jun 200
  • [2] BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: edições 70, 2011. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro.
  • [3] BRASIL.MEC, SEESP. Projeto Escola Viva. Garantindo o aceso e permanência de todos os alunos na escola. Alunos com necessidades especiais, nº. 5 – Adaptações de Grande Porte. Brasília, 2000.
  • [4] ______.MEC, SEESP. Projeto Escola Viva. Garantindo o aceso e permanência de todos os alunos na escola. Alunos com necessidades especiais, nº. 6 – Adaptações de Pequeno Porte. Brasília, 2000.
  • [5] BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP, 2001.
  • [6] BRASIL. Ministério da Educação. Lei no 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências.
  • [7] BRASIL. Decreto nº 3.956, de 8 de outubro de 2001. Promulga a Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas Portadoras de Deficiência. Guatemala: 2001.
  • [8] ______. Ministério da Educação. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Secretaria de Educação Especial. Brasília: MEC; SEESP, 2002.
  • [9] _____. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Ministério da Educação e Cultura. SECADI. Brasília, MEC, 2006.
  • [10] COVIC, Amália Neide. OLIVEIRA, Fabiana Aparecida de Melo. O Aluno Gravemente Enfermo. São Paulo: Cortez,2011.
  • [11] FREIRE, Paulo. Professora Sim, Tia Não – cartas a quem ousa ensinar, 4 a ed. São Paulo: Olho d’Água, 1994.
  • [12] GIROUX, H. Teoria crítica e resistência em Educação. Petrópolis: Vozes, 1986.
  • [13] GOMES, Nilma Lino. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.
  • [14] LIBÂNEO, J.C. Organização e Gestão da Escola: Teoria e Prática, 5. ed. Goiânia, Alternativa, 2004.
  • [15] MOREIRA, Antônio Flavio Barbosa e Candau, Vera Maria. Indagações sobre Currículo: currículo, conhecimento e cultura Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007. 48 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/indag5.pdf
  • [16] SACRISTAN, J. Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3ª ed. Porto Alegre, Artmed, 2000.
  • [17] SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica. 2009.
Como citar:

PETERS, Itamara; BARROS, Eliana Merlin Deganutti de; "O ENSINO DE LÍNGUAS NO PROGRAMA DE ESCOLARIZAÇÃO HOSPITALAR DO PARANÁ (SAREH): DISCUSSÕES SOBRE CURRÍCULO", p. 111-126 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-009

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações