Maio 2018 vol. 4 num. 3 - Colóquio Internacional de Design 2017

Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

O designer como hacker do espaço urbano

Rios, Igor Gourlat Toscano; Gomes, William Girundi;

Artigo Completo:

O presente estudo é um ponto de partida para compreender as novas atualizações de cidade. A arquitetura e o design moderno converteram a cidade em uma rede organizada de apelo e consumo, diminuindo a participação e a experiência corporal dos habitantes, uma vez que, eles preferiam fugir do caos urbano e se refugiar em locais privados (HENTSCHKE, 2012). No decorrer do século XXI, entretanto, a cidade volta a ser o palco de interação das pessoas, apresentando-se como um espaço de fluxos, e, principalmente, de informações e experiências. A mobilidade informacional, por exemplo, permite ao ser estar presente – mesmo que virtualmente – em diversos espaços. Essa virtualidade adiciona a cidade concreta e real diz respeito às cibercidades – termo relacionado ao que se compreende por ciberespaço. Ela é, acima de tudo, a anulação das distâncias entre os ocupantes, mesmo que seja a anulação de forma simbólica, pela comunicação sob forma digital (HENTSCHKE, 2012). Assim como o ambiente virtual, a cibercidade é uma interface que pode ser manipulada de acordo com os interesses de seus moradores. Os moradores, assim como os hackers de computador, devem compreender o funcionamento da cidade e subverte-la a seu favor. O verbo “hackear ” significa, literalmente, “rasgar”, “cortar”, “desmontar”. O trabalho de um hacker é igual ao trabalho das crianças que desmontam o ferro de casa para ver como é por dentro e entender como funciona (GUBITOSA, 2007). E, ninguém melhor do que os designers, criativos e conhecedores das técnicas de manipulação para hackear as cidades, potencializando o uso delas. Este artigo mais do que um referencial teórico, é uma forma de demonstrar e provocar aos criativos esse dever de trazer as pessoas de volta ao espaço que é delas por direto: a cidade.

Artigo Completo:

Palavras-chave: cibercidades; hackear; espaço cíbrido; ciberflâneur,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/cid2017-52

Referências bibliográficas
  • [1] AMPATZIDOU, Cristina; BOUW, Matthijs; KLUNDERT, Froukje van de; LARGE, Michiel; WALL, Martijin de. The hackeable city: a research manifesto and design toolkit. Amsterdam: 2015.
  • [2] BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Liquida, Zahar. Rio de Janeiro: 2001.
  • [3] BENJAMIN, W. Passagens. Belo Horizonte: 2004.
  • [4] CARERI, Francesco. Walkscapes: o caminhar como pratica estética, Loyola. São Paulo: 2013.
  • [5] CARERI, Francesco. Walkscapes: o caminhar como pratica estética, Loyola. São Paulo: 2002.
  • [6] CUNHA, Erika Jorge Rodrigues da. A natureza do espaço urbano: formação e transformação de
  • [7] territoriais na cidade contemporânea. Belo Horizonte: 2008.
  • [8] DARODA, Raquel Ferreira. As novas tecnologias e o espaço público da cidade contemporânea, Porto Alegre: 2012
  • [9] DOMINGUES, Diana; VENTURELLI, Suzete. Cibercomunicação cíbrida no ontinuum virtualidade aumentada e realidade aumentada – era uma vez ... a realidade. IN: Revista ARS, ECA-USP, São Paulo, 2008.
  • [10] FIRMINO, Rodrigo José. A simbiose do espaço: cidades virtuais, arquitetura recombinante e a atualização do espaço urbano. Newcastle: 2005.
  • [11] FONTES, Gabriela Scroczynski; GOMES, Icleia Rodrigues de Lima. Cibercidades: as tecnologias de comunicação e a reconfiguração de práticas sociais. São Paulo: 2013.
  • [12] GERALDO, Luís Gustavo Bueno. O ciberflaneur e a produção artística no ciberespaço. São Paulo: 2010
  • [13] GUBITOSA, Cario. Hacker, scienziati e pioneri, Stampa Alternativa. 2007.
  • [14] HENTSCHKE, Roberta Ribeiro. Caminhante: Espaço urbano, espaço digital e suas relações, Belo Horizonte: 2012
  • [15] LEMOS, André. Ciberube: a cidade na sociedade da informação, E-papers. Rio de Janeiro: 2004.
  • [16] LEMOS, André. Cibercultura e mobilidade. A era da conexão. Rio de Janeiro: 2005.
  • [17] MARCHI, Poliese Moreira de. Interface entre cidade e tecnologia: a experiência do espaço tecnológico. São Paulo: 2011.
  • [18] MASSAGLI, Sergio Roberto. Homem da multidão e o flâneur no conto “o homem da multidão” de Edgar Allan Poe. São Paulo: 2008.
  • [19] MUTUCK, Artur; SILVA, Eunice Maria. O flâneur intervisual e intermedial. São Paulo: 2015.
  • [20] NETO, Raimundo Firmino de Oliveira. Dispositivos da realidade aumentada e o espaço cíbrido. Belém, 2013.
  • [21] PASSOS, Fernanda. et al . O novo flâneur, Revista Eclética. Rio de Janeiro: 2003.
  • [22] RIBEIRO, Clarissa. Do flâneur ao ciborg – teorias filosóficas do espaço. São Carlos: 2004.
  • [23] SÁ, Ana Isabel de. Urbanismo entre pares: cidade e tecnopolítica. Belo Horizonte, 2015.
  • [24] SOUZA, Leandro; JAMBEIRO, Othon. Cidades informacionais: as cidades na era da informação. Salvador: 2001.
  • [25] WILSON, Elizabeth. O flâneur invisível. Uberlândia: 2013.
  • [26] YURGEL, Caio. Apaguem os rastros: Walter Benjamin, arquitetura, história e literatura. Porto Alegre: 2012.
Como citar:

Rios, Igor Gourlat Toscano; Gomes, William Girundi; "O designer como hacker do espaço urbano", p. 595-606 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2318-6968, ISBN: cid2017
DOI 10.5151/cid2017-52

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações