Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

O DESIGN GRÁFICO INCLUSIVO COMO FERRAMENTA DE EMPODERAMENTO DE JOVENS NEGRAS

Corat, Cristina de Souza; Henriques, Fernanda;

Artigo Completo:

Como herança da sociedade patriarcal, a mulher brasileira sofre diariamente opressão. Para as mulheres negras, a discriminação não ocorre apenas pela questão de gênero, mas também racial, sendo colocadas no grupo mais inferior da sociedade, afetando o modo como enxergam a si mesmas . Dessa forma, este estudo tem como objetivo organizar bases teóricas relacionadas ao movimento feminista negro e desenvolver um produto de design gráfico inclusivo para conscientizar e auxiliar o empoderamento de jovens negras. A metodologia da pesquisa está estruturada em dois eixos, um teórico e outro prático . O primeiro eixo é constituído de pesquisa bibliográfica e imagética sobre os principais temas da investigação (movimento feminista negro; estética e cultura afro-brasileira e design social e inclusivo com foco em integração social), p esquisa de projetos sociais e feministas que utilizem o design como ferramenta de comunicação e, a partir de est atísticas nacionais, identificação dos principais fatores de opressão às mulheres negras para investigação de ações eficientes para o fortalecimento de identidade. O segundo eixo consiste na elaboração de uma oficina com dez jovens entre nove e dezoito anos (que se identificam como neg ras) com intuito de discussão acerca do feminismo negro, investigação sobre design de interação e animação como forma de comunicação, análise dos resultados e desenvolvimento de material gráfico específico para a pesquisa. Como resultado esperado, visa-se o desenvolvimento de uma animação de caráter comunicativo e informativo com finalidade de auxiliar a conscientização e a capacidade de jovens negras de realizarem mudanças necessárias para evoluirem e se fortalecerem como indivíduos.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Feminismo Negro; Design Gráfico Inclusivo; Design de Interação; Animação,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0269

Referências bibliográficas
  • [1] BORGES, Roberto Carlos da Silva. Representação de mulheres negras: cinema, ethos e identidades. Cuiabá: Revista Educação Pública, 2012.
  • [2] BORIS, Georges Daniel Janja Bloc; CESÍDIO, Mirella de Holanda. Mulher, corpo e subjetividade: uma análise desde o patriarcado à contemporaneidade. Fortaleza: Revista Mal-Estar e Subjetividade, 2007.
  • [3] BROWN, Tim. Design for Social Impact. The Rockefeller Foundation, 2008.
  • [4] CARNEIRO, S. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, 17(49), 2003, p. 117-132.
  • [5] CASTRO, Jorge Abrahão de; ARAÚJO, Herton Ellery. Situação social brasileira: monitoramento das condições de vida 2. Brasília: Ipea, 2012.
  • [6] CUNHAS, Manu. Outras Meninas. Brasil, 2015. Disponível na Internet por http em: . Acesso em abr.2016
  • [7] DE FARIA, Juliana. Think Olga. Brasil, 2013. Disponível na Internet por http em: . Acesso em abr.2016
  • [8] MARGOLIN, Victor; MARGOLIN, Sylvia. A “Social Model” of Design: Issues of Practice and Research. Massachusetts: Design Issues: Volume 18, Number 4, 2002.
  • [9] MARTINS, Alaerte Leandro. Mortalidade materna de mulheres negras no Brasil. Rio de Janeiro: Cad. Saúde Pública, v. 22, n. 11, Nov. 2006 .
  • [10] MENEGHEL, Stela Nazareth; FARINA, Olga; RAMÃO, Silvia Regina. Hi stória de resistência de mulheres negras. Florianópolis: Estudos Feministas, 2005.
  • [11] PASCHOARELLI e DA SILVA (org.). Design e ergonomia: aspectos tecnológicos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.
  • [12] PRESTES, Clélia Rosane dos Santos. Feridas até o coração, erguem-se negras guerreiras. Resiliência em mulheres negras: transmissão psíquica e pertencimentos. São paulo: Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 2013.
  • [13] RODRIGUES, Cristiano. Atualidade do conceito de interseccionalidade para a pesquisa e prática feminista no Brasil. Florianópolis: Seminário Internacional Fazendo Gênero 10, 20
  • [14] SANTOS, Cecília Macdowell; IZUMINO, Wânia Pasinato. Violência contra as Mulheres e Violência de Gênero: Notas sobre Estudos Feministas no Brasil. E.I.A.L, Vol 16, 2005.
  • [15] SHERMAN, William R.; CRAIG, Alan B. Understanding Virtual Reality: Interface, Application, and Design. São Francisco, CA: Morgan Kaufmann Publishers, 2003.
  • [16] SILVEIRA, Cecilia. Aurélia: dicionário ilustrado de mulheres. Brasil, 2015. Disponível na Internet por http em: . Acesso em abr.2016
  • [17] TOKITA, Márcia Figueiredo. Mulheres Negras. GT 7. Feminismos, sexualidades e marxismos na América Latina, 2013.
  • [18] VENTURI, Gustavo. Misoginia, homofobia, racismo e “gerontofobia”: contribuições de análises da opinião pública para a prevenção. Curitiba: Juruá, 2012.
  • [19] WERNECK, Jurema. Políticas públicas para negras e negros. Criola, Fundação Heinrich Boll, 2010.
Como citar:

Corat, Cristina de Souza; Henriques, Fernanda; "O DESIGN GRÁFICO INCLUSIVO COMO FERRAMENTA DE EMPODERAMENTO DE JOVENS NEGRAS", p. 3134-3142 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0269

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações