Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

O ACONSELHAMENTO LINGUAGEIRO COMO FORMA DE INTERVENÇÃO E FORMAÇÃO DOCENTE

NONATO, Rejane;

Artigo Completo:

Essa pesquisa objetivou encontrar maneiras de melhorar a formação em serviço de professores de inglês que atuam na rede pública de ensino no interior do Estado do Pará. Para tanto, utilizei o aconselhamento linguageiro (AL) que é uma forma de suporte de língua que, por meio de conversas, visa promover o aprendizado auto direcionado (GARDNER; MILLER, 1999; RILEY, 1997; VIEIRA, 2007). Para realizá-la apoiei-me nos estudos de Mozzon-McPherson (2001), que discorre sobre o aconselhamento linguageiro, apontando as características de um bom conselheiro linguageiro; e Reinders (2007) que trata a respeito da organização das sessões de aconselhamento. A metodologia adotada enquadra-se no método de pesquisa qualitativa uma vez que se trata de uma pesquisa-ação. A sequência de procedimentos apoiou-se no projeto coordenado por Magno e Silva (2013), no qual primeiramente, analisou-se a experiência pessoal de aprendizagem de LE das aconselhadas e identificou-se uma área de preocupação pessoal; em seguida, planejou-se pró-ativamente, visando a área de preocupação pessoal; o terceiro passo foi exercer uma intervenção monitorada; por fim, como última etapa, se deu a avaliação e o replanejamento. Para a realização dessa pesquisa utilizou-se como instrumentos de coleta de dados relatórios de sessões de aconselhamento. Os resultados apresentados evidenciam que o AL pode ajudar na formação de professores em exercício favorecendo o desenvolvimento da autonomia desses profissionais, uma vez que o período de aconselhamento permitiu que as professoras aconselhadas refletissem sobre seus conhecimentos de língua, suas crenças, dificuldades e estratégias para superar essas dificuldades, levando-as a realizar ações em busca de seu aperfeiçoamento linguístico e profissional.

Artigo Completo:

Palavras-chave: aconselhamento linguageiro; autonomia; escolas públicas,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-057

Referências bibliográficas
  • [1] ESCH, E. Promoting learner autonomy: criteria for the selection of appropriate methods. In: PEMBERTON, R. et al. Taking control: autonomy in language learning. Hong Kong University Press, p. 35-48, 1996.
  • [2] GARDNER, D.; MILLER, L. Counseling. In: _____. Establishing self-access. From theory to practice. Cambridge: Cambridge, 1999.
  • [3] KELLY, R. Language counseling for learner automony. In: PEMBERTON, R. et al. (eds.). Tanking control: Autonomy in language learning. Hong Kong University Press, 1996.
  • [4] MAGNO E SILVA, W. Autonomia, motivação e aconselhamento linguageiro na sala de aula de línguas. In: MENDES, E.; CUNHA, J. C. Práticas em sala de aula de línguas: diálogos necessários entre teoria(s) e ações situadas. Campinas, São Paulo: Pontes Editores, 2012.
  • [5] _________________. Aconselhamento Linguageiro: Visando à motivação e à Autonomia na Aprendizagem de Línguas Estrangeiras. Belém: Faculdade de Letras Estrangeiras Modernas, Instituto de Letras e Comunicação, UFPA, 20 p, 2013 (Relatório final de pesquisa).
  • [6] MOZZON-MCPHERSON, M. The language adviser: a new type of teacher. In LITTLE D.; VOSS B. (eds.). Language centres: planning for the new millennium. Plymouth: CercleS. p. 97-109, 199
  • [7] MOZZON-McPHERSON, M.; VISMANS, R. (Eds). Beyond language teaching towards language advising. London: CILT, 2001.
  • [8] MYNARD, J. The role of the learning advisor in promoting autonomy.2011. Disponível em: http://ailarenla.org/lall. Acesso em 21 de novembro de 2012.
  • [9] PAIVA, V. L. M.O. A identidade do professor de inglês. Revista APLIEMGE: ensino e pesquisa. Uberlândia: APLIEMGE/FAPEMIG, n.1, p. 9-17, 1997.
  • [10] RATIER, R. Ir além do ensino para inglês. Revista Nova Escola. V. XXVI, nº. 243, junho/julho, p. 28-30, 2011.
  • [11] REINDERS, H. University language advising: is it useful? In: Reflections in English Language Teaching, - nus.edu. 2007.
  • [12] REINDERS, H. The what, why, and how of language advising. In: MexTESOL, v. 32, nº.2, 2008.
  • [13] RILEY, P. The guru and the conjurer: Aspects of counseling for self-access. In: BENSON, P.; VOLLER, P. (Eds.). Autonomy and Independency in Language Learning. London: Longman, 1997.
  • [14] STICKLER, U. Using counseling skills for advising. In: MOZZON-McPHERSON, M.; VISMANS, R. (Eds) Beyond language teaching towards language advising. London: CILT, 2001.
  • [15] VIERA, F. Teacher development through Inquiry: Getting Started. In: BARFIELD, A.; BROWN, S.H. (Eds.). Reconstructing Autonomy in Language Education: Inquiry and Innovation. London: Palgrave, 2007.
  • [16] VOLLER, P. Does the teacher have a role in autonomous language learning? In: BENSON, P.; VOLLER, P. Autonomy e independence in language learning. New York: Longman, 1997.
  • [17] VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo, Martins Fontes, 132 p, 1984.
Como citar:

NONATO, Rejane; "O ACONSELHAMENTO LINGUAGEIRO COMO FORMA DE INTERVENÇÃO E FORMAÇÃO DOCENTE", p. 730-744 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-057

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações