Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Mudanças Tecnológicas e Emprego Feminino

Technological Changes and Female Employment

Rocha, Gabriella Rodrigues;

Artigo:

Este estudo analisa a polarização do emprego, com foco nas diferenças de gênero nos resultados do mercado de trabalho para o setor da indústria de transformação. A metodologia adotada é o Índice de Intensidade de Tarefas Rotineiras (RTI) proposto por Autor e Dorn (2013), usando-se os microdados da Relação Anual de Informações Sociais para os anos de 2018 e 2020. Observou-se que, embora esteja diminuindo as lacunas de gênero, o mercado de trabalho permanece altamente segregado. Atráves dos resultados do RTI, nota-se que as mulheres se concentram mais no meio e na parte superior da distribuição das ocupações, onde fica as tarefas rotineiras – tarefas estas mais propensas à automação. Assim o deslocamento dos trabalhadores para as caudas inferiores das distribuições de ocupações (polarização do emprego), é mais intenso entre os homens em relação as mulheres.

Artigo:

This study analyses employment polarization, focusing on gender differences in labor market outcomes for the manufacturing sector. The methodology adopted is the Routine Task Intensity Index (RTI) proposed by Autor and Dorn (2013), using microdata from the Annual Social Information Report for the years 2018 and 2020. It was observed that although it is decreasing gender gaps, the labor market remains highly segregated. Through the results of the RTI, it is noted that women are more concentrated in the middle and upper part of the distribution of occupations, where routine tasks are located – tasks that are more prone to automation. Thus, the shift of workers to the lower tails of the distributions of occupations (employment polarization) is more intense among men than among women.

Palavras-chave: Polarização do Emprego; Mudança Tecnológica; Força de Trabalho Feminina; Igualdade de Gênero,

Palavras-chave: Polarization of Employment; Technological Change; Female Workforce; Gender equality,

DOI: 10.5151/vi-enei-896

Referências bibliográficas
  • [1] ALAVI, M.; LEIDNER, D. E. Knowledge management and knowledge management systems: conceptual foundations and research issues. Minnesota: Management Information Systems Research Cneter, 200
  • [2] ARGOTE, L.; SPEKTOR, E. M. Organizational Learning: From Experience to Knowledge. Organization Science, 2011.
  • [3] ASHEIM, B.; ISAKSEN, A. Regional Innovation Systems: The Integration of Local ‘Sticky’ and Global, 2002.
  • [4] AZEVEDO, P. A interação UFSC e PETROBRAS para o desenvolvimento inovativo sob a óptica institucionalista-evolucionária. 509f. Tese (Doutorado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.
  • [5] BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Almedina Brasil, 2016.
  • [6] BITTENCOURT, P. F.; CÁRIO, S. A. F. Sistemas de Inovação: das raízes no século XIX à análise global contemporânea. Curitiba: Prisma, 2017, pp. 331-369.
  • [7] CHAVES, C. V., et al. The point of view of firms in Minas Gerais about the contribution of universities and research institutes to R&D activities. Research Policy, 2012.
  • [8] CHIZZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes, 2009.
  • [9] COSTA, A. B. Teoria econômica e política de inovação. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, n.2, v.20, pp. 281-307, 2016.
  • [10] COUTO E SILVA NETO, F. C., et al. Patterns of interaction between national and multinational corporations and Brazilian universities/public research institutes. Science and Public Policy, n. 3, v. 40, 2012.
  • [11] EDQUIST, C. Systems of Innovation: Perspectives and Challenges. The Oxford Handbook of Innovation. 2006, pp. 181-208.
  • [12] FIGUEIREDO, P. N. Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para o desenho e complementação de estudos empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação. v. 3, 2004.
  • [13] FREEMAN, C. Technology policy and economic performance. London: Pinter Publishers, 1987.
  • [14] ______. The ‘National System of Innovation’ in historical perspective. Journal of Economics, 1995.
  • [15] FREEMAN, C. PEREZ, C. Structural crises of adjustiment, business cycles and investment behaviour. Pinter Publishers, London, 1988, pp. 38-66.
  • [16] FREEMAN, C.; SOETE, L. A Economia da Inovação Industrial. Campinas: Unicamp, 2008. pp. 503-539.
  • [17] INKPEN, A. Learning, Knowledge Acquisition, and Strategic Alliances. European Management Journal, v. 16, 1998.
  • [18] LEMOS, D. C. e CÁRIO, S. A. F. Os sistemas nacional e regional de inovação e sua influência na interação universidade-empresa em Santa Catarina. 2016, pp. 45-57.
  • [19] LUNDVALL, B. A.; JOHNSON, B. The learning economy. Journal of Industry Studies, v. 1, 1994.
  • [20] LUNDVALL, B.. One knowledge base or many knowledge pools? In: DRUID. 2006
  • [21] ______. Innovation in System Research.I Where it came from and where it might go. National Systems of Innovation. Ed. Lundvall. London. New York: Anthem Press. 2010. 317-351.
  • [22] MALERBA, F. Learning by Firms and Incremental Technical Change. 1992, v. 102, pp. 845-859.
  • [23] MAZZUCATO, M. O Estado Empreendedor. s.l.: Portfolio-Penguin, 2014.
  • [24] MAZZUCATO, M.; PENNA, C. C. R. O sistema brasileiro de inovação: uma proposta de políticas "orientadas por missões". Brasília: s.n., 2016.
  • [25] MILAGRES, R. Rotinas - Uma revisão teórica. Revista Brasileira de Inovação, 2011.
  • [26] NELSON, R. R. As Fontes do Crescimento Econômico. Tradução Adriana Gomes de Freitas. Campinas: Editora da Unicamp, 2016. pp. 458-462.
  • [27] PEREIRA, A. J.; DATHEIN, R. Processo de aprendizado, acumulação de conhecimento e sistemas de inovação: a "co-evolução das tecnologias físicas e sociais" como fonte de desenvolvimento econômico. Revista brasileira de inovação, 2012.
  • [28] PEREZ, C. 2010. Revoluciones tecnológicas y paradigmas tecno-económicos. Cambridge Journal of Economics. 2010.
  • [29] ROSENBERG, N. Por dentro da caixa preta: Tecnologia e Economia. Campinas: Unicamp, 2006.
  • [30] SENAI/SC. Programa Estruturante 2012 - 2017. Florianópolis: s.n., 2012.
  • [31] SCHUMPETER, J. A.. Teoria do Desenvolvimento Econômico. Tradução Maria Sílvia Possas. São Paulo: Nova Cultura, 1997. pp. 69-99.
  • [32] TATSCH, A. L. Conhecimento, aprendizagem, inovação e proximidade espacial: o caso do arranjo de máquinas e implementos agrícolas no Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: s.n., 2008, Revista Brasileira de Inovação, pp. 63-100.
  • [33] TIGRE, P. B. Paradigmas Tecnológicos e Teorias Econômicas da Firma. Campinas: Revista brasileira de inovação, v. 4, n. 1, 2005.
  • [34] VARELLA, S.R.D.; MEDEIROS, J.B.S.; SILVA JR, M.T. O Desenvolvimento da Teoria da Inovação Schumpteriana. Anais: XXXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Rio de Janeiro. 15 a 18 de 10 de 2012.
Como citar:

Rocha, Gabriella Rodrigues; "Mudanças Tecnológicas e Emprego Feminino", p. 24-39 . In: Anais do VI Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação (ENEI): “Indústria e pesquisa para Inovação: novos desafios ao desenvolvimento sustentável”. São Paulo: Blucher, 2022.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/vi-enei-896

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações