Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

Mudanças Técnicas e Institucionais e Crescimento Econômico: aproximação teórica a partir das abordagens evolucionária e institucionalista

CARIO, Silvio A. F.; BORGES, William;

Artigo Completo:

No intuito de construir um quadro analítico que aproxime as teorias Neo-Schumpeteriana e Institucionalista, o trabalho procura angariar elementos que tenham o mesmo aporte epistemológico e, ainda, contribuam com o desenvolvimento futuro de novas interpretações no campo. Nesses termos, entende-se que as mudanças ocorrem de forma simultânea e não rotineira, fazendo com que as mudanças repercutam pela cadeia produtiva. Para cumprir com o objetivo, essa pesquisa se configura como teórica, de natureza qualitativa e descritiva. Como resultado, a pesquisa conta com uma aproximação de sete pressupostos que evidenciam uma forma de interpretar os ambientes repletos de ações institucionais e tecnológicas.

Artigo Completo:

In order to construct an analytical framework that approximates the Neo-Schumpeterian and Institutionalist theories, the work seeks to gather elements that have the same epistemological contribution and, also, contribute to the future development of new interpretations in the field. In these terms, it is understood that the changes occur simultaneously and not routinely, causing the changes to pass through the productive chain. In order to fulfill the objetctive, this research is configured as theorical, of a qualitative and descriptive nature. As a result, the reserarch has an approximation of seven assumptions that show a way, of interpreting environments full of institutional and theorical actions.

Palavras-chave: Inovação, Instituições, Abordagem Complementar,

Palavras-chave: Innovation, Institution, Complementary approach,

DOI: 10.5151/enei2017-76

Referências bibliográficas
  • [1] AREND, M. 50 anos de industrialização do Brasil (1955-2005): uma análise evolucionaria. (Tese de doutorado). PPGE/UFRGS, Porto Alegre, 2009.
  • [2] COMMONS, J. R. Institutional economics. American Economic Review, v. 21, p. 648-657, 1931
  • [3] CONCEIÇÃO, Octavio A. C. Instituições, crescimento e mudança na ótica institucionalista. Tese (Doutoramento em Economia) — Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Porto Alegre, 2000.
  • [4] ______. A dimensão institucional do processo de crescimento econômico: inovações e mudanças institucionais, rotinas e tecnologia social. Economia e Sociedade, Campinas, v. 17, n. 1 (32), p. 85-105, abr. 2008.
  • [5] ______. Há compatibilidade entre a tecnologia social de Nelson e a causalidade vebleniana de Hodgson?. Revista de Economia Política, v32, n. 1, janeiro-março, p. 109-127, 2012.
  • [6] DEWEY, John. Human nature and conduct: an introduction to social psychology. New York: Random House, 1950.
  • [7] DOSI, G. The nature of the innovative process. In: DOSI, G. et all (org). Technical change and economic theory. London: MERIT, 1988, p.221-238.
  • [8] ______. . Mudança técnica e Transformação Industrial. Campinas: Ed. Unicamp, 2006.
  • [9] FARINA, Elizabeth M.M.Q. Organização Industrial no Agribusiness. In: ZYLBERSZTAJN, Décio; NEVES, Marcos F. (Orgs.). Economia e Gestão de Negócios Agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária, distribuição. 1.ed. São Paulo: Pioneira, 2000.
  • [10] FARINA, E. M. M. Q.; AZEVEDO, P. F.; SAES, M. S. M. Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo: Editora Singular, 1997.
  • [11] FREEMAN, C. The national System of innovation in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, v.19, n.1, p. 5-24, 1995.
  • [12] FREEMAN, C.; PEREZ, C. Structural crisis of adjustment: business cycles and investment behaviour. In: DOSI, G.; FREEMAN, C.; NELSON, R.; SILVERBERG, G.; SOETE, L. (eds). Technical change and economic theory. London: Pinter, p. 38-66, 1988.
  • [13] HODGSON, Geoffrey. The Return of Institutional Economics. In: SMELSER, Neil; SWEDBERG, Richard. (eds.) The Handbook of Economic Sociology. New York: Princeton University Press, 1994.
  • [14] __________. What is the essence of institutional economics? In: Annual meeting of the association for evolutionary economics. Boston, Massachusetts, 6-9 jan., 2000.
  • [15] __________. A evolução das instituições: uma agenda para pesquisa teórica futura. Revista Econômica, v.3, n.1, p.97-125, junho, 2001.
  • [16] __________. What are Institutions? Journal of Economic Issues, vol.40, n.1, mar., 2006.
  • [17] KLEIN, Benjamin. CRAWFORD, Robert G. ALCHIAN, Armen A. Vertical Integration, Appropriable Rents, and the Competitive Contracting Process. Journal of Law and Economics, v. 21, n. 2, p. 297-326, 1978.
  • [18] LAPLANE,M.; SARTI, F. Investimento direto estrangeiro e a retomada do crescimento sustentado nos anos 90. Economia e Sociedade, Campinas, n. 8, p. 143-181, jun. 1997.
  • [19] LEMOS, C. Inovação da era do conhecimento. In: LASTRES, H. M. M.; ALBAGI, S. Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro, 1999.
  • [20] LUNDVALL, B.A; JOHNSON, B.; ANDERSEN, E.S.; DALUM, B. National systems of production, innovation and competence building. Research Policy, n.31, p. 213-231, 2002.
  • [21] ______. Introduction to 'technological infrastructure and international competitiveness' by Christopher Freeman', Industrial and Corporate Change, v. 13, n. 3, p. 531–539, 2004.
  • [22] MALERBA, F. Learning by firms and incremental technical change. The Economic Journal, 1992.
  • [23] MINAYO, M.C.S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 29 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
  • [24] MITCHELL, W. C. Os ciclos econômicos e suas causas. São Paulo: Abril Cultural, 1984.
  • [25] MONASTERIO, L. M. Guia para Veblen: um estudo acerca da economia evolucionária. Pelotas: EDUFPEL, 1998.
  • [26] NELSON, R; WINTER, S. Uma teoria evolucionaria da mudança econômica. Unicamp, 2006.
  • [27] NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. São Paulo: Campus, 1997.
  • [28] NORTH, Douglass C. Institutions. The Journal of Economic Perspectives, v.5, n. 1, p. 97-112, 1991.
  • [29] ______. Instituciones, cambio institucional y desempeño económico. Ciudad de México : Fondo de Cultura Económica, 1993.
  • [30] ORSENIGO, Luigi. Tecnological regimes, patterns of innovative activities and industrial dynamics – A survey of empirical evidence and of some theoretical models. Cahiers d’economie et sociologie rurales, n. 37, p. 26-67, 1995.
  • [31] PAVITT, K. Sectors patterns of technical change: Toward a taxonomy and theory. Research Policy, 1984.
  • [32] PEREZ, C. Cambio Técnico, Restructuration Competitiva y Reforma Institucional en los Países en Desarollo. El Trimestre Económico, v.61, 1992.
  • [33] PESSALI, Huáscar F.; DALTO, Fabiano. A mesoeconomia do desenvolvimento econômico: o papel das instituições. Nova Economia, v.20, n 1, p. 11-37, 2010.
  • [34] POSSAS, M.L. A economia política no Brasil hoje. Revista de Economia Política, São Paulo, SP, v. 10, n.2, p. 95-115, 1990.
  • [35] SIMON, H. Models of Man: social and rational. New York: Wiley, 1957.
  • [36] TAVARES, P.V.; KRETZER, J.; MEDEIROS, N. Economia Neo-Schumpeteriana: expoentes evolucionários e desafios endógenos da indústria brasileira. Economia Ensaios, v 19, n. 3, Dezembro, 2005.
  • [37] TIGRE, P. B. Gestão da inovação: A economia da tecnologia no Brasil. São Paulo: Campus, 2006.
  • [38] VEBLEN, T. B. A. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Pioneira, 1965. (1a. ed. 1899).
  • [39] ______. Engineers and the price system. New York: Viking Press, reimp. 1959. (1a. ed. 1921)
  • [40] ______. . Why is economics not an evolutionary science?. Quarterly Journal of Economics, vol. 12, no. 3, July, 373-97, 1898.
  • [41] ______. Essays, reviews and reports: previously uncollected writings. DORFMAN, J (ed.). Inclui a introdução New Light on Veblen de Joseph Dorfman. Clifton, NJ: Augustus M. Kelley, 1973.
  • [42] WILLIAMSON, O.E. Markets and Hierarchies. New York Free Press,1975.
  • [43] ______. The economic institutions of capitalism: firms, markets, relational contracting. New York: New York Press, 1985.
  • [44] ______. The new institutional economics: taking stock, looking ahead. Journal of Economic Literature. v. 38, p. 595-613, 2000.
  • [45] ZYLBERSZTAJN, Decio. A estrutura de governança e coordenação do agribusiness: uma aplicação da nova economia das instituições. 1995. 238 f. Tese (Livre-Docência) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.
  • [46] ZYSMAN, John. How institutions create historically rooted trajectories of growth. Industrial and Corporate Change, v. 3, n. 1, p. 243-283, 1994.
Como citar:

CARIO, Silvio A. F.; BORGES, William; "Mudanças Técnicas e Institucionais e Crescimento Econômico: aproximação teórica a partir das abordagens evolucionária e institucionalista", p. 1421-1436 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2017-76

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações