Artigo - Open Access.

Idioma principal

Mudança Estrutural e a Produtividade: análise da economia brasileira

Rocha, Carolina Silvestri Cândido; Tatsch, Ana Lúcia; Cario, Silvio Antonio Ferraz;

Artigo:

Observa-se na realidade de diversos países, desenvolvidos e em desenvolvimento, a ocorrência de mudança estrutural em direção à redução da participação da indústria no PIB. Tal processo, denominado processo de desindustrialização, impacta a produtividade das economias de maneira diferente. Quando o setor de serviços emergente é capaz de ampliar a complexidade econômica, vê-se tendência de aumento de produtividade, no entanto, quando este não se relaciona diretamente ao setor industrial remanescente, ou seja, é composto por serviços não estratégicos, observa-se problemas no crescimento da produtividade. Neste contexto, por meio da utilização de um modelo de decomposição canônica de variância, a realidade brasileira foi analisada visando caracterizar a direção da mudança estrutural e compreender sua consequência tem termos de produtividade. Como resultado, verifica-se que o crescimento da participação do setor de serviços no emprego relaciona-se mais com um aumento do emprego nos segmentos de Serviços financeiros, seguros, imobiliário e comercial e Serviços comunitários, sociais e pessoais. Neste sentido, conclui-se que tal fenômeno decorre da ausência de dinamismo dos demais setores econômicos e não de medidas que proporcionam mudança estrutural para o aprofundamento da complexidade econômica e aumento da produtividade.

Artigo:

Palavras-chave: Mudança estrutural, produtividade, desindustrialização,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/enei2018-56

Referências bibliográficas
  • [1] ANTONELLI, C. Localized technological change, new information technology and the knowledge-based economy: the European evidence. Journal of Evolutionary Economics, v. 8, n. 2, p. 177-198, jul. 1998. ARBACHE, J. Produtividade no setor de serviços. In: NEGRI, Fernanda de; CAVALCANTE, L. R. (Orgs.). Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes. Brasília: Njobs Comunicação, 2015. v. 2, p. 277-300. Baumol, W. J. (1967), ‘Macroeconomics of unbalanced growth: the anatomy of urban crisis’, The American Economic Review 57(3), 415–426. Baumol, W. J., Blackman, S. A. B. & Wolff, E. N. (1985), ‘Unbalanced growth revisited: asymptotic stagnancy and new evidence’, The American Economic Review 75(4), 806–817. Busso, M., Madrigal, L. & Pages, C. (2013), ‘Productivity and research missallocation in latin american’, The B.E. Journal of Macroeconomics 13(1), 903– 932. BIELSCHOWSKY, R. Cinquenta anos de pensamentos na CEPAL: Uma resenha. In: Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000. p. 13-68. CASTELLACCI, F. Technological paradigms, regimes and trajectories: Manufacturing and service industries in a new taxonomy of sectoral patterns of innovation. Research Policy, Oslo, v. 1, n. 37, p. 978-994, 15 maio 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2017. DABLA-NORRIS, Era et al. The New Normal: A Sector-Level Perspective on Productivity Trends in Advanced Economies. Washington: Fmi, 2015. 38 p. DI CAGNO, D., MELICIANI, V. Do inter-sectoral flows of services matter for productivity growth? An input/output analysis of OECD countries. Economics of Innovation and New Technology, v. 14, n. 3: 149-171, 2005. DOSI S. et. al. (Eds). Technical Change and Economic Theory. London: Pinter, 1988. FABRICANT, S. Employment in Manufacturing, 1899-1939. NBER, New York, 1942. FAJNZYLBER, F. La industrialización trunca de América Latina. Cidade do México: Editorial Nueva Imagen, 1983. FIXLER, D.; SIEGAL, D. Outsourcing and productivity growth in services. Structural Change and Economic Dynamics, n. 10, p. 177-194, 1999. FREEMAN, C. 1974. The Economics of Industrial Innovation. 2. ed. London: Frances Pinter, 1982. FREEMAN, C., LOUÇÃ, F. As Time Goes by: From the Industrial Revolutions to the Information Revolution. Oxford: Oxford University Press, 200 FURTADO, C. Desenvolvimento e Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 196 GUERRIERI, P., MELICIANI, V. Technology and international competitiveness: the interdependence between manufacturing and producer services. Structural Change and Economic Dynamics, n. 16, p. 489-502, 2005. Jacinto, P. d. A., & Ribeiro, E.P. (2015). Crescimento da produtividade no setor de serviços e da indústria no Brasil: Dinâmica e heterogeneidade. Economia Aplicada, 19(3), 401-427. MACEDO, B. G. Desenvolvimento Econômico: A atualidade da economia política cepalina. 2007. 217 f. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Estadual de Camppinas, Campinas, 2007. MARCONI, Nelson; ARAGÃO, Roberto Barbosa de Andrade. Demand and supply factors on the explanation of structural change. Porto: Fmm, 2016. MALERBA, F.; ORSENIGO, L. Technological Regimes and Sectoral Patterns of Innovative Activities. Oxford Jornals, v. 6, n. 1, p. 83-118, 2006. Melo, H. P., Rocha, F., Ferraz, G., Di Sabbato, A. & Dweck, R. (1998), ‘O setor serviços no Brasil: uma visão global — 1985/95’. MCMILLAN, Margaret, and RODRIK, Dani, “Globalization, Structural Change, and Economic Growth,” in M. Bachetta and M. Jansen, eds., Making Globalization Socially Sustainable, International Labor Organization and World Trade Organization, Geneva, 201 NELSON, R. R.; WINTER, S. G. An evolutionary theory of economic change. Cambridge, Massachusetts, EUA: Harvard University Press, 1982. Rodrik, Dani, “Unconditional Convergence in Manufacturing,” Quarterly Journal of Economics, 128 (1), February 2013, 165‐204. Rodrik, D. (2011), ‘O imperativo manufatureiro’, Valor econômico. Rodrik, D. (2014), ‘Are services the new manufactures?’, Valor econômico RODRIGUEZ, O. O Estruturalismo Latino-Americano. Rio de Janeiro: Record, 2006. Silva, A. M. (2006), Dinâmica da produtividade do setor de serviços no Brasil: uma abordagem microeconômica, in J. A. Negri & L. C. Kubota, eds, ‘Estrutura e Dinâmica do Setor de Serviços no Brasil’, Vol. 1, IPEA Oliveira, C. C. (2011), ‘Os serviços importam: análise comparativa da evolução setorial da produtividade do trabalho no Brasil, nos EUA e na EU-15 (1980-2007): uma aplicação do modelo Shift share’, XXXIX Encontro Nacional de Economia, Foz do Iguaçú, Paraná. Pereira, M. Z., Bastos, S. Q. A. & Perobelli, F. S. (2013), ‘Análise sistêmica do setor de serviços no Brasil para o ano de 2005’, Pesquisa e Planejamento Econômico 43(1), 161–20 THE CONFERENCE BOARD (Estados Unidos). Productivity data. 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 ago. 2016. THE CONFERENCE BOARD. Productivity Brief 2015: Global Productivity Growth Stuck in the Slow Lane with No Signs of Recovery in Sight. Nova York, 2015. 26 p. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2017. TIMMER, Marcel P.; VRIES, Gaaitzen DE VRIES And Klaas de. Patterns of Structural Change in Developing Countries. Groningen: Groningen Growth And Development Centre, 2014. 31 p. Timmer, Marcel P. & Szirmai, Adam, 2000. "Productivity growth in Asian manufacturing: the structural bonus hypothesis examined," Structural Change and Economic Dynamics, Elsevier, vol. 11(4), pages 371-392, December. WINDRUM, P., TOMLINSON, M. Knowledge-intensive services and international competitiveness: a four country comparison. Technology Analysis and Strategic Management, v. 11, n. 3, p. 391-408, 1999.
Como citar:

Rocha, Carolina Silvestri Cândido; Tatsch, Ana Lúcia; Cario, Silvio Antonio Ferraz; "Mudança Estrutural e a Produtividade: análise da economia brasileira", p. 1007-1022 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2018-56

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações