Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

JOGOS DIGITAIS PARA INTERAÇÃO COM BRAIN COMPUTER INTERFACE PARA AUXILIAR NO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE PESSOAS COM PARALISIA CEREBRAL

Heidrich, Regina de O.; Branco, Marsal A.; Mossmann, João B.; Schuh, Anderson R.; Jensen, Emely;

Artigo Completo:

Uma Interface Cérebro-Computador (BCI), permite que uma pessoa possa transferir comandos a um computador diretamente. Em vez de utilizar um teclado, mouse ou outro dispositivo de entrada, o utilizador desta interface simplesmente emite os comandos através de ondas cerebrais e o computador responde a eles. Este trabalho pretende apresentar um game desenvolvido para auxiliar o processo de inclusão escolar de pessoas com paralisia cerebral. Método: Pesquisa de abordagem qualitativa. Para o desenvolvimento desta pesquisa escolhemos o estudo de caso pois o mesmo é uma investigação multifacetada, em profundidade, de um único fenômeno social. Resultados: Desenvolvimento do Game Neuro-Navegática, com diferentes formas de velocidade de varredura, o software permite que o usuário através do piscar de olhos possa escolher a matéria. Neste exemplo optou-se pela matemática. Conclusão: O estudo sobre Brain Computer Interface (BCI) busca aprimorar a maneira de interação entre o ser humano e as máquinas e permite que pessoas com paralisia cerebral possam se beneficiar no processo de educação inclusive, assim como seus colegas sem deficiência.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Ergonomia cognitiva; Interação; Brain Computer Interface (BCI); Paralisia Cerebral; Games.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0292

Referências bibliográficas
  • [1] ANDRADE, J. M. P. Paralisias Cerebrais. [ca.1999]. Disponível na internet por http em: . Acesso em 13 jun. 2014.
  • [2] BARROS, L. A. (1994). Suporte a Ambientes Distribuídos para Aprendizagem Cooperativa. 1994. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Software.
  • [3] BJORKLUND, D. F.; PELLEGRINI, A. D. Evolutionary perspectives on social development. In: SMITH, P. K.; HART, C. H. (Eds.), The Wiley-Blackwell handbook of childhood social development. Oxford: Wiley-Blackwell, 2010. p. 64–81.
  • [4] BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Qualitative research for education: an introduction for to theory and Methods. Boston: Allyn and Bacon, 1982.
  • [5] BRANCO, M. A. et al. Dimensões dos jogos de ensino. ICECE 2013 - Congresso Internacional em Educação em Engenharia e Computação 2013. Anais do ICECE 2013, v. 8, p. 277-281, 2013. Disponível na internet por http em: . Acesso em 11 jun. 2013.
  • [6] COOK, A.M.; HUSSEY, S. M. Assistive Technologies: Principles and Practices. St. Louis: Mosby, 1995.
  • [7] DEWEY, J. Experience and Education. New York: Free Press, 199
  • [8] ERIKSON, E. H. Toys and reasons: Stages in the ritualization of experience. New York: Norton, 1977.
  • [9] EXECUTIVE COMMITTEE FOR THE DEFINITION OF CEREBRAL PALSY. A report: the definition and classification of cerebral palsy April 2006. Developmental Medicine & Child Neurology, v. 49, n. 109, p. 8-14, fev. 2007.
  • [10] FEAGIN, J.; ORUM, A.; SJOBERG, G. A Case for the Case Study. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 1991.
  • [11] FERNANDES, A. C. et al. Medicina e Reabilitação: princípios e prática. São Paulo: Artes Médicas, 2007.
  • [12] FINNIE, N. R. O manuseio em casa da criança com paralisia cerebral. 3. ed. São Paulo: Manole, 2000.
  • [13] GERALIS, E. Crianças com paralisia cerebral: guia para pais e educadores. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.
  • [14] GRANIC, I.; LOBEL, A.; ENGELS, R. C. M. E. The benefits of playing video games. American Psychologist, n. 69, p. 66-78, 20
  • [15] GUIMARÃES, L. B. M. Ergonomia Cognitiva: Produto e Produção. Porto Alegre: FEENG, 2004.
  • [16] JOHNSON, S. Surpreendente: a Televisão e o Videogame nos Tornam Mais Inteligentes. São Paulo: Campus, 2005.
  • [17] MEDINA, B. et al. Gamification Inc.: como reinventar empresas a partir de jogos. 1. ed. Rio de Janeiro: MJV Press, 2013.
  • [18] PATTON, M. Q. How to use qualitative Methods in Evaluation. London: Sage, 1987.
  • [19] SANKAR, C.; MUNDKUR, N. Cerebral Palsy - Definition, Classification, Etiology and Early Diagnosis. The Indian Journal of Pediatrics, Nova Déli, v. 72, n. 10, p. 865-868. out. 2005.
  • [20] SCHWARTZMAN, J. S. Paralisia cerebral. Arquivos Brasileiros de Paralisia Cerebral, v. 1, n. 1, p. 4-17, 2004.
  • [21] SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Cartilha do Censo 2010 – Pessoas com Deficiência. Brasília: SDH-PR/SNPD, 2012. Disponível na internet por http em: . Acesso em 13 jun. 2014.
  • [22] SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Tecnologia Assistiva. Brasília, DF: Comitê de Ajudas Técnicas, 2009.
  • [23] STAKE, R. E. The Art of Case Study Research. London: Sage, 1995.
  • [24] VYGOTSKY, L. Mind in society: The development of higher psychological functions. Cambridge: Harvard University Press, 1978.
  • [25] WOLPAW, J. R. Brain–computer interfaces as new brain output pathways. The Journal of Physiology, v. 579, n. 3, 613-619, mar. 2007.
  • [26] YIN, R. K. Case Study Research: Design and Methods. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 1994.
Como citar:

Heidrich, Regina de O.; Branco, Marsal A.; Mossmann, João B.; Schuh, Anderson R.; Jensen, Emely; "JOGOS DIGITAIS PARA INTERAÇÃO COM BRAIN COMPUTER INTERFACE PARA AUXILIAR NO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE PESSOAS COM PARALISIA CEREBRAL", p. 3397-3407 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0292

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações