Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

INVESTIMENTO DIRETO EXTERNO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AFRICANO: ESTUDO DE CASO DA ECONOMIA MOÇAMBICANA

CÁRIO, Sílvio Antônio Ferraz; SIGAÚQUE, Eduardo Saugineta;

Artigo Completo:

O artigo tem como objetivo discutir o papel do IDE no processo de industrialização da economia Moçambicana. Os principais setores indústrias (têxtil, caju, borracha, vidro, etc.) que detinham entre as décadas de 1970-1980 uma participação significativa na divisão internacional e regional do trabalho foram enceradas ou privatizadas ao longo da década de 1990. No campo produtivo, notou-se que em 2015, cerca de 80% das exportações do país estavam sob controle das empresas multinacionais. Apesar do país ter sido o segundo maior destino de capitais externos, na forma de IDE na África Subsaariana, à contribuição média dos megaprojetos no Produto Interno Bruto (PIB) não superou 2% a.a. A pesquisa constatou com base na visão teórica da dependência que o Estado Moçambicano tornou-se um ao longo das últimas duas décadas (1995–2015) um “Estado-empresário”, refletindo no nível de endividamento público externo. Entretanto, pelas características estruturais das economias periféricas, a burguesia local encontra-se subordinado aos interesses do capital financeiro mundial e por isso dá primazia aos ganhos de participação acionária minoritárias nos megaprojetos, em detrimento de uma idealização e criação de um projeto de desenvolvimento próprio e sustentado de longo prazo para o país.

Artigo Completo:

The article aims to discuss the role of FDI in the process of industrialization of the Mozambican economy. The major industrial sectors (textiles, cashew, rubber, glass, etc.) that had significant participation in the international and regional division of labour between the 1970s and 1980s were waxed or privatized throughout the 1990s. In the productive field, it was noted that by 2015, about 80% of the country's exports were under the control of multinational companies. Although the country was the second largest foreign capital destination, in the form of FDI in sub-Saharan Africa, the average contribution of megaprojects in the Gross Domestic Product (GDP) did not exceed 2% a.a. Based on the theoretical view of dependence, the survey found that the Mozambican state has become a "business-state" over the last two decades (1995-2015), reflecting the level of external public indebtedness. However, due to the structural characteristics of peripheral economies, the local bourgeoisie is subordinated to the interests of the world's financial capital and therefore gives priority to the minority shareholding gains in megaprojects, to the detriment of an idealization and creation of a development project of its own. Long-term sustainability for the country.

Palavras-chave: Desenvolvimento Econômico, IDE, Moçambique,

Palavras-chave: Economic Development, FDI, Mozambique,

DOI: 10.5151/enei2017-41

Referências bibliográficas
  • [1] ABRAHAMSON, Hans. The Scramble from Africa. Gothenburg University, PADRIGU. Peace and Development Institute. Gothenburg (Sweden), 1995.
  • [2] ABRAHAMSON, Hans, NILSON, Anders. The Washington Consensus and Mozambique. Gothenburg University, PADRIGU. Peace and Development Institute. Gothenburg (Sweden), 1996.
  • [3] ARIENT, Wagner Lael; FILOMENO, Felipe Amin. Economia política do moderno sistema mundial: as contribuições de Wallestein, Braudel e Arrighi. Ensaios FEE, Porto Alegre, V.28, p. 99-126, Julho de 2007.
  • [4] ARRIGHI, Giovanni. A ilusão do desenvolvimento. Vozes. Petrópolis, Rio de Janeiro, 1997.
  • [5] BAMBIRRA, Vânia. O capitalismo dependente latino-americano. 3ª Edição. Florianópolis: Insular, 201
  • [6] Banco Mundial. Mozambique Financial Sector Study. Washington. The World Bank, 1992.
  • [7] BELLUCCI, Beluce. Economia Contemporânea de Moçambique: Sociedade Linhageira, Colonialismo, Socialismo, Liberalismo. Rio de Janeiro: Educam, 200
  • [8] Fundo Monetário Internacional - FMI. Enhanced Structural Adjustment Facility Policy Framework Paper for 1998–2000. Republic of Mozambique. Washington DC, 199
  • [9] BENAKOUCHE, Rabah. Crise e dívida externa: o caso brasileiro. São Paulo- Diniz, 1984.
  • [10] BRANCO, Luís Castelo. Das Razões políticas da SADCC às razões econômicas da SADC. Edições da Universidade de Lusíadas. Lisboa, 1997.
  • [11] CHANAIWA, David; KODJO. Edem. Pan-africanismo e libertação In MAZRUI. Ali A. WONDJI. C. (org.) História Geral da África – VIII: África desde 1935, Brasília: UNES-CO, 2010 pp. 897-924.
  • [12] CARDOSO, Fernando Henrique. As ideais e seu lugar: Ensaio sobre as teorias de desenvolvimento. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1993.
  • [13] CARDOSO, Fernando Henrique; ENZO, Falleto. Dependência e Desenvolvimento na América Latina: Ensaio de Interpretação Sociológica. Rio de Janeiro, 3ª Edição. Zahar Editores, 1975.
  • [14] DEVÉS-VALDÉS, EDUARDO. El pensamiento latinoamericano en el siglo XX. Tomo II. Desde la CEPAL al neoliberalismo (1950-1990). Editorial Biblos Centro de Investigaciones Diego Barros Arana, Santiago, 2003.
  • [15] DE MELLO, João Manuel Cardoso. O Capitalismo Tardio: Contribuição à revisão crítica da formação e desenvolvimento da economia brasileira. 8ª Edição. São Paulo: Editora Brasiliense, 1991.
  • [16] FRENTE DE LIBERTAÇÃO DE MOÇAMBIQUE (FRELIMO). Moçambique: 35 Anos da Independência Nacional: Principais Realizações 1975 – 2010. 1ª Edição. Maputo, Junho de 2010.
  • [17] FURTADO, Celso. O mito de desenvolvimento econômico. Paz e terra. Rio de Janeiro, 1974.
  • [18] FURTADO, Celso. Desenvolvimento e Subdesenvolvimento. Economia Política e desenvolvimento. Centro Internacional Celso Furtado. Contraponto. Rio de Janeiro: 2009.
  • [19] FURTADO, Celso. Raízes do subdesenvolvimento. 2ª Edição. Civilização brasileira. Centro Internacional Celso Furtado. Rio de Janeiro, 2011.
  • [20] MARINI, Ruy Mauro. “Dialética da dependência”: Uma antologia sobre a obra de Ruy Marini; Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes; Buenos Aires: CLACSO, 2000.
  • [21] MARINI, Ruy Mauro. Subdesenvolvimento e revolução. Florianópolis: Insular, 2012.
  • [22] MARTINS, Carlos Eduardo. Globalização, Dependência e Neoliberalismo na América Latina. São Paulo: Biotempo, 2011.
  • [23] MOSCA, João. S.O. S África. Instituto Piaget, Colóquio de Economia e Política. 2004.
  • [24] PAIVA, José Francisco Lynce Zagallo. Economia e Política: Moçambique e as Instituições de Bretton Woods. Veja Universidade – Ciências Sociais e Política. Dissertação de Mestrado, Lisboa, 2000.
  • [25] PERROUX, François. Ensaio sobre a Filosofia do Novo Desenvolvimento. UNESCO. Lisboa, 1981.
  • [26] SANTOS, Theotônio Dos. Países Emergentes e os novos caminhos da modernidade. Brasília: Cátedra da UNESCO em Economia Global e Desenvolvimento Sustentável, UNESCO, 2008.
  • [27] SANTOS, Theotônio Dos. Teoria da Dependência: Balanços e Perspectivas. Obras Escolhidas. V.1. Florianópolis: insular. Reedição Ampliada e atual. 2016.
  • [28] TAVARES, Maria da Conceição, FIORI, José Luís (Org.) Poder e Dinheiro: Uma economia política da globalização. Vozes. Petrópolis. Rio de Janeiro: 1997.
  • [29] TRASPADINI, Roberta. A teoria da (Inter) Dependência de Fernando Henrique Cardoso. 2ª Edição. São Paulo: Editoras Outras Expressões.
Como citar:

CÁRIO, Sílvio Antônio Ferraz; SIGAÚQUE, Eduardo Saugineta; "INVESTIMENTO DIRETO EXTERNO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AFRICANO: ESTUDO DE CASO DA ECONOMIA MOÇAMBICANA", p. 736-755 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2017-41

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações