Poster - Open Access.

Idioma principal

INOVAÇÃO NO DESIGN CONTEMPORÂNEO: APROXIMAÇÕES CONCEITUAIS ENTRE A ENGENHARIA KANSEI E A INTERNET DAS COISAS

Lee, Erika Yamamoto; Kistmann, Virgínia Borges; Marghani, Viviane G. R. El;

Poster:

O presente artigo objetiva apresentar uma discussão teórico-analítica a respeito do conceito de inovação no design voltado para a Internet das Coisas e Engenharia Kansei, sob a perspectiva da Inovação no design contemporâneo. As inovações ocorrem quando um novo processo, produto ou serviço é incorporado ao mercado, proporcionando uma vantagem competitiva para a instituição que as administra. A inovação é um dos objetivos da Engenharia Kansei, mas ainda pouco explorada no que se refere à Internet das Coisas. Este trabalho, portanto, busca relacionar o conceito de inovação em design voltado para a Internet das Coisas e para a Engenharia Kansei. Estima-se que a Internet das Coisas irá produzir um trilhão e novecentos mil dólares em produtos e serviços, até o ano de 2020. O trabalho parte do pressuposto de que esses dois objetos de pesquisa podem contribuir na inovação do design. Com essa finalidade, trata os temas a partir da revisão de literatura, obtendo como resultado possíveis relações por meio da definição tanto da Internet das Coisas de modo amplo e foca a Engenharia Kansei Colaborativa no âmbito da geração de inovação no Design atual.

Poster:

Palavras-chave: Design Colaborativo, Inovação em Design, Engenharia Kansei Colaborativa, Internet das Coisas,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/cbgdp2017-041

Referências bibliográficas
  • [1] ATZORI, L. et al. The Internet of Things: A survey. Computer Networks, v54, n.15, p. 2787-2805, 2010.
  • [2] BORJA DE MOZOTA, B. Gestão do design: usando o design para construir valor de marca e inovação corporativa. Porto Alegre: Bookman, 2011. 337 p.
  • [3] BRYMAN, A. Social Research Methods. 5th ed. New York: Oxford University Press, 2016. 747 p.
  • [4] CARDOSO, R. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac & Naify, 2011. 263 p.
  • [5] COCCO, G. Indicadores de Inovação e capitalismo cognitivo. In: Bases conceituais em pesquisa, desenvolvimento e inovação: implicações para política no Brasil - Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, p. 33-67, 2010.
  • [6] DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. 4. reimpr. v. 5. São Paulo: 34, 2008. 235 p.
  • [7] DRESCH, A. et al. Design Science Research. Método de pesquisa para avanço da ciência e tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2015. 181 p.
  • [8] DU, K. et al. Human interactive machine system on smart home of IoT. The Journal of China Universities of Posts and Telecommunications. Elsevier, v20, n. 1, p. 96-99, 2013.
  • [9] EL MARGHANI, V. et al. Emotional Engineering. In: FUKUDA, Shuichi (Org.). Kansei Engineering: Methodology to the Project Oriented for the Customers, v. 2. London: Springer, 2013. p. 107-148.
  • [10] GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1989. 105 p.
  • [11] ISHIHARA, H. et al. An automatic builder for a Kansei Engineering expert system using selforganizing neural networks. Int J Ind Ergon, v111, n. 15. p. 13-24, 1995.
  • [12] ISSBERNER, R.L. Em direção a nova abordagem da inovação: Coordenada para o debate. In: Bases conceituais em pesquisa, desenvolvimento e inovação. Implicações para políticas no Brasil - Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. p. 11-31. 2010.
  • [13] HAMEL, G.; PRAHALAD, G. K. Strategic intent. Harvard Business Review, 1989. 101 p.
  • [14] JORDAN, P. W. Designing Pleasurable Products: An introduction to the new human factors. London; New York: Taylor & Francis, 2000. 224 p.
  • [15] KAMIENSKI, C. et al. Application development for the Internet of Things: A context-aware mixed criticality systems development platform. Computer Communications, v104, n.17, p. 1-16, 2017.
  • [16] KISTMANN, V.B. Interdisciplinaridade: questões quanto à pesquisa e à inovação em design. Estudos em Design (online). Rio de Janeiro: v22. n.3, p. 81-99, 2014.
  • [17] NAGAMACHI, M. Kansei/Affetive Engineering and History of Kansei Engineering in the World. In: NAGAMACHI, M. (Ed.). Kansei/Affective Engineering. Boca Raton: Taylor & Francis, 2011. 320 p.
  • [18] NORMAN, D. A. Emotional design: why we love (or hate) every day things. New York:
  • [19] Basic Books, 2004.
  • [20] OECD. Science and Innovation. Brazil, 2012. 117 p.
  • [21] OSGOOD C. E. The nature and measurement of meaning. In: OSGOOD, C. E.; SNIDER, J. G. (Ed.). Semantic Differential Technic - A source book. Chicago: Aldine, p. 3-41. 1965.
  • [22] SANTOS, B. P. et al. Internet das coisas: da teoria à prática. Departamento de Ciência da Computação – Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – Belo Horizonte: Editora UFMG, p.1-52, 2016.
  • [23] SHÜTTE, S. Designing Feelings into Products: Integrating Kansei Engineering Methodology in Product Development. 2002. 115f. Tese (PhD) - Course of Integrating Kansei Engineering Methodology in Product Development, Department of Mechanical Engineering, Linköpings Universitet, Linköping, 2002.
  • [24] ZAJONC, R. B. Feeling and Thinking: Preferences Need No Inferences. American Psychologist. v35, n.2, p.151-175, 1980.
Como citar:

Lee, Erika Yamamoto; Kistmann, Virgínia Borges; Marghani, Viviane G. R. El; "INOVAÇÃO NO DESIGN CONTEMPORÂNEO: APROXIMAÇÕES CONCEITUAIS ENTRE A ENGENHARIA KANSEI E A INTERNET DAS COISAS", p. 404-413 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/cbgdp2017-041

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações