Artigo - Open Access.

Idioma principal

Indústria criativa: um survey da produção científica indexada em uma abordagem meta-fatorial

Souza, Thiago Cavalcante de; Avellar, Ana Paula Macedo;

Artigo:

Diversos esforços vêm sendoempreendidos com intuito de caracterizar a indústria criativa, entretanto, nãoexiste unanimidade sobre seu conceito na literatura nacional e internacional. Oobjetivo desse artigo é identificar a estrutura do debate sobre indústriacriativa, a partir dos conceitos apresentados na literatura científica indexadainternacional. A partir de um survey ede análise fatorial, pretende-se apontar os artigos com maior impacto e citaçãona literatura sobre indústria criativa. A base de periódicos analisada foi a Web of Science para o período 1998-2017.Os resultados da pesquisa apontam que os conceitos de economia criativa e suasrespectivas tipologias apresentam um desdobramento recente e crescente na literaturaeconômica, ao se considerar a indexação de artigos científicos publicados emperiódicos internacionais. Do ponto de vista conceitual, verifica-se umaconcentração temática da abordagem da criatividade cultural entre os estudos.Os resultados apontam também que a abordagem da criatividade científica etecnológica apresenta estudos com maior impacto e alcance, dentre as abordagenspresentes nos artigos analisados.

Artigo:

Palavras-chave: Indústria Criativa, Survey, Bibliometria,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/enei2018-33

Referências bibliográficas
  • [1] ALBUQUERQUE, E. M. Inovação em Celso Furtado: criatividade humana e crítica ao capitalismo. In: D'AGUIAR, R. F. (Org.). Celso Furtado e a dimensão cultural do desenvolvimento. Rio de Janeiro: E-papers, 2013. p. 155-172. AMARAL FILHO, J. do. Cultura, criatividade e desenvolvimento. In: D'AGUIAR, R. F. (Org.). Celso Furtado e a dimensão cultural do desenvolvimento. Rio de Janeiro: E-papers, 2013. p. 215-234. AREND, M. Revoluções tecnológicas, finanças internacionais e estratégias de desenvolvimento: um approach neo-schumpeteriano. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p. 363-396, nov. 2012. AUGUSTO, A. G. Teoria da ação na escola neoclássica. Pesquisa & Debate, v. 1, n. 2(38), p. 225-246, 2010. BENDASSOLLI, P. F.; WOOD JR., T.; KIRSCHBAUM, C.; CUNHA, Mi. P. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 49, n.1, p. 10-18, 2009. BLYTHE, M. The work of art in the age of digital reproduction: the significance of the creative industries. JADE, v. 20, n. 2, p. 144-150, 200 Boccardelli, P. Creative Industries. In.: AUDIER, M.; TEECE, D. J. The Palgrave Encyclopedia of Strategic Management. London: Palgrave Macmillan UK, 2016. P. 1-6. CALABRESE, A. Creative industries. Journal of Media & Cultural Studies, v. 20, n. 1, p. 127-135, mar. 2006. CAVES, R. E. Creative industries: contracts between art and commerce. Cambridge: Harvard University Press, 200 CONCEIÇÃO, O. A. C. Além da transação: uma comparação do pensamento dos institucionalistas com os evolucionários e pós-Keynesianos. Revista Economia, Brasília, v. 8, n. 3, p. 621-642, set.-dez. 2007. CORREA, P.R; CRUZ, R.G. Meta-análisis sobre la implantacion de Sistemas de planificación de recursos Empresariales (ERP). Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, v. 2, n. 3. São Paulo: FEA USP, 2005, p. 235-279. COSTA, A. D.; SOUZA-SANTOS, E. R. Economia criativa: novas oportunidades baseadas no capital intelectual. Revista Economia & Tecnologia, v, 25, n. 7, p. 1-8, abr.-jun. 2008 COUTINHO, L. Economia Criativa para o Desenvolvimento. MINC, MINISTÉRIO DA CULTURA. Plano da Secretaria de Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações. Brasília: MinC, 2012. CUCHE, D. A noção de cultura nas Ciências Sociais. Bauru: EDUSC, 2002. CUNNINGHAM, S. D. The creative industries idea. In: The QUT creative industries experience. Sidney: QUT Publications, 2010, p. 18-20. DCMS, Department for Culture, Media & Sport. Creative industries economic estimates. Londres: DCMS, 201 ELIAS, N. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. FAUSTINO, P. Industrias criativas, media e clusters. Lisboa: Mediaxxi, 2013. FIRJAN, FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO RIO DE JANEIRO. A cadeia da indústria criativa no Brasil. Rio de Janeira: FIRJAN, 2008. FLORIDA, R. The rise of the creative class. Nova York: Basic Books, 2002. FREEMAN, S. S. Cadeia produtiva da economia do artesanato desafios para o seu desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: E-livre, 2010. FURTADO, C. Criatividade e dependência na civilização industrial. São Paulo: Paz e Terra, 1978. GARCÍA, C.R.; Y RAMIREZ, C.P. El meta análisis como instrumento de investigación en la determinación y análisis del objeto del estudio: aplicado al estudio de sistema de información. In. Congreso de Alicante, pgs. 1-13. 2004. GOLGHER, A. B. As cidades e a classe criativa no Brasil: diferenças espaciais na distribuição de indivíduos qualificados nos municípios brasileiros. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 109-129, jan.-jun. 2008. HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre, RS: Artmed, 199 HARTLEY, J. (Ed.). Creative industries. Oxford: Blackwell Publishing, 2005. HARTLEY, J. Os estudos culturais e a urgência por interdisciplinaridade: cedo, e não tarde, vamos precisar de uma ciência da cultura. Revista Matrizes, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 11-44, jan.-jun. 201 HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1994. HOWKINS, J. The Creative Economy: How People Make Money from Ideas. 8 ed. Londres: Penguin Books, 2013. IZERROUGENE; B. COELHO, L. A. de. A. MATA, H. T. da C. Economia Criativa: conceitos e classificações. Bahia Análise & Dados, Salvador, v. 22, n. 4, p. 665-674, out.-dez. 2012. JACOBS, J. Morte e vida das grandes cidades. São Paulo: Matins Fontes, 200 JOHNSON, R. A; WICHERN, D. W. Applied multivariate statistical analysis. Englewo: Prentice-Hall, 1988. KUPFER, D. Uma abordagem neo-schumpeteriana da competitividade industrial. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 355-372, 1996. LAKATOS, E. M; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 199 LEROY, F. L. D. A INDÚSTRIA AUDIOVISUAL NO BRASIL: uma análise a partir de dados cross-section e longitudinais. 2013. 141 f. Tese (Doutorado em Economia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2013. MACHADO, R. M. Da indústria cultural à economia criativa. Revista Alceu, Rio de Janeiro, v. 9, n. 18, p. 83-95, jan.-jun. 2009. MARKUSEN, A.; SCHROCK, G. The artistic dividend: urban artistic specialisation and economic development implications. Urban studies, 43.10 (2006): 1661-1686. MARÔCO, J. Análise estatística com o SPSS Statistics. 5ª ed. Lisboa, Portugal: ReportNumber, 201 MASI, Domenico. A Economia do Ócio. Rio de Janeiro, Editora Sextante, 200 MIGUEZ, P. Economia criativa: uma discussão preliminar In: NUSSBAUMER, G. M (Org.). Teorias e políticas da cultura: visões multidisciplinares. Salvador: EDUFBA, 2007, p. 95-114. MINC, MINISTÉRIO DA CULTURA. Plano da Secretaria de Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações. Brasília: MinC, 2012. OLIVEIRA, J. M. de. ARAÚJO, B. C. SILVA, L. V. Panorama da economia criativa no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2013. (Texto para Discussão) POSSAS, M. L. Em direção a um paradigma microdinâmico: a abordagem neo-schumpeteriana. In: AMADEO, E. (Org.). Ensaios sobre economia política moderna: teoria e história do pensamento econômico. São Paulo: Marco Zero, 1988. PROCOPIUCK, M. FREDER, S. M. Economia criativa: modelo federal brasileiro e importância das discussões frente a referências internacionais. Cadernos do CEOM, Santa Catarina, v. 26, v. 39, p. 94-117, 2013. REIS, A. C. Economia da cultura e desenvolvimento sustentável: o caleidoscópio da cultura. Barueri: Manole, 2007. SÁNCHEZ MECA, J. La revisión del estado de la cuestión: El meta-análisis.Taller Pre-Doctoral I: Concepción de Trabajos de Investigación.VIII Taller de Metodología de ACEDE.2000. SCHUMPETER, J. A. Theorie der wirtschaftlichen entwicklung. [Português] Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, credito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1997. (Os economistas) SCOTT, A. J. Cultural economy and the city creative field of the city. Geografiska Annaler: Series B, Human Geography, Londres, v. 92, n. 2, p. 115-130 SEI, SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA. Boletins especiais. Salvador: SEI, 2014. Disponível em: < http://www.sei.ba.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=480&Itemid=281>. Acesso em: 19 de jan. 2015. SILVA, J. C. M. Criativa Birô: políticas públicas para o campo da economia criativa. Bahia Análise & Dados, Salvador, v. 22, n. 4, p. 687-696, out.-dez. 2012. SOUZA, T. C. A dinâmica e os efeitos de transbordamento da economia criativa no Brasil. 2015. 190 f. Dissertação (Mestrado em Economia Regional e Políticas Públicas) – Departamento de Ciências Econômicas, Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2015. THROSBY, D. Economics and culture. Reino Unido: Cambridge University Press, 200 TOLILA, P. Cultura e economia: problemas, hipóteses, pistas. Tradução Celso M. TOWSE, R. (Ed.). A Handbook of Cultural Economics. West Street: Edward Elgar Publishing Limited, 2003. UNCTAD, ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O COMÉRCIO E O DESENVOLVIMENTO. São Paulo Consensus. São Paulo: ONU, 2004. Disponível em: Acesso em: 1 out. 2017.
Como citar:

Souza, Thiago Cavalcante de; Avellar, Ana Paula Macedo; "Indústria criativa: um survey da produção científica indexada em uma abordagem meta-fatorial", p. 581-599 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2018-33

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações