Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

Indústria 4.0 e as redes globais de produção e inovação em serviços intensivos tecnologia: uma tipologia e apontamentos de política industrial e tecnológica

Diegues, Antônio Carlos; Roselino, José Eduardo;

Artigo completo:

Este artigo apresenta um esforço analítico voltado ao desenho de políticas para a promoção de tecnologias associadas à indústria 4.0. Assim, a partir da proposição de uma tipologia de configuração das redes globais de produção, concebe um marco analítico para embasar a elaboração de uma estratégia nacional voltada à indústria 4.0 centrada no fomento às tecnologias de informação e comunicação. Como resultado, conclui-se que essa estratégia deveria se estruturar em quatro eixos: (a) desenvolvimento tecnológico local (quando há elevada efetividade das políticas e elevado nível de desenvolvimento das competências tecnológicas); (b) fomento a atividades de médio valor agregado, vinculadas à estrutura produtiva doméstica (reduzida efetividade e elevado desenvolvimento); (c) fomento à competitividade sistêmica e financiamento às empresas de base tecnológica (elevada efetividade e reduzido desenvolvimento) e, (d) incorporação de tecnologias e de fomento à sua difusão com vistas a aumentar a produtividade da estrutura produtiva (reduzida efetividade e reduzido desenvolvimento).

Artigo completo:

Palavras-chave: Indústria 4.0, Política Industrial e Tecnológica, Redes Produtivas Globais,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-6.1-039

Referências bibliográficas
  • [1] ANDERSON, C. (2006). A Cauda Longa - Do Mercado de Massa para o Mercado de Nicho, Editora Campus.
  • [2] ARTHUR, W. B. “Positive feedbacks in the economy”. Scientific American, 262: 92-99, 1990.
  • [3] ATHREYE, S., The Indian Software Industry, in Arora, Ashish., & Gambardella, Alfonso (org), From Underdogs to Tigers: The Rise and Growth of the Software Industry in Brazil, China, India Ireland, and Israel, Oxford University Press, 2005.
  • [4] BIELSCHOWSKY, R. (2014). “Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual”, In: Calixtre, A.; Biancarelli, A.; Cintra, M. A.. (Org.). Presente e Futuro do Desenvolvimento Brasileiro. 1ed. Brasília: Ipea (pp. 195-225).
  • [5] BRESNAHAN, T. & GREESTEIN, S. “Technological Competition and the Structure of the Computer Industry”. The Jounal of Indústrial Economics, Volume XLVII, March, 1999.
  • [6] BROEDNER, P. Industrie 4.0 und Big Data–wirklich ein neuer Technologieschub?. In: Digitalisierung industrieller Arbeit. Nomos Verlagsgesellschaft mbH & Co. KG, 2015. p. 232-251.COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Innovation and Learning: The Two Faces of R&D. The Economic Journal, v. 99, n. 397, p. 569-596, set. 1989.
  • [7] COUTINHO, L.; A Terceira revolução industrial e tecnológica, Revista Economia e Sociedade número 1, Instituto de Economia - Unicamp, 1992.
  • [8] COUTINHO, L.; KUPFER, D. (2015). As Múltiplas Oportunidades de desenvolvimento e o Futuro da Indústria Brasileira, in ADBI, Dez anos de política industrial balanço & perspectivas – 2004-2014.
  • [9] CHANDLER, A. Scale and Scope. Cambridge, Mass.: Harvard University Press. (1990).
  • [10] CHESNAIS, F. A Mundialização do Capital, Xamã Editora, São Paulo, 1996.
  • [11] COLOMBO,D. (2009) A política pública de incentivo ao setor de informática no Brasil a partir da década de 90: uma análise jurídica. Dissertação de Mestrado, USP – Faculdade de Direito.
  • [12] CROTTY, J. “The effects of increased product market competition and changes in financial markets on the performance of Nonfinancial Corporations in the neoliberal era”. PERI Working paper, n. 44, 2002.
  • [13] CUSUMANO, M. A. & GAWER, A. Driving High-Tech Innovation: The Four Levers of Platform Leadership. Paper 152, Center for [email protected], October, 2001.
  • [14] DEDRICK, J.; KRAEMER, K.L. & Dunkle, D. Offshore New Product Development: Survey Results, University of California, Irvine, February 2009.
  • [15] DEDRICK, J.; KRAEMER, K.L. & Linden, G. Capturing Value in a Global Innovation Network: A Comparison of Radical and Incremental Innovation, Personal Computing Industry Center, UC Irvine, Draft Version, 2007.
  • [16] ERNST, D. “The Economics of Electronics Industry: Competitive Dynamics and Industrial Organization”, East-West Center Working Papers, Economics Series No. 7, October, 2000.
  • [17] ERNST, D. & KIM, L. “Global production networks, knowledge diffusion, and local capability formation”. Research Policy, n. 31, p. 1417-1429, 2002.
  • [18] FAGNANI, E.; DWECK, E.; MELLO, G.; ROCHA, M.A. & ROSSI, P. (2018). Desenvolvimento social e estrutura produtiva. Cadernos De Debates – 3 – Projeto Brasil Popular.
  • [19] GADELHA, C. (2003) O complexo industrial da saúde e a necessidade de um enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;2:521-35.
  • [20] GAWER, A. & CUSUMANO, M. A.. Platform leadership: how Intel, Microsoft and Cisco drive industry innovation. Harvard Business School Press, 2002.
  • [21] ________. & HENDERSON, R. “Platform Owner Entry and Innovation in Complementary Markets: Evidence from Intel”, NBER Working Paper 11852, Cambridge, December, 2005.
  • [22] HIRATUKA, et. al. (2008) Importância Socioeconômica da Cadeia de Serviços de Saneamento Básico no Brasil, Encontro da Anpec.
  • [23] HIRSCH-KREINSEN, H. “Industry 4.0 as promising technology: emergence, semantics and ambivalent character. digitization of manufacturing and industrialwork. Soziologisches Arbeitspapier Nr. 48, 2016.
  • [24] JASPERNEITE, J. ALTER WEIN IN NEUEN SCHLÄUCHEN. INTERNET: http://www. ciitowl. de/uploads/media/410-10% 20gh% 20jasperneite% 20ca, 2012.
  • [25] LAZONICK, W & SULLILIVAN, M.O. “Maximizining shareholder value: a new ideology for corporate governance”. Economy and Society, vol.29 n.1, pp. 13-35, 2000.
  • [26] PROCHNIK, V., LABRUNIE, M. L., SILVEIRA, M. A., & RIBEIRO, E. P. (2015). A política da política industrial: o caso da Lei de Informática. Revista Brasileira De Inovação, 14, 133-152. https://doi.org/10.20396/rbi.v14i0.8649103
  • [27] ROSENBERG, N. “On Technological Expectations”. Economic Journal. Volume 86, Issue 343. Sept., p..523-535, 1976.
  • [28] ROSELINO, J.E.S. (2006). A INDÚSTRIA DE SOFTWARE: O ‘modelo brasileiro’ em perspectiva comparada. Tese de Doutoramento. Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas: Campinas.
  • [29] ROSELINO, J. E.; GARCIA, R. (2002) . The Informatics Law and its Effcts on the Brazilian Electronic Complex Industry ? A Critical Evaluation. In: 6th Annual EUNIP (European Network on Industril Policy) Conference.
  • [30] SALLES FILHO, S.; STEFANUTO, G.; MATTOS, C.; ZEITOUM, C.; CAMPOS, F. R. Avaliação de impactos da Lei de Informática: uma análise da política industrial e de incentivo à inovação no setor de TICs brasileiro. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, n. esp., p. 191-218, 2012.
  • [31] SANTOS, Felipe Lucena Andrade, China e a Indústria 4.0, uma análise comparativa. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação Em Economia, Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, 2019.
  • [32] SARTI, Fernando; HIRATUKA, Célio. (2017) Desempenho recente da indústria brasileira no contexto de mudanças estruturais domésticas e globais. Campinas: Unicamp. IE. TD290.
  • [33] STURGEON, T. J. T, “Modular production networks: a new American model of industrial organization”. Industrial and Corporate Change, Volume 11, Number 3, pp. 451-496, 2002.
  • [34] SUZIGAN, W.; FURTADO, J. (2006). Política Industrial e Desenvolvimento. Revista de Economia Política, vol. 26, nº 2 (102), pp. 163-185 abril-junho.
  • [35] ZYSMAN, J., MURRAY, J., FELDMAN, S., NIELSEN, N. C., & KUSHIDA, K. E. Services with everything: The ICT-enabled digital transformation of services, BRIE Working Paper 187a, 2010.
Como citar:

Diegues, Antônio Carlos; Roselino, José Eduardo; "Indústria 4.0 e as redes globais de produção e inovação em serviços intensivos tecnologia: uma tipologia e apontamentos de política industrial e tecnológica", p. 1083-1101 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-6.1-039

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações