Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Competências profissionais para o cenário da Indústria 4.0: desenvolvimento por meio de metodologias ativas em cursos de pós-graduação

Competências profissionais para o cenário da Indústria 4.0: desenvolvimento por meio de metodologias ativas em cursos de pós-graduação

Magella, Andreia Regina; Zaidan, Fernando Hadad; Câmara, Mauro Araújo;

Artigo:

Em cenário de grandes transformações tecnológicas, alta competitividade, globalização e de mercados interconectados mundialmente encontra-se a Indústria 4.0 que tem exigido novas competências de seus profissionais. O grande desafio destas organizações é buscar profissionais que, além de capacidade técnica e conhecimentos formais, tenham capacidade de atuarem em um mercado de grandes mudanças. Diante desse contexto, os cursos de pós-graduação devem se adaptar para oferecer aos seus alunos-profissionais, além do conhecimento formal-técnico, o desenvolvimento das novas competências hoje exigidas pelas organizações 4.0. Este trabalho apresenta quais são estas competências e como a aplicação das metodologias ativas de ensino podem favorecer o desenvolvimento em sala de aula. Este estudo combina a pesquisa exploratória, qualitativa e descritiva. Para sustentar esta pesquisa, utilizou-se a metodologia Design Science e o método Design Science Research, que têm um alto rigor científico por meio do ciclo regulador de Wieringa (2009). Como resultado, apresenta-se dois conjuntos de competências requeridas do profissional da Indústria 4.0 as quais podem ser desenvolvidas por meio das metodologias ativas de ensino. A principal contribuição deste trabalho é apresentar as metodologias ativas como ferramenta a ser usada nos cursos de pós-graduação no desenvolvimento das novas competências exigidas pela a Indústria 4.0.

Artigo:

Em cenário de grandes transformações tecnológicas, alta competitividade, globalização e de mercados interconectados mundialmente encontra-se a Indústria 4.0 que tem exigido novas competências de seus profissionais. O grande desafio destas organizações é buscar profissionais que, além de capacidade técnica e conhecimentos formais, tenham capacidade de atuarem em um mercado de grandes mudanças. Diante desse contexto, os cursos de pós-graduação devem se adaptar para oferecer aos seus alunos-profissionais, além do conhecimento formal-técnico, o desenvolvimento das novas competências hoje exigidas pelas organizações 4.0. Este trabalho apresenta quais são estas competências e como a aplicação das metodologias ativas de ensino podem favorecer o desenvolvimento em sala de aula. Este estudo combina a pesquisa exploratória, qualitativa e descritiva. Para sustentar esta pesquisa, utilizou-se a metodologia Design Science e o método Design Science Research, que têm um alto rigor científico por meio do ciclo regulador de Wieringa (2009). Como resultado, apresenta-se dois conjuntos de competências requeridas do profissional da Indústria 4.0 as quais podem ser desenvolvidas por meio das metodologias ativas de ensino. A principal contribuição deste trabalho é apresentar as metodologias ativas como ferramenta a ser usada nos cursos de pós-graduação no desenvolvimento das novas competências exigidas pela a Indústria 4.0.

Palavras-chave: Indústria 4.0, Competências profissionais, Metodologias ativas, Design Science.,

Palavras-chave: Indústria 4.0, Competências profissionais, Metodologias ativas, Design Science.,

DOI: 10.5151/eduforadacaixa-03

Referências bibliográficas
  • [1] AIRES, R. W. A.; FREIRE, P. S.; SOUZA, J. A. de. Educação corporativa como ferramenta para estimular a inovação nas organizações: uma revisão de literatura. In: VIEIRA, A. C. P.; ZILLI, J. C.; BRUCH, K. L. (org.). Propriedade intelectual, desenvolvimento e inovação: ambiente institucional e organizações. Criciúma: EDIUNESC, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.18616/pidi12.
  • [2] BARBOSA, E. F.; MOURA, D. D. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p. 48-67, maio/ago. 2013. Disponível em: http://www.bts.senac.br/index.php/bts/article/view/349. Acesso em: 28 ago. 2018.
  • [3] BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Seminário: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.
  • [4] BERBEL, N. A. N. A metodologia da problematização e os ensinamentos de Paulo Freire: uma relação mais que perfeita. In: BERBEL, N. A. N. (Org.). Metodologia da problematização: fundamentos e aplicações. Londrina: Eduel, 1999.
  • [5] BINKLEY, M. et al. Draft White Paper 1 Defining 21st century skills. Assessment and Teaching of 21st Century Skills project draft White Papers n. jan. 2010.
  • [6] BRANDÃO, H. P.; GUIMARÃES, T. A. Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto? Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 8-15, jan./mar. 2001.
  • [7] COSTA, C. INDÚSTRIA 4.0: o futuro da indústria nacional. POSGERE, São Paulo, v. 1, n. 4, set. 2017, p. 5-14. Número Especial Automação.
  • [8] COUTINHO, C.; LISBÔA, E. Sociedade da informação, do conhecimento e da aprendizagem: desafios para educação no século XXI. Revista de Educação, Lisboa, v. 18, n. 1, p. 5-22, 2011.
  • [9] DIESEL, A.; BALDEZ, A.; MARTINS, S. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.
  • [10] FREIBERGER, R. M; BERBEL, N. A. N. A importância da pesquisa como princípio educativo na atuação pedagógica de professores de educação infantil e ensino fundamental. Cadernos de Educação | FaE/PPGE/UFPel | Pelotas [37]: p. 207-245, set./dez. 20
  • [11] HECKLAU, F. et al. Holistic Approach for Human Resource Management in Industry 4.0. Procedia CIRP, v. 54, p. 1-6, 2016. Disponível em: https://www.therapiebreve.be/documents/mcclelland-1973.pdf. Acesso em: 15 jan. 2018.
  • [12] LOPES, C. S. G. Aprendizagem ativa na formação do engenheiro: a influência do uso de estratégias de aprendizagem para aquisição de competências baseada em uma visão sistêmica. 2016. 185 f. Tese (Doutorado em Engenharia de produção) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2016.
  • [13] MANFREDI, S. M. Trabalho, qualificação e competência profissional: das dimensões conceituais e políticas. Educação & Sociedade, Campinas, v. 19, n. 64, p. 13-49, 1998.
  • [14] MASETTO, M. T. Ensino de engenharia: técnicas para otimização das aulas. São Paulo: Editora Avercamp, 2007.
  • [15] MITRE, S. M. et al. Metodologias ativasde ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: Debates atuais. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, supl. 2, p. 2133-2144, 2008. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csc/v13s2/v13s2a18.pdf . Acesso em: 21 jun. 2017.
  • [16] MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens, São Paulo, v. 2, p. 15-33, 2015.
  • [17] PARTNERSHIP FOR 21ST CENTURY SKILLS. A. framework for 21st century learning. Tucson: AZ: P21, 2009. Available at: www.21stcenturyskills.org.
  • [18] REEVE, J. Why teachers adopt a controlling motivating style toward students and how they can become more autonomy supportive. Educational Psychologist, Hillsdale, v. 44, n. 3, p. 159-175, 2009.
  • [19] RIBEIRO, R. C. A aprendizagem baseada em problemas (PBL): uma implementação na educação em Engenharia. 2005. 236 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2005.
  • [20] RUAS, R.; COMINI, G. M. Aprendizagem e desenvolvimento de competências: articulando teoria e prática em programas de pós-graduação em formação gerencial. Cadernos EBAPE.BR, v. 5, n. spe, p. 01-14, 2007.
  • [21] SANTOS, B. P. et al. Indústria 4.0: desafios e oportunidades. Revista Produção e Desenvolvimento, v. 4, n. 1, p.111-124, 2018. Disponível em: http://revistas.cefet-rj.br/index.php/producaoedesenvolvimento. Acesso em: 26 maio 2018.
  • [22] SCHWAB, K. A Quarta Revolução Industrial. São Paulo: Edipro, 2016.
  • [23] SILVA, E. L.; CUNHA, M. V. A formação profissional no século XXI: desafios e dilemas. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 3, p. 77-82, 2002.
  • [24] VALENTE, J. A.; DE ALMEIDA, M. B. E.; GERALDINI, A. F. S. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, v. 17, n. 52, p. 455-478, 2017.
  • [25] VASCONCELLOS, M. M. M.; BERBEL, N. A. N.; OLIVEIRA, C. C. Formação de professores: o desafio de integrar estágio com ensino e pesquisa na graduação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 90, n. 226, p. 609-623, set./dez. 2009.
  • [26] WIERINGA, R. Design science as nested problem solving. Proceedings of the 4th international conference on design science research in information systems and technology, Philadelphia. p. 1‐12. ACMACM, 2009.
  • [27] WORLD ECONOMIC FORUM. The Future of Jobs Employment, Skills and Workforce Strategy for the Fourth Industrial Revolution. Disponível em: http://reports.weforum.org/future-of-jobs-2016/. Acesso em: 29 jun. 2018.
  • [28] ZAIDAN, F. H.; BAX, M. P.; PARREIRAS, F. S. Design science research: aplicação em um projeto de pesquisa e desenvolvimento. 13th International conference on information systems & technology management - CONTECSI – 2016. DOI: 10.5748/9788599693124-13.
  • [29] ZARIFIAN, P. Objetivo competência. São Paulo: Atlas, 2001.
Como citar:

Magella, Andreia Regina; Zaidan, Fernando Hadad; Câmara, Mauro Araújo; "Competências profissionais para o cenário da Indústria 4.0: desenvolvimento por meio de metodologias ativas em cursos de pós-graduação", p. 30-41 . In: Anais Inovação na educação - Pontes para futuros fora da caixa. Anais do III Encontro Internacional de Inovação na Educação e III ConheCER. São Paulo: Blucher, 2020.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/eduforadacaixa-03

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações