Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

FONTES DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE A PARTIR DE MEDIDAS DE CENTRALIDADE DE GRAFOS

Oliveira, Bruno Ferreira de; Cruz, Felipe Ponciano da; Accioly, Enzo Matheus Fernandez Barreira;

Artigo completo:

O objetivo do artigo é mapear a estrutura das fontes de informação para inovação da indústria brasileira listando os setores industriais mais dinâmicos e a relevância de cada fonte para o processo inovativo, utilizando medidas de centralidades de grafos, a partir da base de dados da PINTEC de 2008, 2011 e 2014. Os resultados indicam que os segmentos industriais que buscam de forma mais intensa as fontes de informação são os de baixa e média-baixa intensidade tecnológica. Em relação à relevância das fontes de informação, constatou-se um padrão de concentração das fontes utilizadas, relacionadas com os clientes ou consumidores, redes de informações informatizadas, fornecedores, feiras e exposições e concorrentes, evidenciando o aspecto incremental e imitativo dos projetos de inovação. Além disso, verifica-se a baixa representatividade das universidades e institutos de pesquisa como fontes de informação relevantes para implementação das inovações na indústria brasileira.

Artigo completo:

Palavras-chave: Fontes de informação; inovação; medidas de centralidades de grafos; indústria brasileira,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-5.4-034

Referências bibliográficas
  • [1] BITTENCOURT, Pablo Felipe. Padrões setoriais de aprendizagem da indústria brasileira: uma análise exploratória. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, n. 1, p. 37-68, 2012.
  • [2] BITTENCOURT, Pablo Felipe; BRITTO, Jorge Nogueira de Paiva; GIGLIO, Ricardo. Formas de aprendizagem e graus de inovação de produto no Brasil: uma análise exploratória dos padrões setoriais de aprendizagem. Nova Economia, v. 26, n. 1, 2016.
  • [3] BONACICH, Phillip. Power and centrality: A family of measures. American journal of sociology, v. 92, n. 5, p. 1170-1182, 1987.
  • [4] BORGATTI, S.P. 2002. NetDraw: Graph Visualization Software. Harvard: Analytic Technologies
  • [5] BORGATTI, S.P., EVERETT, M.G. and FREEMAN, L.C. 2002. Ucinet 6 for Windows: Software for Social Network Analysis. Harvard, MA: Analytic Technologies.
  • [6] BORGATTI, Stephen P. Centrality and network flow. Social networks, v. 27, n. 1, p. 55-71, 2005.
  • [7] BORGATTI, Stephen P.; EVERETT, Martin G. A graph-theoretic perspective on centrality. Social networks, v. 28, n. 4, p. 466-484, 2006.
  • [8] BRITTO, Jorge; OLIVEIRA, Bruno Ferreira de. Padrões setoriais de interação universidade-empresa no Brasil: um mapeamento de competências a partir de informações da “Brazil Survey”. Revista de Economia, v. 37, n. 4, 2011.
  • [9] CAMPOS, Bruno; RUIZ, Ana Urraca. Padrões setoriais de inovação na indústria brasileira. Revista Brasileira de Inovação, v. 8, n. 1, p. 167-210, 200
  • [10] CAVALCANTE, Luiz Ricardo. Classificações tecnológicas: uma sistematização. 2014.
  • [11] CHANG, Hung-Fan; TZENG, Gwo-Hshiung. A causal decision making model for knowledge management capabilities to innovation performance in taiwan's high-tech industry. Journal of technology management & innovation, v. 5, n. 4, p. 137-146, 2010.
  • [12] DE FREITAS, Leandro Quintanilha. Medidas de centralidade em grafos. 2010. Tese de Doutorado. dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
  • [13] DEL-VECCHIO, Renata R.; BRITTO, Jorge; OLIVEIRA, Bruno F de. Patterns of university–industry interactions in Brazil: an exploratory analysis using the instrumental of graph theory. Quality & Quantity, v. 48, n. 4, p. 1867-1892, 2014.
  • [14] DOSI, Giovanni et al. Technological revolutions and the evolution of industrial structures: assessing the impact of new technologies upon the size and boundaries of firms. Capitalism and Society, v. 3, n. 1, 2008.
  • [15] DOSI, Giovanni. Mudança técnica e transformação industrial: a teoria e uma aplicação à indústria dos semicondutores. Editora Unicamp, 2006.
  • [16] DOSI, Giovanni; MALERBA, Franco; ORSENIGO, Luigi. Evolutionary regimes and industrial dynamics. In: Evolutionary and neo-Schumpeterian approaches to economics. Springer, Dordrecht, 1994. p. 203-229.
  • [17] EDQUIST, Charles; LUNDVALL, Bengt-Ake. Comparing the Danish and Swedish systems of innovation. National innovation systems: A comparative analysis, p. 265-298, 1993.
  • [18] FERRAZ, João Carlos; KUPFER, David; HAGUENAUER, Lia. Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de janeiro: Campus, p. 386, 1995.
  • [19] FERREIRA, André Luiz Bispo et al. Redes sociais: um estudo introdutório. 2014.
  • [20] FREEMAN, Chris. The ‘National System of Innovation’in historical perspective. Cambridge Journal of economics, v. 19, n. 1, p. 5-24, 1995.
  • [21] FREEMAN, Christopher. Technology policy and economic performance/C. London, NY, 1987.
  • [22] FREEMAN, Linton C. Centrality in social networks conceptual clarification. Social networks, v. 1, n. 3, p. 215-239, 1978.
  • [23] GONCALVES, Eduardo; SIMÕES, Rodrigo. Padrões de esforço tecnológico da indústria brasileira: uma análise setorial a partir de técnicas multivariadas. Revista EconomiA, 2005.
  • [24] HURTADO, Rafael Germán; MEJÍA, Jorge Enrique. Estructura de la inversión de la industria manufacturera colombiana en actividades de innovación y desarrollo tecnológico. Innovar: Revista de ciencias administrativas y sociales, p. 33-40, 2014.
  • [25] INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Rio de Janeiro, 2016. Disponível em http://www.ibge.gov.br. Acesso em 20/01/2019.
  • [26] JOHNSON, Bjørn Harold; LUNDVALL, Bengt-Åke. Promovendo sistemas de inovação como resposta à economia do aprendizado crescentemente globalizada. In: Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Editora UFRJ, 2005. p. 83-130.
  • [27] KOENIG, Michael D.; BATTISTON, Stefano. From graph theory to models of economic networks. a tutorial. Networks, topology and dynamics, v. 613, p. 23-63, 2009.
  • [28] LAZONICK, William. Understanding innovative enterprise: Toward the integration of economic theory and business history. manuscript, University of Masachusetss Lowell and The European Institute of Business Administration (INSEAD), Fontainebleau, May, 2000.
  • [29] LASTRES, Helena Maria Martins; FERRAZ, João Carlos. Economia da informação, do conhecimento e do aprendizado. Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, p. 27-57, 1999.
  • [30] LUNDVALL, Bengt-Ake. National systems of innovation: An analytical framework. London: Pinter, 1992.
  • [31] MALERBA, Franco (Ed.). Sectoral systems of innovation: concepts, issues and analyses of six major sectors in Europe. Cambridge University Press, 2004.
  • [32] MALERBA, Franco. Learning by firms and incremental technical change. The economic journal, v. 102, n. 413, p. 845-859, 1992.
  • [33] MALERBA, Franco. Sectoral systems of innovation and production. Research policy, v. 31, n. 2, p. 247-264, 2002.
  • [34] METCALFE, J. Stan. Technology systems and technology policy in an evolutionary framework. Cambridge journal of economics, v. 19, n. 1, p. 25-46, 1995.
  • [35] PACKER, Osni. Posições de poder e influência nos fluxos de relações em uma agência de desenvolvimento regional do estado de Santa Catarina. 2018.
  • [36] PAVITT, Keith. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research policy, v. 13, n. 6, p. 343-373, 1984.
  • [37] REV, OECD ISIC. technology intensity definition. 2011. Classification of Manufacturing Industries into Categories Based on R&D Intensities, 3.
  • [38] SILVA, Conceição de Fátima; SUZIGAN, Wilson. Padrões setoriais de inovação da indústria de transformação brasileira. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 44, n. 2, p. 277-321, 2014.
  • [39] TEECE, David J. As aptidões das empresas e o desenvolvimento econômico: implicações para as economias de industrialização recente. Tecnologia, aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente, 2005.
  • [40] TEECE, David J.; PISANO, Gary; SHUEN, Amy. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic management journal, v. 18, n. 7, p. 509-533, 1997.
  • [41] WILSON, R. J. Introduction to Graph Theory. Fourth Edition. Prentice-hall, 1996
Como citar:

Oliveira, Bruno Ferreira de; Cruz, Felipe Ponciano da; Accioly, Enzo Matheus Fernandez Barreira; "FONTES DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE A PARTIR DE MEDIDAS DE CENTRALIDADE DE GRAFOS", p. 757-774 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-5.4-034

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações