Artigo - Open Access.

Idioma principal

Fluxo de tecnologia intersetorial e produtividade no Brasil: 2000-2014

Silva, Felipe Queiroz; Rocha, Carlos Frederico Leão;

Artigo:

Oobjetivo deste artigo é analisar o impacto dos fluxos tecnológicosintersetoriais sobre a produtividade no Brasil durante o período de 2000 a2014. A análise é feita em nível setorial e utiliza a abordagem metodológica deinsumo-produto para a construção de matrizes de fluxos tecnológicos entre ossetores da economia. Essas matrizes incorporam dados de gastos em P&D comoestimativas de esforços inovativos incorporados na aquisição de bens de consumointermediário e bens de capital dos setores econômicos. Especificamente, objetiva-seresponder a seguinte questão de pesquisa: Qual é o impacto do fluxointersetorial de tecnologia sobre a produtividade setorial no Brasil? Por meiode estimações econométricas de painel dinâmico, verificou-se que os esforçosinovativos incorporados nos bens transacionados pelos setores econômicos sãoaté mais importantes para explicar o crescimento da produtividade do trabalhodo que os esforços inovativos dos próprios setores. Isso mostra que boa partedo crescimento da produtividade de alguns setores no Brasil se deu porinovações geradas em outros setores e que os fluxos tecnológicos e ainterdependência setorial são um importante mecanismo de crescimento daprodutividade.

Artigo:

Palavras-chave: Inovação, Produtividade, Fluxos Tecnológicos, Matriz de insumo-produto,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/enei2018-01

Referências bibliográficas
  • [1] ARELLANO, M.; BOND, S. Some tests of specification for panel data: monte carlo evidence and an application to employment equations. Review of Economic Studies, v.58, n.2, p. 227-297, 199 ARELLANO, M.; BOVER, O. Another look at the instrumental variable estimation of error-components models. Journal of Econometrics, v. 68, n. 1, p. 29-51, 1995. CRÉPON, B.; DUGUET, E.; MAIRESSE, J. Research, innovation and productivity: an econometric analysis at the firm level. Economics of Innovation and New Technology, v. 7, n. 2, p. 115-158, 1998. GEROSKI, P. Innovation and the Sectoral Sources of UK Productivity Growth. Economic Journal, v. 101, p. 1438-1451, 199 GOTO, A.; SUZUKI, K. R&D capital, rate of return on R&D investment and spillover of R&D in Japanese manufacturing industries. The Review of Economics and Statistics, v. 71, n. 4, p. 555-564, 1989. GRIJÓ, E. BÊRNI, D.A. Metodologia completa para a estimativa de matrizes de insumo-produto. Teoria e evidência econômica, v. 14, n. 26, p. 9-42, 2006. GRILICHES, Z.; LICHTENBERG, F. Inter-industry technology flows and productivity growth. Review of Economics and Statistics, v. 66, p. 324-9, 1984. GRILICHES, Z. Issues in Assessing the Contribution of R&D to Productivity Growth. Bell Journal of Economics, v. 10, n. 1, p. 92-116, 1979. GUILHOTO, J. J. M.; SESSO FILHO, U. A. Estimação da matriz insumo-produto a partir de dados preliminares das Contas Nacionais. Economia Aplicada, v. 9, n. 2, p. 277-299, 2005. GUSTAFSON, W. E. Reserch and Development, new products and productivity change. American Economic Review, v 52, p. 177-185, 1962. HANEL, P. Interindustry flows of technology: an analysis of the Canadian patent matrix and input-output matrix for 1978-1989. Technovation, v. 14, n. 8, p. 529-548, 1994. IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTATÍSTICA E GEOGRAFIA. Sistema de Contas Nacionais – Brasil Referência 2010: Nota Metodológica nº 1 – Implantação da série do SCN 2010. Coordenação de Contas Nacionais. Rio de Janeiro: IBGE, 2015 IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTATÍSTICA E GEOGRAFIA. Matriz de Insumo-Produto: Brasil: 2010. Coordenação de Contas Nacionais. Rio de Janeiro: IBGE, 2016a. IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTATÍSTICA E GEOGRAFIA. Pesquisa de Inovação: 2014. Coordenação de Indústria. Rio de Janeiro: IBGE, 2016b. IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTATÍSTICA E GEOGRAFIA. Comissão Nacional de Classificação (Concla), 2017a. Disponível em: < https://cnae.ibge.gov.br/>. Acesso: 05 dez 2017. LOS, B.; VERSPAGEN, B. R&D spillovers and productivity: evidence form U.S. manufacturing microdata. Empirical Economics, v. 25, n. 1, p. 127-148, 2000. LUNDVALL, B. A. Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to the national system of innovation. In: DOSI, G., FREEMAN, C., NELSON, R., SILVERBERG, G e SOETE, L. Technical change and economic theory, Pinter, London, 1988. MILLER, R. E.; BLAIR, P. D. Input-output analysis: foundations and extensions. 2 ed. New York: Cambridge University Press, 2009. MARENGO, L.; STERLACCHINI, A. Intersectoral technology flows: methodological aspects and empirical applications. Metroeconomica, v. 41, n. 1, p. 19-39, 1990. MARTINEZ, T. S. Método RAWS/RAW para estimação anual da Matriz de Insumo-Produto na referência 2000 das Contas Nacionais. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Brasília, Rio de Janeiro: IPEA, 2015. MIGUEZ, T. de H. L. Evolução da Formação Bruta de Capital Fixo na Economia Brasileira 2000-2013: Uma Análise Multissetorial a partir das Matrizes de Absorção de Investimento (MAIS). 2016. 155 f. Tese de Doutorado - IE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016. MOHNEN, P.; HALL, B. H. Innovation and productivity: an update. Eurasian Business Review, v. 3, n. 1, p. 47-65, 2013. MOMIGLIANO, F.; SINISCALCO, D. The growth of service employment: a reappraisal. BNL Quarterly Review, n. 142, p. 269-306, 1982. MOMIGLIANO, F.; SINISCALCO, D. Technology and international specialization. BNL Quarterly Review, n. 150, p. 257-284, 1984. OCDE - ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Oslo manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data. Paris: OCDE, 2005. PASINETTI, L. L. The notion of vertical integration in economic analysis. Metroeconomica, vol. 25, p. 1-25, 1973. PASSONI, P. A.; FREITAS, F. Estrutura produtiva e indicadores de encadeamento na economia brasileira entre 2010 e 2014: uma análise multissetorial baseada no modelo insumo-produto. In: 45º Encontro Nacional de Economia. Natal: ANPEC, 2017. PASSONI, P. A. Estrutura produtiva e indicadores de encadeamento na economia brasileira entre 2000 e 2014: uma análise multissetorial baseada no modelo insumo-produto. Tese Doutorado – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018. No prelo. RAVENSCRAFT, D.; SCHERER, F. M. The lag structure of returns to research and development. Applied Economics, v. 14, n. 6, p. 603-620, 1982. ROODMAN, D. How to do xtabons2: an introduction to “difference” and “system” GMM in Stata. The Stata Journal, v. 9, n. 1, p. 86-136, 2009. SCHMOOKLER, J. Invention and economic growth. Harvard: Harvard University Press, 1966. SCHERER, F. M. Inter-industry technology flows and productivity growth, Review of Economics and Statistics, v. 64, p. 627-634, 1982b. SCHERER, F. M. Using Linked Patent and R&D Data to Measure Inter-Industry Technology Flows. In: GRILICHES, Z. R&D, Patents, and Productivity. Chicago: University of Chicago Press, 1984. SCHERER, F. M. Technology Flows Matrix Estimation Revisited. Economic Systems Research, v. 15, n 3, 2003. STERLACCHINI, A. R&D, innovations, and total factor productivity growth in British manufacturing. Applied Economics, v. 21, p. 1549-1562, 1989. TEMURSHOEV, U.; MILLER, R. E.; BOUWMEESTER, M. C. A note on the GRAS method. Economic Systems Research, v. 25, n. 3, p. 361-367, 2013. TERLECKYJ, N. Direct and indirect effects of industrial research and development on productivity growth of industries. In: KENDRICK, J. W.; VACCARA, B. N. New development in productivity measurement analysis. Chicago: Chicago Un. Press, 1980. VAN MEIJL, H. Measuring intersectoral spillovers: French evidence. Economic Systems Research, v. 9, n. 1, p. 9-23, 1997. VERSPAGEN, B. Estimating international technology spillovers using technology flow matrices. Review of World Economics, v. 133, n. 2, p. 226-248, 1997a. VERSPAGEN, B, Measuring intersectoral technology spillovers: estimates from European from the European ans US patent office databases. Economic System Research, v. 9, n. 1, p. 47-65, 1997b. WOLFF, E. N. Spillover, linkages, and technical change. Economic Systems Research, v. 9, n. 1, p. 9-23, 1997. WOLFF, E. N. Spillover, linkages, and productivity growth in the US economy, 1958 to 2007. In: ANDERSSON, M.; JOHANSSON, B.; KARLSSON, C.; LÖÖF, H. Innovation & growth: from R&D strategies of innovation firms to economy-wide technological change. Oxford Press, 2012.
Como citar:

Silva, Felipe Queiroz; Rocha, Carlos Frederico Leão; "Fluxo de tecnologia intersetorial e produtividade no Brasil: 2000-2014", p. 01-20 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2018-01

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações