Artigo - Open Access.

Idioma principal

Financiamento da inovação no Brasil: uma abordagem sobre a influência dos incentivos fiscais na atividade inovativa industrial

Souza, Sara Gonçalves Antunes de; Santos, Patrine Soares; Rocha, Maria Thereza Santos;

Artigo:

Asrupturas causadas pelas inovações repercutem no desenvolvimento da economia ao provocarmodificações estruturais no setor produtivo. As empresas que estão na vanguardadestas inovações têm alavancado a sua competitividade, o que causa umapreocupação pelas demais em também alcançar uma eficiência tecnológica quepossibilite seu desenvolvimento. A atividade inovativa e as etapas que aantecedem exigem, na maioria das vezes, um grande aporte de recursos e contamcom uma característica de incerteza sobre o seu retorno. Logo, o financiamentodestas atividades torna-se um entrave para o seu progresso, pois nem sempre os paísespossuem um sistema financeiro consolidado que propicie as ferramentas decrédito necessárias. Sendo assim, o Estado assume função primordial no estímuloà inovação pelo setor produtivo, através de instrumentos como os incentivosfiscais, programas de concessão de crédito, subvenções econômicas, dentreoutras políticas que promovam maior integração entre os agentes do SistemaNacional de Inovação (SNI). Os incentivos fiscais são os principais instrumentosde financiamento à inovação, utilizados pelos países em desenvolvimento, como éo caso do Brasil. A literatura econômica trata da importância desses mecanismospara o fomento à atividade inovativa. Entretanto, diante dos significativos valoresrelacionados à renúncia fiscal no país, faz-se necessário avaliar os resultadosdessas políticas quanto ao incremento dos investimentos em P&D&I. Nestesentido, o objetivo desse artigo é discutir, sob a perspectiva do financiamentoda inovação, a influência dos incentivos fiscais na atividade inovativaindustrial, com ênfase nas Leis da Informática e Lei do Bem, com base naliteratura concernente ao tema, estudos correlatos e dados secundários sobre osimpactos desses mecanismos legais. Conclui-se que estes instrumentos fiscais têmsido importantes para o incremento da atividade inovativa industrial no país. Entretanto,têm se concentrado em empresas e setores aos quais estas já eram inerentes aoprocesso produtivo, além de que, através dos dados analisados,observou-se a ampla participação do autofinanciamento como propulsor doinvestimento em inovação, indicando a imprescindibilidade de adaptações na legislação.

Artigo:

Palavras-chave: Financiamento; Inovação; e Incentivos Fiscais,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/enei2018-64

Referências bibliográficas
  • [1] ALBUQUERQUE, M.; E. E; BONACELLI, M. B. M. Contribuições dos institutos de pesquisa privados sem fins lucrativos do setor de TICs ao desenvolvimento da C&T no Brasil: uma análise a partir do uso dos incentivos da Lei de Informática. Parcerias Estratégicas, Brasília-DF, v. 14, n. 28, p. 195-218, jan-jun 2009. AVELLAR, A. P. M; OLIVEIRA, F. C. B. Comportamento do sistema Nacional de Inovação Brasileiro (2000-2007). Revista Economia Ensaios, v. 23, n. 8. UFU. Uberlândia. 2008. BRASIL. FINEP – Financiadora de estudos e projetos. Rio de Janeiro: FINEP, 2017. Disponível em: ______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa industrial de inovação tecnológica: análise dos resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 2008. ______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa industrial de inovação tecnológica: análise dos resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 201 ______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa industrial de inovação tecnológica: análise dos resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. ______. Ministério da Ciência e Tecnologia. Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais – Ano Base 2014, Brasil, 2014. Disponível em: . ______. Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC-2014). Disponível em: . Acesso em: setembro de 2017. CALZOLAIO, A.; DATHEIN, R. Políticas fiscais de incentivo à inovação: uma avaliação da lei do Bem. 201 CGEE. Avaliação de impactos da Lei de Informática no Brasil – 1998 a 2008. Brasil: UNICAMP, 201 CORDER, S.; BUAINAIN, A. M.; JUNIOR, I.de S. L. Análise preliminar do Plano Inova Empresa, p.156-173. In: Anais do 1º Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2016. COSTA, A. C. Política de inovação brasileira: análise dos novos instrumentos operados pela FINEP. 247 f. Tese (Doutor em Economia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013. COSTA, A. B. da. Teoria econômica e política de inovação. Revista de Economia Contemporânea. Rio de Janeiro, v. 20, n.2, p. 281-307, mai-ago 2016. GASPAR, B. F. Impacto da Lei do Bem e do Plano Inova na capacidade inovativa da firma. 1ª edição, Brasília-DF, UNB: 2014. KANNEBLEY JUNIOR, S.; PORTO G. Incentivos Fiscais à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil: Uma avaliação das políticas recentes. Documento para Discussão Nº 236, Banco Interamericano de Desenvolvimento-IDB, Brasília – DF, Setembro de 2012. NEGRI, J. A. de. MORAIS, J. M. de. Evolução das ações e programas da finep no apoio à inovação empresarial – 2003-2014. Radar-IPEA, Brasília-DF, n. 48, p. 19-24, dez 2016. PADILHA, F.; RUFFONI, J. De que forma a Lei do bem incentiva a atividade inovativa das firmas? Uma reflexão para empresas selecionadas no Rio Grande do Sul. In: 1° Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação, UNESP, 2016. PAULA, L. F. R. Sistema Financeiro e o Financiamento da Inovação: Uma abordagem keynesiana-schumpeteriana. In: 39° Encontro Nacional de Economia ANPEC, 201 PAVITT, K. What makes basic research economically useful? Elsevier Science Publishers B.V. North-Holland, 1990. PEREIRA, J. M. Uma avaliação das políticas públicas de incentivo a inovação tecnológica no Brasil: a Lei do Bem. Parcerias Estratégicas: Edição Especial, Brasília-DF, v. 18, n. 36, p. 221-250, jan-jun 2013. RAPINI, M. S. O Financiamento aos investimentos em inovação no Brasil. 2010. 146 f. Tese (Doutorado em Economia) – Instituo de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2010. SALLES FILHO, S S., et al. Avaliação de impactos da Lei de Informática: uma análise da política industrial e de incentivo à inovação no setor de TICs brasileiro. Revista Brasileira de Inovação, Campinas-SP, v.11, n. especial, p. 191-218, julho 2012. SCHUMPETER, J. A Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1985. TORRES, R. L. A “inovação” na teoria econômica: uma revisão. VI Encontro de Economia Catarinense; 26 e 27 de Abril de 2012; Joinville-SC, 2012. TORRES, P.H; BOTELHO, M. dos R. A. Financiamento a inovação e interação entre atividades científicas e tecnológicas: uma análise a partir do PAPPE. XVII Seminário sobre a Economia Mineira; 29 de Agosto a 02 de Setembro de 2016, Diamantina-MG, 2016. VALLIM, R. B. O Financiamento à inovação nas empresas no contexto do Sistema Nacional de Inovação brasileiro. 2014. 170 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. ZUCOLOTO, G. F. Lei do Bem: impactos nas atividades de P&D no Brasil. Radar-IPEA, Brasília-DF, n. 06, p. 14-20, fev 2010.
Como citar:

Souza, Sara Gonçalves Antunes de; Santos, Patrine Soares; Rocha, Maria Thereza Santos; "Financiamento da inovação no Brasil: uma abordagem sobre a influência dos incentivos fiscais na atividade inovativa industrial", p. 1161-1180 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2018-64

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações