Full Article - Open Access.

Idioma principal

Fabricação digital e identidade de territórios em produtos cotidianos

Júdice, Andrea Castello Branco; Maynardes, Ana Cláudia; Júdice, Marcelo Ortega; Aviani, Francisco Leite;

Full Article:

Este artigo descreve o projeto numa comunidade vulnerável em Brasília. Objetivou-se desenvolver e implantar um makerspace focado no protagonismo social, inicialmente proporcionado pelo acesso a impressoras 3D. A metodologia utilizada teve duas etapas: a etnografia e o design participativo escandinavo. Por meio dos dados obtidos prototipou-se a realidade local e entendeu-se a importância do makerspace para o empoderamento. As impressoras 3D foram desenvolvidas utilizando sucata eletrônica. A integração dos habitantes no espaço e as discussões fora do espaço, que são promovidas pelo acesso e utilização da tecnologia, ressaltam a importância dos makerspaces na consolidação da identidade e o empoderamento comunitário.

Full Article:

Palavras-chave: cultura maker; prototipagem rápida; fabricação digital; identidade; território,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-sigradi2016-690

Referências bibliográficas
  • [1] Aviz, A.; Guerra, C.; GUERRA, T. (2012). Construção de protótipos por adição e remoção de material comparativo entre deposição em ABS x usinagem CNC. 4e-Tech:Tecnologias para Competitividade Industrial. Florianópolis. Nº esp. Metalmecânica, pp. 14-36. Disponível em: Acesso em novembro 2014.
  • [2] Baranauskas, M.C.C. (1999). Métodos etnográficos em design de interfaces. Notas de aula. Instituto de Computação, Univ. Estadual de Campinas, Campinas, SP.
  • [3] Barthes, R. (1978). Mitologias. Rio de Janeiro: DIFEL.
  • [4] Battarbee, K. (2004). Co-experience:Understanding user experiences in social interaction. 1st Helsinki: University Of Art And Design Helsinki, (217 p.)
  • [5] Bødker, S. & Grønbæk, K. (1991). Design in Action: From Prototyping by Demonstration to Coopera- tive Prototyping. In Greenbaum J & Kyng M (eds) Design at Work: Cooperative Design of Computer Systems. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, 197-218.
  • [6] Camargo, L. S. A.; Fazani, A. J. (2014). Explorando o Design Participativo como Prática de Desenvolvimento de Sistemas de Informação. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 5, p. 138-150-150.
  • [7] Cardoso, R. (2012). Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naify.
  • [8] Companhia de Planejamento do Distrito Federal - CODEPLAN (2015). Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios 2015. Disponível em: http://goo.gl/mGEwZ5 . Acesso em janeiro 2016.
  • [9] Ehn, P. & Sjögren, D. (1991). From System Description to Scripts for Action. In: Greenbaum and Kyng, 241-26
  • [10] Flusser,V. (2007). O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify.
  • [11] Holman, W. (2016). Made in Baltimore: Community Engagement for Makerspaces. Disponível em: http://makezine.com/2016/05/16/made-baltimore-community-engagement-makerspaces/. Acesso em maio 2016.
  • [12] Hughes, J. A., King, V. Rodden, T. & Andersen, H. (1994) Moving out of the control room: ethnography in system design. In Proceedings of CSCW’94, Chapel Hill, NC.
  • [13] Iacucci, G., Kuutti, K. & Ranta, M. (2000). On the move with a magic thing: role playing in concept design of mobile services and devices. In Proceedings of the 3rd conference on Designing interactive systems: processes, practices, methods, and techniques (DIS '00), Daniel Boyarski and Wendy A. Kellogg (Eds.). ACM, New York, NY, USA, 193-202.
  • [14] Koskinen, I., Battarbee, K., Mattelmãki, T. (2003) (Ed.). Empathic Design: User Experience in Product Design. Finland (edita): It Press (168 p.)
  • [15] Koskinen, I., Zimmerman, J., Binder, T., J; Wensveen, S.(2011). Design Research Through Practice: From the Lab, Field, and Showroom. 1st Morgan Kaufmann.
  • [16] Löbach, B. (2000). Design industrial: bases para a configuração dos produtos industriais. São Paulo: Ed. Edgard Blücher.
  • [17] Margolin, V. & Margolin, S. (2002). A “Social Model” of Design: Issues of Practice and Research. Design Issues 18:4, 24–30
  • [18] Maynardes, A. C. (2015). A dimensão emocional no design do móvel brasileiro. Tese (Doutorado em Artes) – Programa de Pós-graduação em Artes, Universidade de Brasília, Brasília, 243p.
  • [19] Mccleverty, A. (1997). Ethnography. Research Methodologies in HCI. Disponível em: http://www.cpsc.ucalgary.ca/~saul/681/1997/amy/ethnography.html . Acesso em dezembro 1999.
  • [20] Moles, A. (1981). Teoria dos objetos. Rio de Janeiro: Ed. Tempos Brasileiros.
  • [21] Nardi, B. A. (1997). The use of Ethnographic Methods in Design and Evaluation. Handbook of Human-Computer Interaction. North‑Holland, Holland.
  • [22] Norman, D. (2008). Design emocional – por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco.
  • [23] Sanders, E. (2002). From User-Centered to Participatory Design Approaches. Disponível em: . Acesso em: junho 2005.
  • [24] Suchman, L. (1995) Representations of Work (Special Report). Communications of the ACM, 38 (9). pp. 33–68.
  • [25] Sudjic, D. (2010). A Linguagem das Coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca.
  • [26] Warnier, C & Verbruggen, D. (2014). Printing Things: Visions and Essentials for 3D Printing. p. 16-54. Berlim: Gestalten.
Como citar:

Júdice, Andrea Castello Branco; Maynardes, Ana Cláudia; Júdice, Marcelo Ortega; Aviani, Francisco Leite; "Fabricação digital e identidade de territórios em produtos cotidianos", p. 381-386 . In: XX Congreso de la Sociedad Iberoamericana de Gráfica Digital [=Blucher Design Proceedings, v.3 n.1]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-sigradi2016-690

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações