Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

Estrutura produtiva e indicadores de encadeamento na economia brasileira entre 2010 e 2014: uma análise multissetorial baseada no modelo insumo-produto

PASSONI, Patieene Alves; FREITAS, Fabio;

Artigo Completo:

O objetivo desse estudo é analisar a estrutura produtiva brasileira nos anos de 2010 e 2014 e avaliar a importância das atividades econômicas usando o instrumental insumo-produto. Para tanto, serão analisados indicadores setoriais de encadeamento de Hirschman-Rasmussen (backward linkage/poder de dispersão e forward linkage/sensibilidade de dispersão) a partir do modelo insumo-produto. Tais indicadores foram calculados para produção, emprego e valor adicionado e foram analisados seu valor, o ordenamento e sua composição. Utiliza-se a Matriz insumo-produto (doravante MIP) para o ano de 2010 divulgada pelo IBGE e estima-se a MIP 2014 com base na metodologia proposta por Grijó e Berni (2006). É proposto um nível de desagregação de atividades com 19 setores. Os indicadores de encadeamentos para a produção e valor adicionado revelam importância acentuada das atividades industriais, com os quatro grupos Commodities agrícolas, Commodities industriais, Indústria tradicional e Indústria Inovativa sendo atividades-chave. Além disso, duas atividades de serviços se incluem nesse grupo: Transporte, armazenagem e correio e Informação e comunicação. Já para os indicadores de emprego, além da importância das atividades industrias, há destaque para atividades de agropecuária e serviços. Pela análise realizada nesse estudo, é muito semelhante a estrutura das atividades entre 2010 e 2014, analisada sobre o prisma proposto neste estudo. Houve, entretanto, uma tímida mudança na esquematização das atividades para o VBP e VA, permanecendo semelhante no emprego. A análise dos indicadores dos encadeamentos em conjunto com sua decomposição permite identificar não apenas o ordenamento sua importância, mas sua interação dos setores com os demais setores da economia.

Artigo Completo:

The objective of this study is to analyze the Brazilian productive structure in the years 2010 and 2014 and to evaluate the importance of the economic activities using the input-output instruments. Hirschman-Rasmussen's sectoral linkage indicators (backward linkage/power of dispersion and forward linkage/power of sensitivity) in the input-output model. These indicators were calculated for production, employment and value added, and their value, ordering and composition were analyzed. The input-output matrix for 2010 published by the IBGE is used and the MIP 2014 is estimated based on the methodology proposed by Grijó and Berni (2006). A level of disaggregation of activities with 19 sectors is proposed. The production and value-added linkages show a marked importance of industrial activities, with the four groups Agricultural Commodities, Industrial Commodities, Traditional Industry and Innovative Industry being key activities. In addition, two service activities are included in this group: Transportation, storage and mail and Information and communication. For employment indicators, besides the importance of industrial activities, agriculture and services are highlighted. From the analysis performed in this study, it is very similar the productive structure in the Brazilian economy between 2010 and 2014, analyzed on the prism proposed in this study. There was, however, a timid change in the schematization of activities for VBP and VA, remaining similar in employment. In general, the indicators of production and value added chains show a marked importance of industrial activities. For employment indicators, besides the importance of industrial activities, agriculture and services are highlighted. The analysis of linkage indicators together with their decomposition allow the identification not only their importance order, but also their interaction of the sectors with the other sectors of the economy.

Palavras-chave: Indicadores de encadeamento, Estrutura produtiva, Economia brasileira, Matriz Insumo-produto, Anos 2010,

Palavras-chave: Input-output multipliers, Productive structure, Brazilian economy, Input-Output Matrix, The 2010’s,

DOI: 10.5151/enei2017-31

Referências bibliográficas
  • [1] BASTOS, Carlos Pinkusfeld; RODRIGUES, Roberto de Souza; LARA, Fernando Maccari. As finanças públicas e o impacto fiscal entre 2003 e 2012: 10 anos de governo do Partido dos Trabalhadores. Ensaios FEE, v. 36, n. 3, p. 675-706, 2015.
  • [2] BOUCHER, Michel. Some further results on the linkage hypothesis. The Quarterly Journal of Economics, p. 313-318, 1976.
  • [3] CHENERY, Hollis B.; TAYLOR, Lance. Development patterns: among countries and over time. The Review of Economics and Statistics, p. 391-416, 1968.
  • [4] CLARK, Colin. The Conditions of Economic Progress, London 1940.The Conditions of Economic Progress, 1940.
  • [5] DIETZENBACHER, Erik. The measurement of interindustry linkages: key sectors in the Netherlands. Economic Modelling, v. 9, n. 4, p. 419-437, 1992.
  • [6] DIETZENBACHER, E.; LOS, B. Structural decomposition techniques: Sense and sensitivity. Economic Systems Research, v. 10, n. 4, p. 307–324, 1998.
  • [7] FEIJÓ, Carmem Aparecida; RAMOS, Roberto Luis Olinto. Contabilidade social: a nova referência das contas nacionais do Brasil. rev. e atual. Rio de Janeiro: Campus, 2008.
  • [8] FISHER, Allan GB. Production, primary, secondary and tertiary. Economic Record, v. 15, n. 1, p. 24-38, 1939.
  • [9] FREITAS, F.N.P.; DWECK, E. The Pattern of Economic Growth of the Brazilian Economy 1970–2005. In: E.S. Levrero, A. Palumbo, and A. Stirati (eds.) Sraffa and the Reconstruction of Economic Theory: Volume Two. Basingstoke, Palgrave Macmillan, 158–192. 2009
  • [10] GRIJÓ, E. BÊRNI, D.A. Metodologia completa para a estimativa de matrizes de insumo-produto. Teoria e evidência econômica, Passo fundo, v. 14, n. 26, p.9-42, maio 2006. Disponível em: Acesso em: 20 jul. 2014.
  • [11] GUILHOTO, J.J.M. E U. SESSO FILHO. Estimação da Matriz Insumo-Produto a Partir de Dados Preliminares das Contas Nacionais. Economia Aplicada. Vol. 9. N. 2. Abril-Junho. pp. 277-299, 2005.
  • [12] GUILHOTO, J.J.M., U.A. SESSO FILHO. Estimação da Matriz Insumo-Produto Utilizando Dados Preliminares das Contas Nacionais: Aplicação e Análise de Indicadores Econômicos para o Brasil em 2005. Economia & Tecnologia. UFPR/TECPAR. Ano 6, Vol 23, Out./Dez 2010.
  • [13] GÜNLÜK-ŞENESEN, G.; BATES, John M. Some experiments with methods of adjusting unbalanced data matrices. Journal of the Royal Statistical Society. Series A (Statistics in Society), p. 473-490, 1988.
  • [14] HIRSCHMAN, Albert O. The strategy of economic development. New Haven: yale university Press, 1958.
  • [15] IBGE. Matriz insumo-produto Brasil: 2000-2005. Contas nacionais, n.23, IBGE: Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2014.
  • [16] ______. Sistema de contas nacionais: Brasil, ano de referência 2010. Séries Relatórios Metodológicos, v. 24. Coordenação de Contas Nacionais/IBGE. 3. ed. - Rio de Janeiro, 2016a. Disponível em: . Acesso em: 30 set 20
  • [17] ______. Matriz de insumo-produto: Brasil 2010. IBGE, Rio de Janeiro, 2016b. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2016.
  • [18] JUNIUS, Theo; OOSTERHAVEN, Jan. The solution of updating or regionalizing a matrix with both positive and negative entries. Economic Systems Research, v. 15, n. 1, p. 87-96, 2003.
  • [19] KUPFER, David. Um referencial para a análise da reestruturação da Indústria brasileira. In: Trajetórias de reestruturação da indústria brasileira após a abertura e a estabilização. 1998. Tese (Doutorado) - Curso de Economia, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998. Cap. 3.
  • [20] ______. A indústria brasileira após a abertura. In CASTRO, A. C.; LICHA, A. PINTO JR. H. Q.; SABÓIA, J. Brasil em Desenvolvimento: Economia, Tecnologia e Competitividade. Vol 1. Parte III. Rio de Janeiro. Ed. Civilização Brasileira, 2005.
  • [21] KUZNETS, Simon. On comparative study of economic structure and growth of nations. In: The Comparative Study of Economic Growth and Structure. NBER, 1959. p. 162-176.
  • [22] LEITE, F. P. Elementos de Teoria da Produção e Análise Insumo-Produto. 2017. Mimeo.
  • [23] LEONTIEF, W. The Structure of American Economy, 1919-1939, New York, Sharpe. 1940.
  • [24] _______. Studies in the Structure of the American Economy. New York: Oxford University Press, 1953.
  • [25] LEWIS, W. Arthur. Economic development with unlimited supplies of labour.Themanchester school, v. 22, n. 2, p. 139-191, 1954.
  • [26] MARTINEZ, Thiago Sevilhano. Método RAWS/RAW para estimação anual da Matriz de Insumo-Produto na referência 2000 das Contas Nacionais. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2015.
  • [27] MILLER, R. E.; BLAIR, P. D. Input-output analysis: foundations and extensions. Cambridge University Press, 2009.
  • [28] MORCEIRO, Paulo César. Desindustrialização na economia brasileira no período 2000-2011: abordagens e indicadores. Coleção PROPG Digital (UNESP), p. 301 p.: il., gráfs., tabs., 2012.
  • [29] MORRONE, H. Which sectors to stimulate first in Brazil? Estimating the sectoral power to pull the economy out of the recession. In: Anais eletrônicos.... Encontro Nacional de Economia, 43, Foz do Iguaçu, ANPEC, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2016.
  • [30] NASSIF, Luiza; TEIXEIRA, Lucas; ROCHA, Frederico. Houve redução do impacto da indústria na economia brasileira no período 1996-2009? Uma análise das matrizes insumo-produto. Economia e Sociedade, v. 24, n. 2, p. 355-378, 2015.
  • [31] ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT, OECD. A Proposed Classification of ICT Goods. OECD Working Party on Indicators for the Information Society, Paris, 2003.
  • [32] PAVITT, Keith. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research policy, v. 13, n. 6, p. 343-373, 1984.
  • [33] RASMUSSEN, Poul Nørregaard. Studies in inter-sectoral relations. E. Harck, 1956.
  • [34] ROSTOW, Walt Whitman. The process of economic growth. 1960.
  • [35] ROWTHORN, R.; WELLS, John R. De-Industrialization Foreign Trade. CUP Archive, 1987.
  • [36] SCHUSCHNY, Andrés Ricardo. Tópicos sobre el modelo de insumo-producto: teoría y aplicaciones. Serie Estudios estadísticos y prospectivos, 37, División de Estadística y Proyecciones Económicas/CEPAL/United Nations Publications, Santiago de Chile, dic. 2005. Disponível em: . Acesso em 15 dez. 2016.
  • [37] SUMMA, Ricardo; SERRANO, Franklin. Distribution and Cost-Push inflation in Brazil under inflation targeting, 1999-2014. Mimeo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 09 dez 2015.
  • [38] SYRQUIN, Moshe. Patterns of structural change. Handbook of development economics, v. 1, p. 203-273, 1988.
  • [39] TEMURSHOEV, Umed; MILLER, Ronald E.; BOUWMEESTER, Maaike C. A note on the GRAS method. Economic Systems Research, v. 25, n. 3, p. 361-367, 2013.
  • [40] TONER, Phillip. Main currents in cumulative causation: the dynamics of growth and development. Macmillan, 1999.
  • [41] TORRACCA, Julia Ferreira; KUPFER, David . A evolução da taxa de câmbio efetiva real setorial e a mudança estrutural no padrão de comércio da indústria brasileira. In: Anais eletrônicos.... Encontro Nacional de Economia, 41, Natal, ANPEC. 2014. Disponível em: < https://goo.gl/f9Unig>. Acesso em: 15 jan. 2017.
Como citar:

PASSONI, Patieene Alves; FREITAS, Fabio; "Estrutura produtiva e indicadores de encadeamento na economia brasileira entre 2010 e 2014: uma análise multissetorial baseada no modelo insumo-produto", p. 545-564 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2017-31

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações