Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ESPAÇOS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS NO PODER JUDICIÁRIO: Considerações sobre os atributos cognitivos socioespaciais

FARIA, Cybelle Saad Sabino de Freitas; BADAN, Rosane Costa;

Artigo Completo:

O presente artigo investiga como as características do ambiente construído influenciam nos processos de percepção, memória, atenção e tomada de decisões nas atividades de conciliação promovidas pelo Poder Judiciário Estadual, mais especificamente nos mutirões de conciliação. O procedimento metodológico utilizado foi a revisão bibliográfica de publicações ligadas à Cognição Ambiental e ao comportamento socioespacial humano, com ênfase nos aspectos subjetivos. O objetivo da pesquisa é o de buscar estratégias para proporcionar maior conforto e bem-estar aos usuários da Justiça Estadual de Goiás e possibilitar a incorporação dos conhecimentos adquiridos em projetos das edificações judiciárias.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Ergonomia cognitiva; cognição ambiental; comportamento sócio espacial humano,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-conaerg2016-6838

Referências bibliográficas
  • [1] AZEVEDO, André Gomma (org); Manual de Mediação Judicial. Ministério da Justiça e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD. Brasília: CNJ, 2015.
  • [2] BITTENCOURT, Samantha Nahon. Arquitetura Strictu Sensu Versus Justiça Latosensu: A contribuição da arquitetura para o realizar justiça no Brasil. Salvador:2013; disponível em acesso em 20/10/2015.
  • [3] BRANCO, Eliana Patricia. Arquitetura Judiciária e acesso ao direito e à justiça – o estudo de caso dos tribunais de família e menores em Portugal. In: Sociologia do(s) Espaço (s) da Justiça: Diálogos interdisciplinares. Patrícia Branco (org.) Coimbra: Edições Almedina, S.A. 201
  • [4] BROADBENT, Geoffrey, Um guia pessoal e descomplicado da teoria dos signos na arquitetura; In: Uma nova agenda para a arquitetura: Antologia teórica 1965-1995; Kate Nesbitt (org). São Paulo: Cosac Naify,2ª ed.rev.,2013.
  • [5] CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. A conciliação é a melhor alternativa para o Judiciário, diz ministro do STJ; Notícias 27/11/2015; disponível < http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/81052> acesso em 30/11/201
  • [6] ______; Indicadores. 2016 http://www.cnj.jus.br/gestao-e-planejamento/gestao-e-planejamento-do-judiciario/indicadores/486-gestao-planejamento-e-pesquisa/indicadores/13659-03-taxa-de-congestionamento, acesso em 04/07/201
  • [7] COSTI, Marilice. A influência da luz e da cor em corredores e salas de espera hospitalares. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.
  • [8] DEL RIO, Vicente; DUARTE, Cristiane Rose; RHEINGANTZ, Paulo Afonso. Projeto do lugar: colaboração ente psicologia, arquitetura e urbanismo. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria/ PROARQ, 2002.
  • [9] DOLLE, Jean Marie. Para além de Freud e Piaget. Petrópolis: Vozes, 1993.
  • [10] EMERY, O.; RHEINGANTZ, P.A. Saber ouvir a arquitetura (o ouvido do arquiteto). Anais do III Encontro Nacional e I Encontro Latino-americano de Conforto do Ambiente Construído. Porto Alegre: ANTAC, 1995, p. 737 – 741.
  • [11] FISCHER, Gustave-N. Psicologia Social do Ambiente. Lisboa: Instituto Piaget, 1994.
  • [12] HALL, Edward T. A dimensão oculta. Tradução Waldéia Barcelos – São Paulo: Martins Fontes, 2005.
  • [13] HELLER, Eva. A psicologia das cores: como as cores afetam a emoção e a razão. São Paulo: Gustavo Gilli, 20
  • [14] OKAMOTO, Jun. Percepção Ambiental e Comportamento: Visão Holística da Percepção Ambiental na Arquitetura e na Comunicação. São Paulo: Editora Mackenzie, 2ª ed., 20
  • [15] ORNSTEIN, Sheila et al. Ambiente construído e comportamento. São Paulo: Studio Nobel, Fupam, 1995.
  • [16] PAGLIUCA, José Carlos Gobbis. O impedimento à Vitimização Secundária pela Polícia e justiça. Revista eletrônica Universo Jurídico, Juiz de Fora, ano XI, 2007. Disponível em http://uj.novaprolink.com.br/doutrina/3485/o_impedimento_a_vitimizacao_secundaria_pela_policia_e_justica, acesso em agosto/2013.
  • [17] PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele: a arquitetura e os sentidos. Tradução: Alexandre Salvaterra. Porto Alegre: Bookman,2011.
  • [18] PATTERSON, Cláudia. A importância da Arquitetura Judiciária na efetividade da justiça. Conferência proferida no 4º Congresso Brasileiro de Administração da Justiça, realizado pelo Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal, em março/2004 disponível em http://www.jf.jus.br/ojs2/index.php/revcej/article/view/596/776, acesso em 20/11/2014.
  • [19] PINHEIRO, José Q.; ELIALI, Gleice Azambuja. Comportamento socioespacial humano. In: Temas básicos em Psicologia Ambiental. Org.: Sylvia Cavalcante e Gleice A. Eliali. Petrópolis: Vozes, 2011.
  • [20] SCHMID, A. A ideia de conforto: reflexões sobre o ambiente construído. Curitiba, Pacto Ambiental, 2005.
  • [21] SILVA, Helga Santos; SANTOS, Mauro César de Oliveira. O significado do conforto no ambiente residencial. Cadernos ProArq18. Rio de Janeiro:UFRJ, 2012;
  • [22] TEDESCHI, Enrico. Teoria de la arquitectura. Buenos Aires: Nueva Visión, 1978.
  • [23] TONELLO, Graciela. Efectos visuales de la luz. Luminotecnia. Tucumán, n.4, p. 01-06, 1998.
  • [24] TUAN, Yi Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013.
  • [25] ZUMTHOR, Peter. Atmosferas: entornos arquitetônicos: as coisas que me rodeiam, Barcelona: Gustavo Gilli Editora, 2006.
Como citar:

FARIA, Cybelle Saad Sabino de Freitas; BADAN, Rosane Costa; "ESPAÇOS DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS NO PODER JUDICIÁRIO: Considerações sobre os atributos cognitivos socioespaciais", p. 310-321 . In: 1º Congresso Internacional de Ergonomia Aplicada [=Blucher Engineering Proceedings, v.3 n.3]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-conaerg2016-6838

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações