Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ENSINO DA LEITURA E DA ESCRITA: REFLEXÕES ACERCA DA FORMAÇÃO E DAS PRÁTICAS DOCENTES

SANTOS, Leandra Ines Seganfredo;

Artigo Completo:

Este trabalho objetiva refletir acerca da formação e das práticas de docentes de Língua Portuguesa, mestrandos do Programa em Rede de Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) da unidade da Universidade do Estado de Mato Grosso, Campus de Sinop. Os dados são provenientes das discussões e produções teórico-práticas desenvolvidas no decorrer da disciplina obrigatória “Aspectos Sociocognitivos e Metacognitivos da Leitura e da Escrita” em que foram propostas atividades de leitura e escrita. No que diz respeito ao trabalho com a leitura, pautou-se em estratégias de leitura (SOLÉ, 1998) mediante uso da técnica de protocolo de leitura (BORTONI-RICARDO et al, 2013, LEFFA, 1996). Já o trabalho de escrita foi realizado com elaboração e aplicação de sequências didáticas (DOLZ, NOVERRAZ e SCHNEUWLY, 2004) em que se enfatizou o trabalho de reescrita, observando-se, sobretudo, a importância do turno do professor na correção e feedback da produção textual (RUIZ, 2001). O corpus de análise deste estudo é o material descritivo-analítico resultante da produção final de cada mestrando que cursou a disciplina e objetiva-se (re)conhecer como eles se apropriam da teoria para desenvolver as propostas práticas em suas respectivas salas de aula. Os resultados mostram que as discussões teóricas e a realização das propostas empoderaram os docentes para a realização de uma prática diferenciada em sala de aula mediante apropriação de diferentes técnicas e estratégias de leitura, bem como do uso efetivo do procedimento metodológico sequência didática. Revelou também, a importância de se trabalhar a linguagem em uma perspectiva que considere os aspectos sociocognitivos, metacognitivos e culturais.

Artigo Completo:

Palavras-chave: ensino de língua portuguesa; produção textual; protocolos de leitura,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-035

Referências bibliográficas
  • [1] ABRUCIO, F. L. (Org.). Formação de professores no Brasil: diagnóstico, agenda de políticas e estratégias para a mudança. São Paulo: Moderna, 2016.
  • [2] BAKHTIN, M./VOLOCHINOV, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 199
  • [3] BOLZAN, D. P. V.; ISAIA, S. M. A. Pedagogia universitária e aprendizagem docente: relações e novos sentidos da professoralidade. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n. 29, p. 13-26, jan./abr. 2010. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=189114444002, acesso em 15 de setembro de 2016.
  • [4] BORTONI-RICARDO, S, M; MACHADO, V. R; CASTANHEIRA, S. F. (Orgs.). Formação do professor como agente letrador. 2. reimpressão. São Paulo: Contexto, 2013.
  • [5] BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
  • [6] BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 02, de 01 de julho de 2015.
  • [7] ______. Parâmetros curriculares Nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 199
  • [8] CELANI, M. A. A. Um desafio na Linguística Aplicada contemporânea: a construção de saberes locais. D.E.L.T.A. v. 32. n. 2, 2016, p. 543-555.
  • [9] DAVIS, Cláudia; NUNES, Marina M. R.; NUNES, Cesar A. A. Metacognição e sucesso escolar: articulando teoria e prática. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 125, 2005, p. 205-230.
  • [10] DOLZ, J.; NOVERRAZ,; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. et al. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. e org. de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 95-128.
  • [11] FERRAREZI JR., Celso; CARVALHO, Robson Santos de. Produzir textos na educação básica: o que saber, como fazer. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.
  • [12] FREITAS, James Deam Amaral. Aula de Língua Portuguesa – (re)descobrindo trajetos e desvios. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 15, n. 4, 2016, p. 903-923.
  • [13] GATTI, B. A. Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 37, jan./abr. 2008. p. 57-70.
  • [14] GATTI, B, A. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. Soc. Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010.
  • [15] HAYES, J. R.; FLOWERS, L. S. Identifying the organization of writing process. In: GREGG, L. W.; STEINBERG, E. R. (Eds.). Cognitive processes in writing. New Jersey: Laurence Erlbaum, 1980.
  • [16] JOU, G. I.; SPERB, T. M. A metacognição como estratégia reguladora da aprendizagem. Psicologia: reflexão e crítica, v. 19, n. 2, 2006.
  • [17] KLEIMAN, A. B. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Signo. Santa Cruz do Sul, v. 32 n 53, p. 1-25, dez, 2007.
  • [18] KLEIMAN, A. Professores e agentes de letramento: identidade e posicionamento social. Filologia e Linguística Portuguesa, v. 8, n. 2, p. 409-424, 2006.
  • [19] KUMARAVADIVELU, B. A Linguística Aplicada na era da globalização. In: MOITA LOPES, L. P. da (Org.). Por uma Linguistica Aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
  • [20] LEFFA, V. J.; PEREIRA, A. E. O Ensino da leitura e produção textual. Pelotas, RS: Educat, 1999.
  • [21] LEFFA, V. J. Aspectos da leitura: uma perspectiva psicolinguística. Porto Alegre: SAGRA – D.C Luzzatto Editores, 1996.
  • [22] MEURER, J. L. Esboço de um modelo de produção de textos. In: MEURER, J. L.; MOTTA-ROTH, D. (Orgs.). Parâmetros de textualização. Santa Maria: Editora UFSM, 1997.
  • [23] NATAL. Matriz curricular do Profletras. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, RN, 2013.
  • [24] BRAVIN, A; PALOMANES, R. (Orgs.). Práticas de ensino de português. São Paulo: Contexto, 2013.
  • [25] ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.
  • [26] ROJO, R.; MOURA, E. (Orgs.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012.
  • [27] RUIZ, E. D. Como corrigir redações na escola: uma proposta textual-interativa. 1. ed., 3. reimpressão. São Paulo: Contexto, 2015.
  • [28] SANTOS, L. I. S.; RODRIGUES, G. R. Multiletramentos: articulações para/no ensino da leitura e da escrita. Cáceres, MT: Editora UNEMAT, 2015.
  • [29] SANTOS, L. I. S.; SANTOS, L. A. Formação docente e ensino de língua portuguesa. Signótica, 2016 (no prelo).
  • [30] SARTORI, Adriane T. Ensino de Língua Portuguesa: reflexões sobre a necessidade de análise crítica de textos. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 15, n. 4, 2016, p. 925-940.
  • [31] SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Os Gêneros Escolares – Das Práticas de Linguagem aos Objetos de Ensino. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 95-128.
  • [32] SILVA, K. A.; MASTRELLA-DE-ANDRADE, M.; PEREIRA FILHO, C. A. (Orgs.). A formação de professores de línguas: políticas, projetos e parcerias. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015.
  • [33] SIQUEIRA, S. Diversidade, ensino e linguagem: que desafios e compromissos aguardam o profissional de Letras contemporâneo? Revista Línguas & Letras, v. 13, n. 24, 1º Sem. 2012, p. 35-66.
  • [34] SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.
Como citar:

SANTOS, Leandra Ines Seganfredo; "ENSINO DA LEITURA E DA ESCRITA: REFLEXÕES ACERCA DA FORMAÇÃO E DAS PRÁTICAS DOCENTES", p. 446-463 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-035

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações