Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Efeitos de Variações na taxa de câmbio real sobre os custos da Indústria Brasileira: implicações regionais recentes

Effects of Changes in the Real Exchange Rate on Brazilian Manufacture Costs: Recent Regional Implications

Pereira, Wallace Marcelino; Giovanini, Adilson; Cario, Silvio Antonio Ferraz; D’Amato, Stefan Wilson;

Artigo:

O artigo objetiva analisar empiricamente o papel da taxa de câmbio real (RER) sobre os custos da indústria, mensurados a partir de dados da PIA/IBGE em uma perspectiva regional. Foram elaboradas estatísticas descritivas e estimação do pass-through cambial para o período 2007-2019. Os resultados mostram que a evolução dos custos e o efeito da RER é diferenciado no território. Durante o período analisado o câmbio desvalorizado afetou os custos. Modificações na RER, pass-through cambial, foram repassadas para os custos industriais, sendo prejudicial para as atividades manufatureiras que utilizam insumos importados. Os resultados corroboram o argumento de que os estados brasileiros possuem estruturas industriais heterogêneas, sendo os custos industriais impactados de forma distinta por variações na taxa de câmbio e nos preços internos. Como sugestão de política econômica assevera-se a importância da política industrial e macroeconômica para mitigar os efeitos de curto prazo do câmbio desvalorizado sobre os custos industriais.

Artigo:

The paper aims to empirically analyze the role of the real exchange rate (RER) on industry costs, measured from PIA/IBGE data in a regional perspective. Descriptive statistics and estimation of the exchange rate pass-through were prepared for the period 2007-2019. The results show that the evolution of costs and the effect of RER is different in the territory. During the analyzed period, the devalued exchange rate affected costs. Changes in the RER, exchange rate pass-through, were passed on to industrial costs, being harmful to manufacturing activities that use imported inputs. The results support the argument that Brazilian states have heterogeneous industrial structures, with industrial costs impacted differently by variations in the exchange rate and domestic prices. As an economic policy suggestion, the importance of industrial and macroeconomic policy is asserted to mitigate the short-term effects of a devalued exchange rate on industrial costs.

Palavras-chave: Taxa de Câmbio Real; Indústria; Crescimento Econômico,

Palavras-chave: Real Exchange Rate; Manufacture; Economic Growth,

DOI: 10.5151/vi-enei-889

Referências bibliográficas
  • [1] ALDIERI, L.; KOTSEMIR, M.; PAOLO VINCI, C. Environmental innovations and productivity: Empirical evidence from
  • [2] Russian regions.Resources Policy, p. 101444, jul. 2019.
  • [3] ALDIERI, L. et al. Waste recycling patents and environmental innovations: An economic analysis of policy instruments in the
  • [4] USA, Japan and Europe.Waste Management, v. 95, p. 612–619, jul. 2019.
  • [5] ALOISE, P. G.; MACKE, J. Eco-innovations in developing countries: The case of Manaus Free Trade Zone (Brazil).Journal of
  • [6] Cleaner Production, v. 168, p. 30–38, dez. 2017.
  • [7] ANDRADE, T. DE. Inovação tecnológica e meio ambiente: a construção de novos enfoques.Ambiente & Sociedade, v. 7, n. 1,
  • [8] p. 89–105, jun. 2004.
  • [9] ARRANZ, N. et al. Incentives and inhibiting factors of eco-innovation in the Spanish firms.Journal of Cleaner Production, v.
  • [10] 220, p. 167–176, maio 2019.
  • [11] BARBIERI, J. C. et al. Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições.Revista de Administração de Empresas, v.
  • [12] 50, p. 146-154, 2010.
  • [13] BANERJEE, R.; GUPTA, K.; MCIVER, R. What matters most to firm-level environmentally sustainable practices: Firm–
  • [14] specific or country–level factors?Journal of Cleaner Production, v. 218, p. 225–240, maio 2019.
  • [15] BORGHESI, S. et al. Environmental innovation and socio-economic dynamics in institutional and policy contexts. Journal of
  • [16] Evolutionary Economics, v. 23, n. 2, p. 241–245, 27 mar. 2013.
  • [17] BORGHESI, S. et al. Linking emission trading to environmental innovation: Evidence from the Italian manufacturing
  • [18] industry.Research Policy, v. 44, n. 3, p. 669–683, abr. 2015.
  • [19] CABRAL, B. P.; SOUZA, F. de; CANÊDO-PINHEIRO, M. Assessig the impacts of innovation barriers: a qualitative
  • [20] analysis of Brazil’s natural resources industry. 20
  • [21] CAVALCANTE, P.; CAMÕES, M. Do the Brazilian innovations in public management constitute a new model?RAI Revista
  • [22] de Administração e Inovaçãov. 14, n. 1, p. 90–96, jan. 2017.
  • [23] CLAUSEN, J.; FICHTER, K.The diffusion of environmental product and service innovations: Driving and inhibiting
  • [24] factors.Environmental Innovation and Societal Transitionsv. 31, p. 64–95, jun. 2019.
  • [25] COSTA, A. B. DA. TEORIA ECONÔMICA E POLÍTICA DE INOVAÇÃO.Revista de Economia Contemporânea, v.
  • [26] 20, n. 2, p. 281–307, ago. 2016.
  • [27] FREEMAN, C. Continental, national and sub-national innovation systems—complementarity and economic growth.Research
  • [28] Policy, v. 31, n. 2, p. 191–211, fev. 2002.
  • [29] FREEMAN, C.; PEREZ, C. Structural crises of adjustment business, cycles and investment behavior. IN: DOSI, G. et al.
  • [30] Technical Change and Economic Theory. London: Pinter Publishers, 1988.
  • [31] HALL, J.; VRENDENBURG, H. The challenges of innovating for sustainable development. MIT Sloan Management
  • [32] Review, v. 45,n. 1, p. 61-68, 2003.
  • [33] HONGYU, K.; SANDANIELO, V. L. M.; JUNIOR, G. J. de O. Análise de Componentes Principais: Resumo Teórico,
  • [34] Aplicação e Interpretação.E&S Engineering and Science, v. 5, n. 1, p. 83–90, 29 jun. 2016.
  • [35] IBGE. IBGE | Biblioteca | Detalhes | Pesquisa de inovação: 2017: análise complementar: sustentabilidade e inovação
  • [36] ambiental. Disponível em: . Acesso
  • [37] em: 28 nov. 2021.
  • [38] JABBOUR, C. J. C. Tecnologias ambientais: em busca de um significado.Revista de Administração Pública, v. 44, n. 3, p.
  • [39] 591–611, jun. 2010.
  • [40] JOHNSON, R.A.; WICHERN, D.W. Applied multivariate statistical analysis. Madison: Prentice Hall International, p. 816,
  • [41] 1998.
  • [42] KEMP, R., PEARSON, P. Final Report MEI project about measuring eco-innovation. Measuring Eco Innovation Project,
  • [43] Deliverable 15, 2007.
  • [44] KESIDOU, E.; DEMIREL, P. On the drivers of eco-innovations: Empirical evidence from the UK.Research Policy. v. 41, n. 5,
  • [45] p. 862–870, jun. 2012. Disponível em:
  • [46] .
  • [47] KOELLER, P et al.TD 2556 - Ecoinovação: revisitando o conceito. Rio de Janeiro. 2020. Disponível em:
  • [48] .
  • [49] KUEHR, R. Environmental technologies –from misleading interpretations to an operational categorisation & definition.Journal
  • [50] of Cleaner Production, v. 15, n. 13-14, p. 1316–1320, set. 2007.
  • [51] MANLY, B. F. J. Multivariate statistical methods. New York, Chapman and Hall, p. 159, 1986.
  • [52] MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Coleção Os Economistas. V. I (Tomos 1 e 2). São Paulo: Abril Cultural,
  • [53] [1867]1983/1984.
  • [54] MIRANDA, R. E. S. Impactos ambientais decorrentes dos resíduos gerados na produção de papel e celulose. Monografia
  • [55] (Curso de Engenharia Florestal) –Instituto de Florestas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2008.
  • [56] MONTENEGRO, R. L.; CARVALHO, F. Eco-Inovações e o Desafio Ambiental. In: Márcia Siqueira Rapini; Leandro Alves
  • [57] Silva; Eduardo da Motta e Albuquerque. (Org.). Economia da Ciência, Tecnologia e Inovação: Fundamentos teóricos e a
  • [58] economia global.1ed.Curitiba: Primas, v. 1, p. 491-524, 2017.
  • [59] NASCIMENTO, E. P. do. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico.Estudos Avançados,
  • [60] v. 26, n. 74, p. 51-64, 2012.
  • [61] OCDE.Manual de Oslo Terceira edição. Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico. 2005. Disponível em:
  • [62] .
  • [63] OCDE. Environmental Policy, Technological Change and Patent Activity. Working Party on National Environmental
  • [64] Policies., 18 jun de 2008.
  • [65] ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Agenda 21. Rio de Janeiro: CM-MED, 1992.
  • [66] PAIVA, M. S. DE et al. Inovação e os efeitos sobre a dinâmica de mercado: uma síntese teórica de Smith e Schumpeter.
  • [67] Interações (Campo Grande), p. 155–170, 16 fev. 2018.
  • [68] PEREZ, C. A green and socially direction for the ICT paradigm. Globelics Working Paper Series, v. 01, mar de 2014.
  • [69] PESSINI, L.; SGANZERLA, A. Evolução histórica e política das principais conferências mundiais da ONU sobre o clima e meio
  • [70] ambiente. Revista Iberoamericana de Bioética, n. 01, jan. 2016.
  • [71] Pesquisa de Inovação | IBGE. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2021.
  • [72] PORTER, Michael; LINDE, Claas Van der. Toward a New Conception of the Environment -Competitiveness Relationship.
  • [73] Journal of Economic Perspectives, v. 9, n.4, p.97-118, 1995.
  • [74] QUEIROZ, J. M. de; PODCAMENI, M. G. VON B. Estratégia inovativa das firmas brasileiras: convergência ou divergência
  • [75] com as questões ambientais?Revista Brasileira de Inovação, v. 13, n. 1, p. 187, 3 dez. 2013.
  • [76] ROMEIRO, A. R.; SALLES FILHO, S. L. Dinâmica de inovações sob restrição ambiental. In: ROMEIRO, A. R.; PHILIP, B.
  • [77] (Orgs.). Economia do meio ambiente: teoria política e a gestão de espaços regionais. 1ª ed. Campinas: Unicamp, v. 1, p. 85-124,
  • [78] 1997.
  • [79] SALIBA DE OLIVEIRA, J. A. et al. Innovation and financial performance of companies doing business in Brazil.International
  • [80] Journal of Innovation Studies, v. 2, n. 4, p. 153–164, dez. 2018.
  • [81] SEVERO, et al. Cleanerproduction and environmental management as sustainable product innovation antecedents: A survey in
  • [82] Brazilian industries.Journal of Cleaner Production, v. 142, p. 87–97, jan. 2017.
  • [83] SILVA, M. C.; SILVA, J. D. G.; BORGES, E. F.ANÁLISES DE COMPONENTES PRINCIPAIS PARA ELABORAR
  • [84] ÍNDICES DE DESEMPENHO NO SETOR PÚBLICO. Disponível em:
  • [85]
  • [86] ORAR_INDICES_DE_DESEMPENHO_NO_SETOR_PUBLICO>.
  • [87] SCHUMPETER, J. A. A Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucro, capital, crédito, juro e o ciclo
  • [88] econômico. Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1982.
  • [89] SOUZA, R. S. Evolução e condicionantes da gestão ambiental nas empresas. REAd-Edição Especial 30, vol. 8, n. 6, nov-dez.
  • [90] 2002.
  • [91] STEIL, C. A.; TONIOL, R. Além dos humanos: reflexões sobre o processo de incorporação dos direitos ambientais como direitos
  • [92] humanos nas conferências das Nações Unidas. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 19, n. 40, p. 283-309, jul./dez. 2013.
  • [93] TIGRE, P. B. Inovação e teorias da firma em três paradigmas.Revista de Economia Contemporânea, n. 3, jan-jun de 1998.
  • [94] United Nations Conference on Environment and Development (UNCED). Agenda 21. Geneva Switzerland, 1992.
  • [95] VERASZTO, E. V.; SILVA, D. da; MIRANDA, N. A. de.O papel e os desafios da ciência e tecnologia no cenário ambiental
  • [96] contemporâneo. Campinas. 2005. Disponível em:
  • [97] .
  • [98] VIEIRA, R. M. Teoria da firma e inovação: um enfoque neo-schumpeteriano.Revista Cadernos de Economia, v. 14, n. 27, p.
  • [99] 36–49, 2010.
Como citar:

Pereira, Wallace Marcelino; Giovanini, Adilson; Cario, Silvio Antonio Ferraz; D’Amato, Stefan Wilson; "Efeitos de Variações na taxa de câmbio real sobre os custos da Indústria Brasileira: implicações regionais recentes", p. 570-586 . In: Anais do VI Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação (ENEI): “Indústria e pesquisa para Inovação: novos desafios ao desenvolvimento sustentável”. São Paulo: Blucher, 2022.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/vi-enei-889

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações