Resumo - Open Access.

Idioma principal

Educação e Luta Política: uma análise sobre a trajetória do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra

PEREZ, Luana de Paula;

Resumo:

Nos últimos anos a discussão sobre a educação vem tomando grande relevância na sociedade brasileira. As lutas pelo direito à educação revelam a importância desta como uma fonte poderosa não só de conhecimento, mas de transformação da consciência dos sujeitos. Com o fim do Regime Militar e o processo de redemocratização, a Constituição de 1988 garante que a educação é um direito de todos para o pleno exercício da cidadania.

Resumo:

Palavras-chave: Educação do campo; luta política; intelectuais orgânicos; MST,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/socsci-secunifesp2015-0009

Referências bibliográficas
  • [1] ARROYO, M. FERNANDES, B. M. A educação básica e o movimento social do campo – Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação Básica do Campo, 1999.
  • [2] BENJAMIN, César. Projeto Popular para o Brasil: na construção do Brasil que queremos. In: II Assembléia Popular Nacional. Luziânia, 25 a 28 de Maio, 2010.
  • [3] CALDART, R. S. “A escola do campo em movimento”. In: Currículo Sem Fronteiras, Porto Alegre/RS, 2003 v.3, n 1, pp 60-81.
  • [4] CALDART, R. S. “Convivência e Coletividade” In: Escola em Movimento. Instituto de Educação Josué de Castro. São Paulo: Expressão Popular, 2013 p. 335-370.
  • [5] CALDART, R. S. Pedagogia do Movimento Sem Terra: escola é mais do que escola. Petrópolis: Vozes, 2004.
  • [6] CALDART, R. S. e BENJAMIN, Cesar Q.“Projeto popular e escolas do campo”. In: ducação do campo: Por uma educação básica do campo. Brasília: Articulação Nacional “Por Uma Educação Do Campo” 1999.
  • [7] DEL ROIO, Marcos. Gramsci e a educação do educador. São Paulo, Cad. Cedes Campinas, vol. 26, n 70, pág. 311 – 328, set/dez. 2006.
  • [8] FERNANDES, B; CERIOLI, P; CALDART, R. S. “Bases para a elaboração de uma proposta de Educação Básica do Campo” In: Conferência Nacional Por uma educação básica do campo – texto base. Brasília: pp. 24-40, julho 199
  • [9] HILSENBECK FILHO, A. M. O MST no fio da navalha – dilemas, desafios e potencialidades da luta de classes. Campinas, SP: [sn] 2013.
  • [10] FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 56ª Edição. Rio de Janeiro,. Paz e Terra, 2014.
  • [11] GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da Cultura. Ed. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1968. Cap. I pp. 3-23; Cap. II pp.117-157
  • [12] GRAMSCI, Antonio. Os Cadernos do Cárcere – Maquiavel: Notas sobre o Estado e a Política. Ed. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 20 Vol. 3. Caderno 13, pp. 11 – 111.
  • [13] MARTINS, J. S. O poder do atraso. São Paulo, Ed. Hucitec, 1994.
  • [14] MARX, Karl. ENGELS, Friedrich. Textos sobre Educação e Ensino. São Paulo, Editora Centauro, 2004.
  • [15] MOVIMENTO DOS TRABALHORES RURAIS SEM TERRA. Conferência Nacional Por uma educação básica do campo – texto base. Brasília, julho 1998.
  • [16] MOVIMENTO DOS TRABALHORES RURAIS SEM TERRA. “Princípios da educação no MST”. In: Caderno de Educação nº8. São Paulo, 1996.
  • [17] PISTRAK, E. Fundamentos da Escola do Trabalho. São Paulo, Brasiliense, 1981.
  • [18] STÉDILE, João Pedro. A questão agrária e o socialismo. In: STÉDILE, João Pedro (Coord.). A questão agrária hoje. Porto Alegre, Ed. da UFRGS, 2002. p. 306-322.
Como citar:

PEREZ, Luana de Paula; "Educação e Luta Política: uma análise sobre a trajetória do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra", p. 61-66 . In: Anais do VIII Semana de Ciências Sociais UNIFESP - Educação com o Recorte de Combate às Opressões [=Blucher Social Science Proceedings, v.2, n.1].. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2359-2990, DOI 10.5151/socsci-secunifesp2015-0009

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações