Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ECOBAG: O desafio do design na geração de solução que promova o consumo sustentável

CANCIAN, Fernanda; PEREIRA, Marco; BARATA, Tomas Queiroz Ferreira;

Artigo Completo:

Frente um cenário de consumo excessivo, geração de resíduos a níveis alarmantes, fez-se necessário compreender os fatores limitantes para a retirada das sacolas descartáveis, provenientes de material derivado de petróleo, do mercado. Diversas iniciativas públicas, no Brasil, já foram implementadas sem muito sucesso. Além da proibição das sacolas não ser aceita pelos consumidores, as opções de ecobags (sacolas ecológicas) disponíveis no mercado apresentam diversos problemas ambientais quando analisado seu ciclo de vida. Baseado nesse cenário, o presente estudo tem como objetivo discorrer sobre os desafios do design no desenvolvimento de ecobags de maneira amplamente sustentável. A metodologia empregada iniciou com pesquisa exploratória, através de levantamento bibliográfico e documental, sendo a base para a pesquisa explicativa, quando foram evidenciados os principais desafios a serem superados pelo design. Acredita-se que as soluções devam ser específicas, de acordo com a realidade de cada município, assim como na cidade de São Paulo que conseguiu implementar a lei de banimento das sacolas, através do design de ecobags padronizadas.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Sustentabilidade; ciclo de vida; design; sacolas plásticas; ecobag,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-sbds15-2st603a

Referências bibliográficas
  • [1] AMLURB. Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo. São Paulo:
  • [2] Prefeitura de São Paulo, 2015. Disponível na internet por http em: . Acesso em 10 de abril de 2015.
  • [3] APAS. Belo Horizonte completa um ano sem sacolas descartáveis. Belo Horizonte,
  • [4] 2012. Disponível na internet por http em: . Acesso em 08 de dezembro de 201
  • [5] AQUINO, Yara. Especialista Defende que Peso Máximo de Mochilas Seja 10% do Peso Corporal. São Paulo: Agencia Brasil, 2014. Disponível na internet por http em: . Acesso em 22 de março de 201
  • [6] ASSOCIAÇÃO COMERCIAL SÃO PAULO. Dúvidas Frequentes Sobre a Lei 15.374/2011 “
  • [7] Lei da Sacolinha”. São Paulo: 2015. Disponível na internet por http em: . Acesso em 08 de abril de 2015.
  • [8] BARBOSA, Vanessa de. Lugares no mundo que baniram ou taxaram o uso de sacola
  • [9] plástica. Brasil, 2012. Disponível na internet por http em: . Acesso em 08 de dezembro de 2014.
  • [10] BONATO, José. Cidades de SP obrigam supermercados a dar de novo sacolas plásticas. Ribeirão Preto: 2012. Disponível na internet por http em: . Acesso em 05 de julho de 2015.
  • [11] BONI, C. R.; SILVA, K.; SILVA, J. C. P. A 2014. (In)Definição do Design: Os Limites do
  • [12] Design e a Relação com a Arte e a Indústria. Anais do 11° Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. ISSN: 2318-6968. Disponível na internet por http em: . Acesso em 02 de dezembro de 2014.
  • [13] BORGES, Marco André; MONTEIRO, Luís Carlos; LOBO, Alfredo Carlos Ophão. Relatório sobre análise em sacolas plásticas de supermercado: Análise de produto. Brasil, 2011. Disponível na internet por http em: . Acesso em 15 de março de 2015.
  • [14] COSTA, Daiane. Lei contra sacolas plásticas não pega no Rio. Rio de Janeiro: 2015.
  • [15] Disponível na internet por http em: . Acesso em 15 de abril de 20
  • [16] EL-HAGGAR, Salah.Sustainable Industrial Design and Waste Management: Cradle-to-
  • [17] Cradle for Sustainable Development. London: Elsevier, 2007. Disponível na internet por http em: . Acesso em 05 de julho de 2015.
  • [18] ENVIRONMENT AGENCY.Lifecycle assessment of supermarket carrier bags available
  • [19] in 2006.Bristol, 2011. 120p. Disponível na internet por http em: Acesso em 11 de maio de 2015.
  • [20] GREENPEACE. Lixo que Cruza Fronteiras. Brasil, 2010. Disponível na internet por http em: . Acesso em 14 de abril de 2015.
  • [21] MANZINI, Enzio;VEZZOLI, Carlo. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: Os requisitos ambientais dos produtos industriais. Tradução de Astrid de Carvalho. 3 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.
  • [22] MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE.Saco é um saco. São Paulo: O tamanho do problema, 2009. Disponível na internet por http em: . Acesso em 14 de abril de 2015.
  • [23] PEREIRA, Daniel. Sacolas plásticas X meio ambiente. São Paulo: Ser Melhor, 2007.
  • [24] Disponível na internet por http em: . Acesso
  • [25] em 21 de junho de 2015.
  • [26] PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale, 2013. 2 ed. Disponível na internet por http em: . Acesso em 27 de julho de 2015.
  • [27] REDIG,Joaquim. Não há cidadania sem informação, nem informação sem design.
  • [28] Revista Brasileira de Design da Informação: 2004. ISSN 1808-5377. Disponível na internet por http em: . Acesso em 08 de dezembro de 2014.
  • [29] SANTIAGO, Tatiana. Supermercados vão cobrar por sacolinhas a partir de domingo.
  • [30] São Paulo: 2015. Disponível na internet por http em: . Acesso em 14 de abril de 2015.
  • [31] SANTOS, A. S. F. et al. 2012. Sacolas plásticas: destinações sustentáveis e alternativas
  • [32] de substituição. Polímeros. v. 22, n. 3, p. 228-237.
  • [33] SEVERINO, Antônio Joaquin. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez,
  • [34] 2007.
  • [35] THE CONSUMER GOODS FORUM. Global Protocol on Packaging Sustainability 2.0 Guidance.France, 2011. Disponível na internet por http em: . Acesso em 08 de dezembro de 2014.
  • [36] VEZZOLI, Carlo;MANZINI, Ezio. Design for Environmental Sustainability. Milan: Ed.
  • [37] Springer, 2008.
  • [38] VIANNA, Maurício et al. DesignThinking: Inovação em Negócios. Rio de Janeiro; MJV
  • [39] Press, 2012.
Como citar:

CANCIAN, Fernanda; PEREIRA, Marco; BARATA, Tomas Queiroz Ferreira; "ECOBAG: O desafio do design na geração de solução que promova o consumo sustentável", p. 157-167 . In: Anais do 5º Simpósio Brasileiro de Design Sustentável [=Blucher Design Proceedings, v.2, n.5]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-sbds15-2st603a

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações