Dezembro 2020 vol. 8 num. 5 - Colóquio Internacional de Design 2020

Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Do individualismo à coletividade: o designemocional na hipermodernidade

From individualism to collectivity: emotional design in hypermodernity

Almeida, Rangel Benedito Sales de; Almeida, Marcelina das Graças de;

Artigo completo:

A hipermodernidade trouxe consigo a velocidade das transformações sociais e tecnológicas. Por outrolado, nota-se também o crescimento do individualismo, num contexto social em que cada indivíduobusca atender apenas suas necessidades, num diversificado self-service. Em contraposição, cresce autilização do design emocional para resolver cada vez mais as necessidades da sociedade, atendendoo máximo de indivíduos possível. O objetivo deste artigo é discutir a utilização do design emocional nasociedade hipermoderna. Os arcabouços teóricos que nortearão esta discussão perpassarão pelasreflexões sobre a hipermodernidade, pelo design emocional e pela inovação mediada pelo design.Infere-se que a partir desta discussões, os projetos dos equipamentos culturais sejam concebidos comum olhar mais humanizado e plural.

Artigo completo:

Hypermodernity brought with it the speed of social and technological changes. On theother hand, there is also the growth of individualism, in a social context in which each individual seeksto meet only their needs, in a diversified self-service. In contrast, the use of Emotional Design growsto increasingly solve the needs of society, serving as many individuals as possible. The purpose of thisarticle is to discuss the use of Emotional Design in hypermodern society. The theoretical frameworksthat will guide this discussion will run through reflections on Hypermodernity, Emotional Design andInnovation mediated by Design. It is inferred that from these discussions, cultural equipment projectsare conceived with a more humanized and plural look.Keywords: Emotional Design; hypermodernity; individuali

Palavras-chave: Design Emocional; hipermodernidade; individualismo; sociedade,

Palavras-chave: Emotional Design; hypermodernity; individualism; society,

DOI: 10.5151/cid2020-60

Referências bibliográficas
  • [1] BORDINHÃO, Katia; VALENTE, Lúcia & SIMÃO, Maristela dos Santos. Caminhos da memória: para fazer uma exposição. Brasília, DF: IBRAM, 2017. 88p.
  • [2] BORGES, Regina Maria Rabello. Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS: Coletânea de textos publicados. - Porto Alegre : EDIPUCRS, 2013. 244 p.
  • [3] BROWN, Tim. Design Thinking: uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias. Rio de Janeiro. Elsevier, 2010
  • [4] CHRISTENSEN, Clayton M.; HORN, Michael B. & JOHNSON, Curtis W. Inovação na sala de aula: como a inovação disruptiva muda a forma de aprender. Tradução: Rodrigo Sardenberg. - Edição atual e ampliada. - Porto Alegre : Bookman, 2012. 228p.
  • [5] CHARLES, Sébastien In: LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004. 129 p.
  • [6] CURY, Marília Xavier. Exposição: concepção montagem e avaliação. São Paulo: Annablume, 2005. 160 p.
  • [7] DAMÁSIO, António R. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. Tradução: Dora Vicente, Georgina Segurado. - 3. ed. - São Paulo : Companhia das Letras, 2012.
  • [8] FERRARESI, Alex Antonio & MESACASA, Andréia & KISTMANN, Virginia Souza de Carvalho Borges. Inovação Tradicional e Design Driven Innovation: semelhanças e diferenças. In: e-Revista LOGO - v.6 n.2 2017 - ISSN 2238-2542
  • [9] FIGUEIREDO, Betânia Gonçalves & VIDAL, Diana Gonçalves. Museus: Dos gabinetes de curiosidades à museologia moderna. 2. ed. - Belo Horizonte, MG : Fino Traço, 2013. 252 p. ICOM, International Council of Museums. Resolutions adopted by ICOM's General Assembly 1946 Disponível em: Acesso em: 25/05/2020.
  • [10] JORDAN, P. Inclusive design. In: W.S. GREEN; P.W. JORDAN (eds.), Human factors in product design: Current practice and future trends. 1999b. London, Taylor & Francis, p. 171-181.
  • [11] LIPOVETSKY, Gilles. L’ère du vide, Paris, Gallimard, 1983, p II. In: A era do vazio. Tradução Miguel Serras Pereira & Ana Luísa Faria; Lisboa : Relógio D’Água, 1990.
  • [12] LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004. 129 p.
  • [13] NORMAN, Donald A. Design emocional: porque adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. Tradução de Ana Deiró. - Rio de Janeiro : Rocco, 2008.
  • [14] MACHADO, Andrea de Matos; MARIÑO, Suzi Maria; "Design emocional e museu interativo: um passeio pela Casa do Rio Vermelho", p. 5077-5089 . In: Anais do 13º Congresso Pesquisa e Desenvolvimento em Design (2018). São Paulo: Blucher, 2019.
  • [15] MACIEL, Hiléia Monteiro & TERÁN, Augusto Fachín. O potencial pedagógico dos espaços não formais da cidade de Manaus. 1. ed. - Curitiba, PR : CRV, 2014. 128p.
  • [16] RIBEIRO, Rafael. Design, emoção e objetologia: estudo contemporâneo sobre as relações de afeto entre o homem e os objetos – produtos. 2009. Dissertação (Mestrado em Design) – Pós Graduação do Departamento de Design, Arte e Moda, Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo.
  • [17] TERÁN, Augusto Fachín & SANTOS, Saulo Cézar Seiffert. Novas perspectivas do ensino de ciências em espaços não formais amazônicos. - 1 edição. - Manaus, AM : UEA Edições, 2013.
  • [18] TONETTO, Leandro Miletto & COSTA, Filipe Campelo Xavier da. Design Emocional: conceitos, abordagens e perspectivas de pesquisa. In: Strategic Design Research Journal, 4(3): 132-140 September-December 2011 ©2011 by Unisinos - doi: 10.4013/sdrj.2011.43.04
  • [19] VERGANTI, Roberto. Design-driven innovation: mudando as regras da competição: a inovação radical do significado de produtos. São Paulo: Canal Certo, 2012a.
Como citar:

Almeida, Rangel Benedito Sales de; Almeida, Marcelina das Graças de; "Do individualismo à coletividade: o designemocional na hipermodernidade", p. 776-790 . In: Anais do Colóquio Internacional de Design 2020. São Paulo: Blucher, 2020.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/cid2020-60

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações