Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

A tríade da perenidade: educação, tecnologia e plantas medicinais

A tríade da perenidade: educação, tecnologia e plantas medicinais

Maranhão, Charlson José de Albuquerque; Nascimento, Letícia Dal Santo do; Kuhl, Luciana; Donzelli, Lucivane Clarice Girotto; Radeski, Patricia;

Artigo:

O processo de educação é desafiado constantemente, pois, observa-se ao longo da história, o quanto a mesma passa por significativas mudanças, necessitando da implementação de ferramentas, técnicas e ações que possam desenvolver os indivíduos. A referida requer indivíduos atuantes realmente engajados com um propósito claro na busca pela melhoria contínua. Este estudo busca dimensionar uma estratégia prática para colocar os alunos em condição ativa, pesquisando, escrevendo e difundindo suas produções para ampliar e disseminar o saber. Desta forma, o estudante cria um compromisso com a aprendizagem e observa em seu contexto, o quanto ele pode contribuir e gerar resultados de forma empreendedora e sustentável ao ambiente ao qual está inserido. O presente estudo tem como proposta conscientizar, educar, informar e promover, especialmente aos mais jovens, o resgate dos saberes ancestrais da medicina popular e difundir ao longo das gerações, aliando conhecimento e tecnologia, para que este saber não se perca na história. Uma solução inovadora facilitará a difusão e tornará mais efetivo, instigante e atrativo sua prática e propagação. Como estratégia, elaborou-se uma Cartilha Ervas Medicinais com informações básicas sobre as ervas medicinais mais conhecidas e utilizadas na região Oeste de Santa Catarina. A mesma, pode ser levada aos ambientes educacionais promovendo a sabedoria e difusão do conhecimento. A tecnologia entra neste cenário no desenvolvimento de um QR Code adquirido junto a uma planta medicinal e assim seu portador terá acesso a um material que traz imagens, informações básicas, posologia e indicações para consumo e utilização das plantas medicinais.

Artigo:

O processo de educação é desafiado constantemente, pois, observa-se ao longo da história, o quanto a mesma passa por significativas mudanças, necessitando da implementação de ferramentas, técnicas e ações que possam desenvolver os indivíduos. A referida requer indivíduos atuantes realmente engajados com um propósito claro na busca pela melhoria contínua. Este estudo busca dimensionar uma estratégia prática para colocar os alunos em condição ativa, pesquisando, escrevendo e difundindo suas produções para ampliar e disseminar o saber. Desta forma, o estudante cria um compromisso com a aprendizagem e observa em seu contexto, o quanto ele pode contribuir e gerar resultados de forma empreendedora e sustentável ao ambiente ao qual está inserido. O presente estudo tem como proposta conscientizar, educar, informar e promover, especialmente aos mais jovens, o resgate dos saberes ancestrais da medicina popular e difundir ao longo das gerações, aliando conhecimento e tecnologia, para que este saber não se perca na história. Uma solução inovadora facilitará a difusão e tornará mais efetivo, instigante e atrativo sua prática e propagação. Como estratégia, elaborou-se uma Cartilha Ervas Medicinais com informações básicas sobre as ervas medicinais mais conhecidas e utilizadas na região Oeste de Santa Catarina. A mesma, pode ser levada aos ambientes educacionais promovendo a sabedoria e difusão do conhecimento. A tecnologia entra neste cenário no desenvolvimento de um QR Code adquirido junto a uma planta medicinal e assim seu portador terá acesso a um material que traz imagens, informações básicas, posologia e indicações para consumo e utilização das plantas medicinais.

Palavras-chave: Educação, Tecnologia, Plantas Medicinais e Sustentabilidade,

Palavras-chave: Educação, Tecnologia, Plantas Medicinais e Sustentabilidade,

DOI: 10.5151/eduforadacaixa-26

Referências bibliográficas
  • [1] ALVIM, N.A.T.; FERREIRA, M. de A.; CABRAL, I. E.; ALMEIDA FILHO, A. J. de. O uso de plantas medicinais como recurso terapêutico: das influências da formação profissional às implicações éticas e legais de sua aplicabilidade como extensão da prática de cuidar realizada pela enfermeira. Rev Latino-am Enfermagem 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n3/v14n3a03.pdf. Acesso em 07/03/2019.
  • [2] AMOROZO, M. C. de M. Uso e diversidade de plantas medicinais em santo Antônio de Leverger, MT, Brasil. Acta Botânica Brasilica, v. 16, n. 2, p.189-203, 200
  • [3] CARAVACA, H. Plantas que curam. Editora Virtual Books Online M&M Editores Ltda, 2000.
  • [4] DUNIAU, M. C. M. Plantas Medicinais: da Magia à Ciência. Brasport, 2003.
  • [5] GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA - SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE. Práticas Integrativas E Complementares Em Saúde. Disponível em: http://www.saude.sc.gov.br/index.php/resultado-busca/atencao-basica/10044-praticas-integrativas-e-complementares-em-saude. Acesso em 10/08/2019.
  • [6] GRANDI, T. S. M. Tratado das Plantas Medicinais Mineiras, Nativas e Cultivadas. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0Bz_AcmCaAL9eTmxjVS1rNllSekE/view?pref=2&pli=1. Acesso em 07/03/2019.
  • [7] HELMAN, C. G. Cultura, Saúde e Doença; tradução de Claudia Buchweitz e Pedro M Garcez. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2003.
  • [8] MAIOLI-AZEVEDO, V.; FONSECA-KRUEL, V. Plantas medicinais e ritualísticas vendidas em feiras livres no Município do Rio de Janeiro, RJ, Brasil: estudo de caso nas zonas Norte e Sul. Acta bot. bras 2007 . Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abb/v21n2/02.pdf. Acesso em 05/03/2019.
  • [9] MINISTÉRIO DA SAÚDE. Em Santa Catarina, 191 municípios utilizam práticas integrativas no tratamento de pacientes do SUS. Disponível em: http://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42819-em-santa-catarina-191-municipios-utilizam-praticas-integrativas-no-tratamento-de-pacientes-do-sus. Acesso em 10/08/201
  • [10] OLIVEIRA, C.J.; ARAÚJO, T.L. Plantas medicinais: usos e crenças de idosos portadores de hipertensão arterial. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 9, n. 1, p. 93- 105, 2007.
  • [11] RIGOTTI, M. Plantas medicinais, condimentares e aromáticas, propriedades e etnobotânica. Botucatu: Projeto A cura pelas plantas, 2009.
  • [12] SANTOS, L. L. dos; et al. Protótipo de uma horta medicinal escolar na forma de mandala. Programa de Pós Graduação em Promoção da Saúde. Maringá-Pr, Brasil. 2014.
  • [13] SILVA, I. et al. Noções sobre o organismo humano e utilização de plantas medicinais. Cascavel: Assoeste, 1995.
  • [14] VEIGA JR., V. F.; PINTO, A. C.; MACIEL, M. A. M. Plantas medicinais: Cura segura? Química Nova, v. 28, n. 3, p. 519-528, 2005.
Como citar:

Maranhão, Charlson José de Albuquerque; Nascimento, Letícia Dal Santo do; Kuhl, Luciana; Donzelli, Lucivane Clarice Girotto; Radeski, Patricia; "A tríade da perenidade: educação, tecnologia e plantas medicinais", p. 289-300 . In: Anais Inovação na educação - Pontes para futuros fora da caixa. Anais do III Encontro Internacional de Inovação na Educação e III ConheCER. São Paulo: Blucher, 2020.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/eduforadacaixa-26

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações