Maio 2018 vol. 4 num. 3 - Colóquio Internacional de Design 2017

Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Design, Identidade e Metodologias Participativas

Design, identity and participatory methodologies

Pessôa, Sâmela Suélen Martins Viana; Freitas, Álisson Valentim de; Nola, Luiz Henrique de Sena;

Artigo Completo:

O principal desafio do designer na contemporaneidade é desenvolver e suportar o desenvolvimento de soluções orientadas às questões de alta complexidade. O caráter mediador do design estabelece qualidade aos processos, sendo um fator central para a humanização de tecnologias e troca cultural. Desta forma, é preciso refletir sobre o desenvolvimento de novas ferramentas e métodos de trabalho que propiciem o diálogo e a inclusão de camadas sociais no processo de concepção de soluções que visem o atendimento das necessidades deste público. Para isso, o presente artigo irá apresentar a cidade como um contexto vivo que integra diferentes pessoas, hábitos e cultura. Nesse sentido, o designer tem um importante papel de contribuir para a valorização da identidade territorial, por meio de processos participativos quem podem estimular o senso de pertencimento. Assim, neste estudo, objetiva-se refletir sobre os procedimentos de coleta de informações que norteiam a ação de design com o intuito de discutir novas diretrizes para coleta da percepção e condução de ações que favoreçam a inserção dos usuários. Propõem-se assim, como procedimentos desse processo um fluxo dialético apoiado no conceito “flaneur ”, apresentado por Charles Baudelaire, que compreende um olhar perceptivo sobre o contexto e que neste estudo consiste na capacidade de olhar, ouvir e dar voz. Como objeto de estudo para essa reflexão, será apresentado um relato acerca do projeto: “praça de bolso do ciclista”, realizado na cidade de Curitiba / PR, em 2014. A ação utilizou de instrumentos participativos e que se tornam referência para o processo de design, pelo seu potencial de transmitir o senso de pertencimento e empoderamento à comunidade. Acredita-se assim, que formas criativas e participativas de se ocupar o espaço público podem contribuir para um novo pensamento diante do desafio da ressignificação, identidade e do senso de patrimônio coletivo na cidade. Nessa nova perspectiva, o designer se torna mais que um projetista, se apresenta como um agente de conexão e mediação entre a identificação de um problema e a busca por uma solução que considere amplas percepções de diferentes agentes inseridos no contexto da ação.

Artigo Completo:

The main challenge of the designer in the contemporaneity and development and development of solutions oriented to the questions of high complexity. The mediating character of design establishes quality processes, being a central factor for the humanization of technologies and cultural exchange. In this way, it is necessary to reflect on the development of new tools and working methods that foster dialogue and inclusion of social layers in the process of designing solutions that aim to meet the needs of this public. For this, the present article will present the city as a living context that integrates different people, habits and culture. In this sense, the designer has an important role to contribute to the valorization of the territorial identity, through participatory processes that can stimulate the sense of belonging. In this study, the objective is to reflect on the information gathering procedures that guide the design action with the intention of discussing new guidelines for collecting the perception and conducting actions that favor the insertion of the users. As procedures in this process, a dialectical flow supported by the concept "flaneur", presented by Charles Baudelaire, which includes a perceptive look at the context and which in this study consists of the ability to look, listen and give voice. As an object of study for this reflection, an account will be presented about the project: "pocket cyclist's square", held in the city of Curitiba / PR, in 2014. The action utilized participatory tools and they become reference for the design process, for its potential to convey the sense of belonging and empowerment to the community. It’s believed that creative and participative ways of occupying public space can contribute to a new thinking in the face of the challenge of resignification, identity and the sense of collective patrimony in the city. In this new perspective, the designer becomes more than a designer, presents himself as an agent of connection and mediation between the identification of a problem and the search for a solution that considers broad perceptions of different agents inserted in the context of the action.

Palavras-chave: identidade; território; design participativo; dar voz,

Palavras-chave: identity; territory; participatory design; giving voice,

DOI: 10.5151/cid2017-33

Referências bibliográficas
  • [1] ABREU, Simone Maria Brandão Marques de. Aspectos subjetivos relacionados ao design de ambientes: um desafio no processo projetual. Dissertação de mestrado - Programa de Pós-Graduação em Design da Universidade do Estado de Minas Gerais. Orientadora: Maria Regina Álvares Dias, 2015. 159 f.
  • [2] BENKLER, Yochai. The wealth of networks: how social production transforms markets and freedom. USA: Yale University Press, 2006. 515p.
  • [3] BORGES, A. Designer não é personal trainer e outros escritos. 2 ed. São Paulo: Edições Roari,200
  • [4] BOURDIEU, P. 1983. Gostos de classe e estilos de vida. In: Ortiz, R. (Org.); Fernandes, F. (Coord.). São Paulo: Ática, 1983.
  • [5] BRANDÃO, Pedro. Ética e profissões, no design urbano convicção, responsabilidade e interdisciplinaridade: Traços da Identidade Profissional no Desenho da Cidade. Tese apresentada para a colação de título de doutor orientada pelo Dr. A. Remesar. Doutorado Espaço Público e Regeneração urbana: arte e sociedade. departamento de escultura universidade de Barcelona.
  • [6] ELLWANGER, Daniele; NIEMEYER, Lucy; PONTE, Raquel. Design Social e Ética em Peirce. In: Colóquio Internacional de Design, Edição 2013 – Design para os povos.
  • [7] FERRARA, Lucrécia D’Aléssio. Leitura sem palavra. 5ª ed. São Paulo: Ática, 200
  • [8] FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir - História da violência nas prisões. 11ed. Ed. Vozes, Petrópolis, RJ. 1994.
  • [9] KANT, Emmanuel. Versão eletrônica do livro: Crítica da razão pura. São Paulo: Abril Cultural, 1980 (Os pensadores). Disponível em: . Acesso no dia 05 de julho de 2016.
  • [10] KRUCKEN, L. Competências para o design na sociedade contemporânea. Cadernos de Estudos Avançados em Design: Transversalidade / organização: Dijon De Moraes, Lia Krucken. - Barbacena: EdUEMG, 2008.
  • [11] ONO, M. M. Design, cultura e identidade, no contexto da globalização. Revista Design em foco, julho-dezembro, vol I, nº 001. Salvador: Universidade do Estado da Bahia, 2004.
  • [12] PESSOA, Sâmela S. M. V.; BASTANI, Kátia R. MORAIS, Mariana, A. Brincar e Criar: ambiente lúdico para uma brinquedoteca. In: Colóquio Internacional de Design, 2015.
  • [13] SCHNEIDER, B. Design – uma introdução: O design no contexto social, cultural e econômico. São Paulo: Blücher, 2010.
Como citar:

Pessôa, Sâmela Suélen Martins Viana; Freitas, Álisson Valentim de; Nola, Luiz Henrique de Sena; "Design, Identidade e Metodologias Participativas", p. 380-389 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2318-6968, ISBN: cid2017
DOI 10.5151/cid2017-33

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações