Maio 2018 vol. 4 num. 3 - Colóquio Internacional de Design 2017

Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

Design e o reconhecimento das práticas populares de confecção de mobiliário e objetos

Ferreira, Aline Cristina Morais; Marçal, Viviane Gomes;

Artigo Completo:

Pretende-se com este trabalho apresentar a relação entre as práticas populares de confecção de mobiliário e objetos concebidos a partir de materiais reutilizados com o design enquanto disciplina. As práticas populares têm como característica a reutilização de materiais. Também, se valem do método de consertar os artefatos com base no que se tem disponível, ao invés de descartá-los. Logo, utilizando-se desses meios, estas práticas contribuem para um ciclo sustentável, que na contemporaneidade vem se tornando uma preocupação inerente ao profissional do Design. É de interesse desse trabalho mencionar os resultados encontrados em um estudo de caso realizado no bairro do entorno do Instituto Federal de Minas Gerais, Campus Santa Luzia, Região Metropolitana de Belo Horizonte. O estudo visou analisar os métodos e técnicas que os indivíduos sem formação acadêmica em Design utilizam para solucionar ou até mesmo para criar, objetos e mobiliários a partir de materiais recuperados. Como resultado preliminar verifica-se que o indivíduo, quer seja por escassez de recursos ou por interesse na atividade manual é capaz de criar artefatos a partir de sua criatividade, e habilidade mesmo sem possuir o conhecimento formal do Design, bem como gerar soluções efetivas para materiais considerados não úteis. Considerando o Design enquanto uma área empenhada a melhorar a qualidade de vida do ser humano, tanto no âmbito residencial, quanto na geração de produtos, se faz necessário o estudo das práticas consideradas não convencionais, as
quais não são ensinadas na academia, para que o Design enquanto disciplina possa aprimorar seus métodos e técnicas com base no saber popular, visto que a originalidade e a inovação também estão presentes na produção não profissional, e as soluções geradas por meio das práticas das comunidades 
podem contribuir para sanar as reais demandas dos indivíduos em relação ao mobiliário e/ou objetos.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Práticas populares; mobiliário; objetos; sustentabilidade; inovação,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/cid2017-72

Referências bibliográficas
  • [1] ARAÚJO, Jailson de Souza; VETTORAZZI, Karlo Messa. A sustentabilidade de produtos e serviços enquanto pré-requisito ao consumo consciente. 2010. 109 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Direito, Revista de Direito Econômico e Socioambiental, Curitiba, 2010. BOUFLEUR, R. A questão da gambiarra: Formas Alternativas de Desenvolver Artefatos e sua relação com o Design, 2006, 153 p. São Paulo, Dissertação, Programa de Pós-graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. CAVALCANTE, Ana Luisa Boavista Lustosa; PRETO, Seila Cibele Sitta; PEREIRA, Francisco Antônio Fialho; Figueiredo, Luiz Fernando Gonçalves de. Design para a Sustentabilidade – um conceito interdisciplinar em construção. 2012. 252 f. Tese (Doutorado) - Curso de Projética Revista Científica de Design, Universidade Federal de Santa Catarina, Londrina, 2012. COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO - CMMAD. Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1988. DENIS, Rafael Cardoso. Uma introdução à história do design. 3. ed. totalmente rev. e ampl. São Paulo: E. Blücher, 2000. FUKUSHIMA, N. Dimensão social do design sustentável: contribuições do design vernacular da população de baixa renda. 2009. Dissertação (Mestrado em Design), Universidade Federal de Paraná, Programa de Pós‐graduação em Design, Curitiba, Brasil, 2009.
Como citar:

Ferreira, Aline Cristina Morais; Marçal, Viviane Gomes; "Design e o reconhecimento das práticas populares de confecção de mobiliário e objetos", p. 841-850 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2318-6968, ISBN: cid2017
DOI 10.5151/cid2017-72

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações