Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

DESIGN E CONSUMO: A INFLUÊNCIA DA MÍDIA SOBRE A OBESIDADE INFANTIL

Engler, Rita de Castro; Guimarães, Letícia Hilário; Lacerda, Ana Carolina Godinho de;

Artigo Completo:

A obesidade infantil pode ser caracterizada como umadoença crônica não transmissível, tendo alcançado níveis alarmantes no cenário contemporâneo.Esta doença já é considerada como epidemia mundial, sendo um problema de saúdepública. Desta forma se faz necessário analisar os fatores que influenciam esteaumento nos índices e refletir sobre o assunto. Neste panorama, a mídia possuigrande contribuição, ao criar o desejo de consumo principalmente por alimentosricos em açúcares, sódio e gorduras. O presente trabalho aborda as questõesreferentes à influência do design e da mídia, como indutora ao consumo e àobesidade infantil. Após revisão bibliográfica e pesquisa descritiva, busca-seproporcionar uma visão clara dos impactos do design, do consumo e da mídia acercado tema. Pra exemplificar a questão, faz-se a análise da propaganda do “McLancheFeliz - Angry Birds o filme”.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Design; Consumo; Obesidade Infantil,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0529

Referências bibliográficas
  • [1] ALMEIDA, S. S. et al. Quantidade e qualidade de produtos alimentícios anunciados na televisão brasileira. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 36, n. 3, p. 353-355, 2002.
  • [2] BAUDRILLARD. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 2005.
  • [3] CASTRO, Juliana de Oliveira. A PROPAGANDA DE “ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL” DO McDONALD’S. Brasília, 201 Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream/10483/5260/1/2013_JulianadeOliveiraCastro.pdf. Acesso em 10 Mai. 2016.
  • [4] DURDEN, T. Os verdadeiros motivos para se boicotar o McDonald’s. 30 jun. 2002. Disponível em: www.midiaindependente.org/en/red/2002/07/32961. shtml. Acesso em: 9 nov. 2007
  • [5] GALINDO, Daniel. Eatertainment: a divertida publicidade que alimenta o público infantil. Disponível em: ww.alaic.net/alaic30/ponencias/cartas/.../GT5_3GALINDO. Pdf
  • [6] GAMA, S.; CARVALHO, M.; CHAVES, C.R. Prevalência em crianças de fatores de risco para as doenças cardiovasculares. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 9, p. 2239 - 2245, set. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n9/25.pdf. Acesso em: 05 jun. 2015.
  • [7] GOMES, P. B. M. B. Mídia, imaginário de consumo e educação. In: Revista Educação & Sociedade, ano 22, n. 74, p. 191-207, abr. 2001.
  • [8] LINN, S. Crianças do consumo: infância roubada. Trad. Cristina Tognelli. São Paulo: Instituto Alana, 2006.
  • [9] LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio. Lisboa: Relógio d’água, 198
  • [10] ______. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
  • [11] Ministério da Saúde. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/. Acesso em 20 de Novembro de 2015.
  • [12] MOZOTA, Brigitte B. de; KLÖPSCH, Cássia; COSTA, Filipe C. Xavier da. Gestão do Design: Usando o Design para Construir Valor de Marca e Inovação Corporativa. Tradução: Lene Belon Ribeiro. Porto Alegre: Bookman. 2011.
  • [13] OMS. Ações sobre os determinantes sociais da saúde. Secretaria da comissão sobre determinante sociais da saúde. 2005. Disponível em: http://www.who.int/social. Acesso em 10 jan. 2015.
  • [14] PIETROCOLLA, L. G. Sociedade de consumo. São Paulo: Global, 1989.
  • [15] PL 5921. Disponível em: http://publicidadeinfantilnao.org.br/2015/06/07/10-motivos-para-nao-expor-as-criancas-a-publicidade/. Acesso em 01 Mai. 2016.
  • [16] RAMALHO, Viviane; RESENDE, Viviane de Melo. Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. Campinas: Pontes, 2011.
  • [17] SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.
  • [18] SANTOS, Andréia Mendes dos. Sociedade do Consumo: Criança e propaganda, uma relação que dá peso. Tese (doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade de Serviço Social. Programa de Pós-Graduação em Serviço Social. Porto Alegre, 2007. Disponível em: http://tede.pucrs.br/tde_arquivos/21/TDE-2007-05-25T182918Z-633/Publico/390388.pdf. Acesso em: 10 out. 2015.
  • [19] SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. Disponível em: http://www.cedei.unir.br/submenu_arquivos/761_1.1_u1_as_culturas_na_infancia.pdf. Acesso em 03 Mai. 2016
  • [20] SCHMIDT, Maria Inês; DUNCAN, Bruce Bartholow; SILVA, Gulnar Azevedo e; MENEZES, Ana Maria; MONTEIRO, Carlos Augusto; BARRETO, Sandhi Maria; CHOR, Dora; MENEZES, Paulo Rossi. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. Publicado Online 9 mai. de 2011. Disponível em: http://dms.ufpel.edu.br/ares/bitstream/handle/123456789/222/1%20%202011%20Doen%C3%A7as%20cr%C3%B4nicas%20n%C3%A3o%20transmiss%C3%ADveis%20no%20Brasil.pdf?sequence. Acesso em 13 Mai. 2016.
  • [21] SIBILIA, P. O show do eu: A intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.
  • [22] THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 2009.
  • [23] TORRES, Giselle; MOREIRA, Leticia; TAVARES, Frederico. Consumo, Identidade e Obesidade Infantil: Como a Publicidade produz o Imaginário da Criança no Mercado Brasileiro. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. In: Anais do XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Rio de Janeiro, 2015.
Como citar:

Engler, Rita de Castro; Guimarães, Letícia Hilário; Lacerda, Ana Carolina Godinho de; "DESIGN E CONSUMO: A INFLUÊNCIA DA MÍDIA SOBRE A OBESIDADE INFANTIL", p. 5625-5637 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0529

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações