Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

DESIGN DE MODA: PROTEÇÃO E DEFESA

Backx, Hugo Borges;

Artigo Completo:

As criações em design têm características compatíveis com a maioria das modalidades de proteção da propriedade intelectual. Entender corretamente o “fluxo” que estas percorrerem no sistema legal de direito autoral e propriedade industrial é importante para o designer. Contudo, é preciso haver o domínio de conteúdos de propriedade intelectual para uma visão mínima do sistema. O presente trabalho trata da classificação destes com vista a melhorar a compreensão do conjunto de modo sistematizado permitindo uma visão panorâmica dos institutos normativos segundo as características estéticas e técnicas das criações em design, com foco no setor de moda e na sua gestão como ativo.

Artigo selecionado para publicação na MODAPALAVRA  — Disponível em breve 

Artigo Completo:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0410

Referências bibliográficas
  • [1] ARGAN, G. C. Projeto e Destino. São Paulo: Ática, 2000
  • [2] BARBOSA, A. L. Sobre a propriedade do trabalho intelectual: uma perspectiva crítica. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1999.
  • [3] BONSIEPE, Gui. A tecnologia da tecnologia. São Paulo: Edgard Blüger, 198
  • [4] BONSIEPE, Gui. Teoría y Práctica del Diseño Industrial: elementos para una manualisítica crítica. Barcelona: Gustavo Gilli, Colección Comunicación Visual, 1978.
  • [5] BRANDÃO, M. B. A. Design não é ornamento. Rio de Janeiro: Revista da ABPI, ano II, nº 8, 1993.
  • [6] CERQUEIRA, J. G. Tratado da Propriedade Industrial. Rio de Janeiro: Lumen Juris, Vol. II, Tomo II, 2010.
  • [7] CERQUEIRA, J. G. Tratado da Propriedade Industrial. São Paulo: Revista dos Tribunais – RT, 1982.
  • [8] COOPER, R. e PRESS, M. The Design Agenda: a guide to successful design management. England: John Wiley & Sons, 2005.
  • [9] CUNHA, F. C. A proteção legal do design: propriedade industrial. Rio de Janeiro: Lucerna, 2000.
  • [10] DORFLES, G. As oscilações do gosto. Lisboa: Horizonte, 1989.
  • [11] GORZ, André. O Imaterial: conhecimento, valor e capital. Traduzido do francês por C. Azzan Jr. São Paulo: Annablume Editora, 2009.
  • [12] INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial. Disponível na internet por http em: . Diversos acessos.
  • [13] MARTÍNEZ, A. M. Criatividade, personalidade e educação. 3ª edição. Trad. Mayra Pinto. São Paulo: Papirus, 2003.
  • [14] MUNARI, B. A Arte como Ofício. Lisboa: Editorial Presença, 1993.
  • [15] OLIVEIRA, M. L. Propriedade Industrial: o âmbito de proteção à marca registrada. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2000.
  • [16] PACKARD, Vance. Estratégia do desperdício. Traduzido do inglês por A. Arruda. São Paulo: IBRASA, 1965.
  • [17] RAUSTIALA, Kal e SPRIGMAN, Christopher J. The Piracy Paradox: Innovation and Intellectual Property in Fashion Design. UCLA School of Law Research,USA, Virginia: Virginia Law Review, paper nº. 06-04, vol. 92, p. 1687, 2006. Disponível na internet por http em: . Acesso em 15 dez. 2011.
  • [18] RPI – Revista da Propriedade Industrial. Disponível na internet por http em: . Diversos acessos.
  • [19] SILVEIRA, N. A Propriedade Intelectual e a nova Lei de Propriedade Industrial (Lei nº 9.279, de 14-05-1996). São Paulo: Saraiva, 1996.
  • [20] SILVEIRA, N. Direito de Autor no Desenho Industrial. São Paulo: Revista dos Tribunais – RT, 1982.
  • [21] SOARES, J. C. T. “Concorrência Desleal” vs. “Trade Dress” e/ou “Conjunto-Imagem” (visual do objeto, do produto, de sua exteriorização e do estabelecimento). São Paulo: Ed. do Autor, 2004.
Como citar:

Backx, Hugo Borges; "DESIGN DE MODA: PROTEÇÃO E DEFESA", p. 4771-4783 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0410

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações