Dezembro 2020 vol. 8 num. 5 - Colóquio Internacional de Design 2020

Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Design de Base Popular: artefatos utilizados porvendedores ambulantes em São Luís (MA)

Popular Base Design: artifacts used by street vendors in São Luís (MA)

Macedo, Yrisvanya Joana Birino; Diniz, Raimundo Lopes;

Artigo completo:

O artigo busca mapear e categorizar os artefatos utilizados por vendedores ambulantes paracomercializar produtos e serviços, denominado de Design de Base Popular (DBP). Para tal, foramrealizados o levantamento e o mapeamento quanto a existência de artefatos relacionados ao DBP, pormeio de pesquisa de campo na região central de São Luís - MA. Gerou-se o perfil dos vendedoresambulantes e seu entendimento quanto aos artefatos, por meio de entrevistas semiestruturadas eobservação sistemática e, ainda, a categorização dos artefatos encontrados quanto à aplicabilidade eformas de uso. No geral, os vendedores são homens, de baixa escolaridade e renda, utilizando artefatosdesenvolvidos por eles mesmos, usados para vender produtos de consumo imediato. Os artefatos sãoproduzidos em materiais como madeiras (compensados, MDF), metais (ferro, alumínio), plásticos(poliestireno expandido, polietileno).

Artigo completo:

This study presents a survey and categorization about artifacts used by street vendors to sell productsand services in São Luis city, denominated ‘Popular Base Design (DBP)’. Interviews and fieldobservations were used to identify and prioritize the DBP and street vendors' perception about theartifacts used. Also, The artifacts were categorized by applicability (main function) and ways of use. Ingeneral, results presented that all vendors are male, having low levels of studies and remuneration.Usually, artifacts are produced in wood (plywood, MDF), metals (iron, aluminum) and polymermaterials (expanded polystyrene, polyethylene).

Palavras-chave: Design; Vendedores Ambulantes; Artefatos; Design de Base Popular,

Palavras-chave: Project; Street Vendors; Artifacts; Popular Base Design,

DOI: 10.5151/cid2020-37

Referências bibliográficas
  • [1] AMOAH-MENSAH, Aborampah. Street Vending and Competitive Advantage: Towards Building a Theoretical Framework. Qualitative Report, v. 21, n. 10, 2016.
  • [2] ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações sobre normas de alimentos. 2018. Disponível em:
  • [3] BHOWMIK, Sharit K. Street vendors in Asia: A review. Economic and political weekly, p. 2256-2264, 2005.
  • [4] BOUFLEUR, Rodrigo Naumann. A Questão Da Gambiarra: Formas Alternativas de Desenvolver Artefatos e Suas Relações Com o Design de Produtos. 2006. Dissertação, Programa de Pós-‐ graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • [5] BROMLEY, Ray. Street vending and public policy: a global review. International Journal of Sociology and Social Policy, 2000.CARDOSO, 2005).
  • [6] CHEN, Martha Alter et al. Supporting workers in the informal economy: A policy framework. Geneva: International Labour Office, 2002.COSTA, 2010).
  • [7] CROSS, John. Street vendors, and postmodernity: conflict and compromise in the global economy. International journal of sociology and social policy, 2000.
  • [8] DAVY, Jonathan et al. Analyses of Time Use in Informal Economy Workers Reveals Long Work Hours, Inadequate Rest and Time Poverty. In: Congress of the International Ergonomics Association. Springer, Cham, 201 p. 415-424.
  • [9] DEVICIENTI, Francesco et al. Informality and poverty: Are these processes dynamically interrelated? Evidence from Argentina. 200
  • [10] FRANCO, Cícera Rosária; UENO, Mariko. Comércio ambulante de alimentos: condições higiênicosanitárias nos pontos de venda em Taubaté-SP. Journal of Health Sciences, v. 12, n. 4, 20
  • [11] IBARRA, Maria Cristina; RIBEIRO, A. C. O design e a valorização do vernacular ou de práticas realizadas por não-designers. In: 11º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, Blucher Design Proceedings. 2014.
  • [12] IIDA, Itiro; BUARQUE, L. I. A. Ergonomia: projeto e produção. Editora Blucher, 2016. INPI.
  • [13] INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Classificação de produtos e serviços. Rio de Janeiro: Inpi - Instituto Nacional da Propriedade Industrial, 2018. Disponível em: . LIN, Shen. " We work like ants... we avoid being troublemakers": An exploratory inquiry on resilience of Chinese street vendors in the urban village. International Journal of Sociology and Social Policy, v. 38, n. 11-12, p. 1024-1040, 2018.
  • [14] LÖBACH, B. Design Industrial: bases para a configuração dos produtos industriais.1ª edição. São Paulo: Editora Edgard Blücher Ltda., 2001.
  • [15] LUND, Francie; ALFERS, Laura; SANTANA, Vilma. Towards an inclusive occupational health and safety for informal workers. New Solutions: A Journal of Environmental and Occupational Health Policy, v. 26, n. 2, p. 190-207, 2016.
  • [16] MALLON, Carolina; BORTOLOZO, Eliana Aparecida Fagundes Queiroz. Alimentos comercializados por ambulantes: uma questão de segurança alimentar. Publicatio UEPG: Ciências Biológicas e da Saúde, v. 10, n. 3, 2004.
  • [17] MENEZES FILHO, Naércio Aquino; MENDES, Marcos; ALMEIDA, Eduardo Simões de. O diferencial de salários formal-informal no Brasil: segmentação ou viés de seleção?. Revista brasileira de economia, v. 58, n. 2, p. 235-248, 2004.
  • [18] MITULLAH, Winnie V. Street vending in African cities: A synthesis of empirical finding from Kenya, Cote d'Ivoire, Ghana, Zimbabwe, Uganda and South Africa. 2003.
  • [19] NAIDOO, R. J.; KESSY, F.; MLINGI, L. Respiratory health of stone crushers from the informal sector in Tanzania. Occupational Health Southern Africa, v. 15, n. 6, p. 6-13, 2009.
  • [20] NAZIER, Hanan; RAMADAN, Racha. Informality and poverty: A causality dilemma with application to Egypt. Advances in Management & Applied Economics, v. 5, n. 4, p. 31- 60, 2015. OIT. Organização Internacional do Trabalho. Employment, income and inequality: a strategy for increasing productivity in Kenya. Genebra, 1972.
  • [21] SIBHAT, Ethiopia Etsubdink. Cause and effect of informal sector: the case of street vendors in Addis Ababa, Ethiopia. 2014. Dissertação de Mestrado.
  • [22] SINGER, Paul Israel; DE SOUZA, André Ricardo (Ed.). A economia solidária no Brasil: a autogestão como resposta ao desemprego. Editora Contexto, 2000.
  • [23] SOUZA, Giovanna Carbonera de et al. Comida de rua: avaliação das condições higiênico- sanitárias de manipuladores de alimentos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, p. 2329-2338, 2015.
  • [24] SRIVASTAVA, Pranjal. Vendor’s Problem: Problem Faced by Vegetable/Fruit Mobile Vendors. Summer Innovation School. Designing Innovative Technologies, 2015.
  • [25] THEODORO, Mário. As bases da política de apoio ao setor informal no Brasil. 2000. TRUONG, V. Dao. Tourism, poverty alleviation, and the informal economy: the street vendors of Hanoi, Vietnam. Tourism Recreation Research, v. 43, n. 1, p. 52-67, 2018.
  • [26] VALESE, Adriana. Design vernacular urbano: a produção de artefatos populares em São Paulo como estratégia de comunicação e inserção social. 2007. 107f. 2007. Tese de Doutorado. Dissertação (Programa de Pós-‐ graduação em Design e semiótica), São Paulo, Brasil.
  • [27] YATMO, Yandi Andri. Street vendors as ‘out of place urban elements. Journal of Urban Design, v. 13, n. 3, p. 387-402, 2008.
Como citar:

Macedo, Yrisvanya Joana Birino; Diniz, Raimundo Lopes; "Design de Base Popular: artefatos utilizados porvendedores ambulantes em São Luís (MA)", p. 478-492 . In: Anais do Colóquio Internacional de Design 2020. São Paulo: Blucher, 2020.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/cid2020-37

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações