Maio 2018 vol. 4 num. 3 - Colóquio Internacional de Design 2017

Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Design de Ambientes e as Metrópoles: uma leitura do contexto contemporâneo

Design of Environments and Metropolis: a reading of the contemporary context

Frossard, Gabriela Corrêa; Pessôa, Sâmela Suélen Martins Viana;

Artigo Completo:

Há um grande déficit habitacional no Brasil e, em questão, Belo Horizonte que reflete os números nacionais que alertam sobre um problema social vigente. Estimam-se que mais de 300 mil famílias vivam hoje na capital mineira em ocupações, favelas e aglomerados, representando 13% da população, índice superior ao da cidade de São Paulo. A desigualdade na distribuição do espaço urbano reflete nas chances desiguais de acesso, hierarquizando e segregando grupos, o que faz surgir segmentos sociais sem acesso aos serviços básicos de infraestrutura urbana. Em 2015, o Brasil foi considerado a 9ª maior Economia do mundo, mas ocupou a 79ª posição em desenvolvimento humano entre 187 países (ONU, 2014), evidenciando a existência de uma grande distância entre a prosperidade econômica e o progresso social. O design socialmente orientado contribui na configuração de uma nova ordem social, a partir do momento que entende a relação do cidadão, seu território e a formação de identidade. Designers são profissionais envolvidos num processo de habilidades criativas, seu trabalho envolve identificar problemas, fazer pesquisar, analisar, avaliar, sintetizar e, então, conceitualizar, testar e comunicar soluções. O designer é apto a identificar demandas na realidade que está inserido, levantar problemas, necessidades e trabalhar na busca por soluções socialmente aceitáveis e economicamente viáveis. Assim, o presente artigo se propõe a discutir o papel do design frente às questões sociais reais, elucidar conceitos como habitação, lugar, bem estar e pertencimento que estão intimamente ligadas ao ser humano e contextualizar o cenário das metrópoles no cotidiano brasileiro; levantar dados e evidenciar a vulnerabilidade no complexo processo da formação das cidades.

Artigo Completo:

There is a large housing deficit in Brazil, Belo Horizonte, reflecting the national numbers warning of a current social problem. It is estimated that more than 300,000 families live today in the capital of Minas Gerais in occupations, slum and agglomerates, representing 13% of the population, index higher than the city of São Paulo. The inequality in the distribution of the urban space reflects in the unequal access possibilities, hierarchizing and segregating groups, which brings out social segments without access to the basic services of urban infrastructure. In 2015, Brazil was considered the 9th largest economy in the world, but ranked 79th in human development among 187 countries (UN, 2014), evidencing the existence of a great gap between economic prosperity and social progress. The socially oriented design contributes to the configuration of a new social order, from the moment it understands the relation of the citizen, its territory and the formation of identity. Designers are professionals involved in a process of creative skills, their work involves identifying problems, doing research, analyzing, evaluating, synthesizing, and then conceptualizing, testing, and communicating solutions. The designer is able to identify demands in the reality that is inserted, raising problems, needs and working in the search for socially acceptable and economically viable solutions. Thus, the present article proposes to discuss the role of design in relation to real social issues, to elucidate concepts such as housing, place, well-being and belonging that are intimately linked to the human being and to contextualize the scenario of metropolises in Brazilian daily life, collect data and evidences of the vulnerability in the complex process of the formation of cities.

Palavras-chave: Design de Ambientes; Metrópoles; Aglomerados Subnormais; Habitação; Design Social,

Palavras-chave: Design of Environments; Metropolis; Subnormal Agglomerates; Housing; Social Design,

DOI: 10.5151/cid2017-24

Referências bibliográficas
  • [1] AMARAL, Ana Lúcia. Dicionário de Direitos Humanos: Pertencimento. ESMPU, 2006. Disponível em: , acesso em: 15 ago. 2016.
  • [2] BRANDÃO, Maria de Azevedo. Milton Santos: lugar, tempo, emoção. N.24/25, jan./dez. Salvador: CADERNO CRH, 1996, p.307-310.
  • [3] BRITO, Thabata Regina de Souza. Aplicação do design em projetos urbanos: estudo de caso da Vila São José. Belo Horizonte, 2015.
  • [4] CARVALHO, Inaiá Maria Moreira de. Globalização, metrópoles e crise social no Brasil. Santiago: EURE, v. 32, n. 95, 2006, p. 5-20.
  • [5] CASTRO, Maria Luiza Almeida Cunha de. Da Ética Construtivista à ética sustentável: a trajetória do design. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, v. 8, n. 1. Uberlândia, 2008.
  • [6] CAVALCANTE, Sylvia; ELALI, G. Psicologia Ambiental: entendendo as relações do homem com seu ambiente. Temas básicos em psicologia ambiental. Petrópolis: Editora Vozes, Campinas, SP: Alínea. Günther, H., & Pinheiro, JQ (2008). Academic Environmental Psychology in Brazil. Bulletin of People-Environment Studies (Autumn-Winter/2008), n. 34, 2011, p. 53-225.
  • [7] CAVALCANTE, Sylvia; ELIAS, Terezinha Façanha. Apropriação. Temas básicos em psicologia ambiental. Petrópolis: Editora Vozes, Campinas, SP: Alínea. Günther, H., & Pinheiro, JQ (2008). Academic Environmental Psychology in Brazil. Bulletin of People-Environment Studies (Autumn-Winter/2008), n. 34, 2011, p. 63-69.
  • [8] CAVALCANTE, Sylvia; NÓBREGA, Lana MA. Espaço e lugar. Temas básicos em Psicologia Ambiental. Petrópolis: Editora Vozes, Campinas, SP: Alínea. Günther, H., & Pinheiro, JQ (2008). Academic Environmental Psychology in Brazil. Bulletin of People-Environment Studies (Autumn-Winter/2008), n. 34, 2011, p.182-189.
  • [9] FARIA, Lucas Monteiro Rocha. Design‐ação: um estudo para viabilizar o design participativo na produção de objetos artesanais em um contexto de reclusão. 2015, 63 f. Monografia (Graduação em Design de Produto), Escola de Design da Universidade do Estado de Minas Geais, Belo Horizonte,2015.
  • [10] FORNASIER, Cleuza BR; MARTINS, Rosane FF; MERINO, Eugenio. Da responsabilidade social imposta ao design social movido pela razão. Santa Catarina, 2012.
  • [11] IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Aglomerados Subnormais: Informações territoriais. 2010. Disponível em: , acesso em: 25 maio 2016.
  • [12] MALAGUTI, Cyntia. Design e Valores Materializados - Cultura, ética e sustentabilidade. 2ª Ed. Barbacena: EdUEMG, 2013, p 33-34.
  • [13] MARICATO, Ermínia. Urbanismo na periferia do mundo globalizado: metrópoles brasileiras. São Paulo em perspectiva, v. 14, n. 4, 2000, p. 21-33.
  • [14] MINAYO, Maria Cecília de Souza; HARTZ, Zulmira Maria de Araújo; BUSS, Paulo Marchiori. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc saúde coletiva, v. 5, n. 1, 2000, p. 7-18.
  • [15] MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 4 ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 1996.
  • [16] MOREIRA, E. V.; HESPANHOL, R. A. de M. O lugar como uma construção social. Revista Formação, n⁰ 14 volume, 2007, p. 48‐60.
  • [17] MOURA, R; FIRKOWSKI, O. L. C. F. Metrópoles e regiões metropolitanas: o que isso tem em comum? In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 9, 2001. Anais. Rio de Janeiro: Associação Nacional de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, 2001.
  • [18] MOURÃO, A. R. T.; BOMFIM, Z. A. C. Identidade social urbana. Temas básicos de Psicologia Ambiental. Petrópolis: Editora Vozes, Campinas, SP: Alínea. Günther, H., & Pinheiro, JQ (2008).
  • [19] Academic Environmental Psychology in Brazil. Bulletin of People-Environment Studies (Autumn-Winter/2008), n. 34, 2011, p. 217-226.
  • [20] PAPANEK, Victor. Renovar as coisas e torná-las belas. In: CALÇADA, Ana; MENDES, Fernando; BARATA, Martins (Coord.). Design em aberto - uma antologia. Lisboa: Centro Português de Design, 1993.
  • [21] PAPANEK, Victor; FULLER, R. Buckminster. Design for the real world. London: Thames and Hudson, 1972.
  • [22] PAZMINO, Ana Verónica. Uma reflexão sobre design social, eco design e design sustentável. I Simpósio Brasileiro de Design Sustentável. Curitiba, 2007, p. 4-6.
  • [23] SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2002.
  • [24] SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico científico informacional. 2ª ed. São Paulo: HUCITEC, 1996, p.17
  • [25] SIQUEIRA, Mirlene Maria Matias; PADOVAM, Valquiria Aparecida Rossi. Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: teoria e pesquisa,
  • [26] v. 24, n. 2, 2008, p. 201-209.
  • [27] STICKDORN, Marc; SCHNEIDER, Jacob. Isto é design thinking de serviços. Porto Alegre: bookman, 2014.
  • [28] TOMBINI, D. A.; SAQUET, M.A.. Migração E Relação Campo-Cidade. Londrina: UEL VIII Seminário Estadual de Estudos Territoriais, III Jornada de Pesquisadores sobre a Questão Agrária Paranaense, 2015.
  • [29] VITTE, C. C. S. Cidadania, qualidade de vida e produção do espaço urbano: desafios para a gestão urbana e para o enfrentamento da questão social. In:População e Cidades: subsídios para o planejamento e para as políticas sociais / Rosana Baeninger (Org.). - Campinas: Núcleo de Estudos de População-Nepo/Unicamp; Brasília: UNFPA, 2010.
Como citar:

Frossard, Gabriela Corrêa; Pessôa, Sâmela Suélen Martins Viana; "Design de Ambientes e as Metrópoles: uma leitura do contexto contemporâneo", p. 278-288 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2318-6968, ISBN: cid2017
DOI 10.5151/cid2017-24

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações