setembro 2018 vol. 1 num. 5 - XXII Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Pôster - Open Access.

Idioma principal

DESAGUAMENTO, EM ESCALA DE BANCADA, DO LODO GERADO NO DECANTADOR DE EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA, UTILIZANDO LEITO DE DRENAGEM COM MANTA GEOTÊXTIL

NASCIMENTO, M. C; ABREU, J. C; MELGAR, L. Z; SILVA, J. K; OLIVEIRA, G. L. A; SANTOS, E. P. C. C;

Pôster:

No presente trabalho foi realizado um estudo, em escala de bancada,para avaliar a eficiência do desaguamento do lodo do decantador de uma estaçãode tratamento de água em Minas Gerais, utilizando um leito de drenagem de mantageotêxtil não tecida com densidade superficial de 600 g.m-2e abertura de 0,06 a 0,13μm. Durante os ensaios foram avaliadas duas taxas de aplicação de sólidos de 2,5kg·m-2e 5 kg·m-2. Os parâmetros quantificados tanto do lodo bruto, quanto doefluente gerado após o desaguamento foram:pH, turbidez, demanda química deoxigênio e sólidos. Diante dos resultados obtidos, pôde-se observar que houvediferença significativa, considerando um nível de significância de 5%, entre o lodobruto e o efluente gerado após o desaguamento para os valores de demandaquímica de oxigênio, turbidez e sólidos. A demanda química de oxigênio do lodobruto variou de 139,42 a 2.710,15 mg·L–1. Já para o drenado somente um valor ficouacima de 180 mg·L–1, valor esse, estabelecido como máximo pelo padrão delançamento de efluente de Minas Gerais, Resolução COPAM/CERH-MG Nº 1/2008. Aturbidez no lodo variou de 240 uT a 629 uT e de 2,51 a 83,5 uT para drenado. Já, asconcentrações de sólidos totais no lodo bruto variaram de 245 a 1.889 mg·L-1 e de1,0 a 46,7 mg·L-1 para os drenados. Tanto a turbidez, quanto a concentração desólidos totais dos drenados ficaram abaixo dos limites estabelecidos pela citadaResolução. Diante disso, pode-se considerar que o leito de desaguamento com amanta geotêxtil em escala de bancada mostrou-se eficiente para tratar o lodo dodecantador da estação de tratamento de água. 

Pôster:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/cobeq2018-PT.0438

Referências bibliográficas
  • [1] ACHON, C. L.; CORDEIRO, J. S. Gerenciamento de lodo de ETA - Remoção de água livre através de Leitos de secagem e Lagoas. Anais. Joinville: 22o Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, 2003. ACHON, C.L.; SOARES, L.V.; MEGDA, C.R. Impactos ambientais provocados pelo lançamento in natura de lodos provenientes de estações de tratamento de água. In: 23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Campo Grande, Mato Grosso do Sul, 2005. BRITES, C.R.C. Abordagem Multiobjetivo na Seleção de Sistemas de Reúso de Água em Irrigação Paisagística no Distrito Federal. Dissertação de Mestrado em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos, Publicação PTARH.DM-112/08, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 262p, 2008. KURODA, E. K.; SILVEIRA, C.; MACEDO, J. G.; LIMA, M. S. P.; KAWAHIGASHI, F.; BATISTA, A. D.; SILVA, S. M. C. P.; FERNANDES, F. Drenagem/secagem de lodo de decantadores de ETA em manta geotêxtil. Revista DAE, n. 194, p. 24-34, 2013. SILVEIRA, C. Desaguamento de lodo de estações de tratamento de aguas por leito de drenagem/secagem com manta geotêxtil. Londrina, Paraná, 2012.
Como citar:

NASCIMENTO, M. C; ABREU, J. C; MELGAR, L. Z; SILVA, J. K; OLIVEIRA, G. L. A; SANTOS, E. P. C. C; "DESAGUAMENTO, EM ESCALA DE BANCADA, DO LODO GERADO NO DECANTADOR DE EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA, UTILIZANDO LEITO DE DRENAGEM COM MANTA GEOTÊXTIL", p. 1642-1645 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/cobeq2018-PT.0438

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações