Julho 2017 vol. 4 num. 2 - IX SBEA + XV ENEEAmb + III FLES

Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

DEMANDA BIOQUÍMICA E QUÍMICA DE OXIGÊNIO NO RIO URAIM E O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PARAGOMINAS-PA

Giuliatti, Nathália Melo; Rodrigues, Ana Beatriz Matos; Brito, Vinycius Lima; Silva, Iran Abib Valente da; Pereira Junior, Antônio;

Artigo Completo:

A preservação e o reaproveitamento de recursos hídricos exigem a adequação dos parâmetros físico-químicos e biológicos da água à legislação ambiental vigente. Nesse sentido, esta pesquisa teve como objetivo analisar quantitativamente a demanda bioquímica de oxigênio – DBO e a demanda química de oxigênio – DQO, em 4.250 metros, a partir do ponto de captação de água na Estação de Tratamento de Água (área de menor urbanização) até o lado esquerdo da ponte da PA 125 (área de maior urbanização), Paragominas-PA, bem como relacionar a variação desses parâmetros ao número de habitantes entre esses dois locais. A metodologia empregada foi observativa, sistemática, direta e foram observados os protocolos de análise estabelecidos pelas NBRs 10739:1989 e 12614:1992. Os dados obtidos foram tratados com uso do software BioEstat 5.3 (AYRES et al., 2007), com base na estatística descritiva (média, desvio padrão e coeficiente de variação) e uso da correlação linear de Pearson. A análise dos dados obtidos indicou que tanto a DBO quanto a DQO mantêm-se nos limites máximos permitidos, de acordo com a Resolução n.357:2005, do Conselho Nacional de Meio Ambiente – CONAMA, e Chapman & Kimstach (1996), respectivamente. Constatou-se ainda que, quanto mais urbanizada a área que margeia o rio Uraim, maior a DBO e a DQO, o que é prejudicial aos ecossistemas aquáticos, isso em face da ausência de saneamento básico adequado no município.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Rio, Parâmetros físico-químicos, Habitantes, Correlação de Pearson,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/xveneeamb-094

Referências bibliográficas
  • [1] ABNT. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10739: determinação de oxigênio consumido: método do permanganato de potássio. Rio de Janeiro, 1989.
  • [2] __________________________________________________________. NBR 12614: determinação da demanda bioquímica de oxigênio (DBO): método de incubação (20ºC,
  • [3] cinco dias). Rio de Janeiro, 1992.
  • [4] AYRES, M. et al. Programa BioEstat 5.3. Aplicações Estatísticas nas Áreas das Ciências Biológicas e Biomédicas. Belém: Sociedade Civil Mamirauá, 2005.
  • [5] BASTOS, T. X. et al. Informações agroclimáticas do município de Paragominas para o planejamento agrícola. 2010. Disponível em: < https://ainfo.cnptia.embrapa.br/
  • [6] digital/bitstream/item/102368/1/Nilza4.pdf >. Acesso em: 21 abr. 2017.
  • [7] BITTENCOURT, H. R. Estatística Aplicada à Engenharia. Rio Grande do Sul: PUCRS, 2014. Disponível em: < http://www.feng.pucrs.br/professores/helio/Especializacao_em_Engenharia_de_Processos_e_de_Sistemas_de_Producao/Estatistica/Material_Helio_FINAL_2014.pdf>. Acesso em: 30 abr. 201
  • [8] BRANCO, S.M. Água: origem, uso e preservação. 2 ed. São Paulo: Moderna, 2010. 96 p.
  • [9] BRASIL. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece
  • [10] as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 18 mar, n. 53, p. 58-63.
  • [11] CHAMPMAN, D.; KIMSTACH, V. Selection of water quality variables.. In: WHO; UNESCO; UNEP (Org). Water Quality Assessments: A Guide to Use of Biota, Sediments and Water in Environmental Monitoring. Chapman Edition, E& FN Spon, London, 1996, 59-126.
  • [12] IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo 2010. 1 mapa interativo, color. Disponível em: < http://mapasinterativos.ibge.gov.br/grade/default.html>. Acesso em: 30 de abr. 2017.
  • [13] ___________________________________________________________. Cidades. 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 de abr. 2017.
  • [14] LAZZEREIS, S. A. F. Avaliação e monitoramento da qualidade do rio Alegria. Medianeira, 35 p., 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Gestão Ambiental em Municípios) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná.
  • [15] PINTO, A. et al. Diagnóstico Socioeconômico e Florestal do município de Paragominas. Relatório Técnico. Belém: Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia – Imazon. Disponível em: < http://imazon.org.br/PDFimazon/Portugues/outros/iagnostico-socioeconomico-e-florestal-do.pdf>. Acesso em: 21 abr. 2017. 65p.
  • [16] SANEPAR. AGÊNCIA DE SANEAMENTO DE PARAGOMINAS. Bacia do Uraim. 2014. Disponível em: < http://saneparagominas.com.br/agua/bacia_uraim/>. Acesso em: 21 abr. 2017.
  • [17] SCALIZE, P. S. et al. Correlação entre os valores de DBO e DQO no afluente e efluente de duas ETEs da cidade de Araraquara. 2003. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 20
  • [18] SHARMA, D.; KANSAL, A. Assessment of diffuse water pollution load from an urban catchment in India. Índia: Novatech, 2010. Disponível em: .
  • [19] Acesso em: 22 abr. 2017
Como citar:

Giuliatti, Nathália Melo; Rodrigues, Ana Beatriz Matos; Brito, Vinycius Lima; Silva, Iran Abib Valente da; Pereira Junior, Antônio; "DEMANDA BIOQUÍMICA E QUÍMICA DE OXIGÊNIO NO RIO URAIM E O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PARAGOMINAS-PA", p. 938-948 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/xveneeamb-094

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações