Artigo - Open Access.

Idioma principal

DE QUE FORMA A LEI DO BEM INCENTIVA A ATIVIDADE INOVATIVA DAS FIRMAS? UMA REFLEXÃO PARA EMPRESAS SELECIONADAS NO RIO GRANDE DO SUL

PADILHA, Fabiane; RUFFONI, Janaina;

Artigo:

O estudo objetiva compreender a influência da Lei do Bem na atividade inovativa da firma. Para tanto, foi realizado um estudo exploratório de múltiplos casos em firmas industriais do Rio Grande do Sul em 2015. Como resultados principais destacam-se: a tomada de decisão por inovar é determinada pela dinâmica de mercado e disponibilidade de recursos próprios das firmas; o uso do incentivo fiscal foi compreendido como um estimulador (e não determinante) à manutenção das atividades inovativas, as quais já faziam parte da rotina das firmas antes mesmo da obtenção do incentivo público; e não ficou demonstrada explicitamente a existência de um efeito de ‘soma’ de recursos públicos e privados pelas firmas para a geração da inovação.

Artigo:

The study aims to understand the influence of ‘Lei do Bem’ on innovative activity of the firm. Therefore, we performed a multiple case exploratory study in industrial firms of Rio Grande do Sul in 2015. The main results are: decision making for innovation is determined by market dynamics and availability of financial firm’s resources; the use of the tax incentive was understood as a stimulator (not determinant) the maintenance of innovative activities, which were already part of the firm’s routine before obtaining public incentives; and it was not explicitly demonstrated the existence of a 'sum' effect of public and private resources for firm’s generating innovation.

Palavras-chave: Incentivo Fiscal à Inovação. Inovação da Firma. Lei do Bem,

Palavras-chave: Tax Incentives for Innovation. Firm’s Innovation. ‘Lei do Bem’,

DOI: 10.5151/engpro-1enei-021

Referências bibliográficas
  • [1] ALVARENGA, G. V. Impactos dos fundos setoriais nas empresas: Novas perspectivas a partir da função dose-resposta. Dissertação de Mestrado, UNB/Brasília, 201
  • [2] ARAÚJO, B.C et al. Impactos dos fundos setoriais nas empresas. Texto para discussão número 1737. Rio de Janeiro, IPEA, 201
  • [3] AVELLAR, A.P. Avaliação de Políticas de Fomento à Inovação no Brasil: impacto dos incentivos fiscais e financeiros em 200 Tese de Doutorado, IE/UFRJ, 2007.
  • [4] ____________. Avaliação do impacto do PDTI sobre o gasto em atividades de inovação e em P&D das empresas industriais. (Cap.8). In: Negri J.A; Kubota, L.C. (orgs). Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica. Brasília, DF: IPEA, 2008.
  • [5] ____________. Avaliação de Políticas de Apoio à Inovação no Brasil: Impactos dos Incentivos Fiscais e Incentivos Financeiros. Prêmio CNI de Economia, 2008a.
  • [6] BRASIL. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 2014.
  • [7] _______. (2006). Lei nº 11.196 de 21 de novembro de 2005. Dos incentivos à inovação tecnológica. Capítulo III. Presidência da República. Disponível em: . Acesso em 14/09/2014.
  • [8] CALMANOVICI, Carlos Eduardo. A inovação, a competitividade e a projeção mundial das empresas brasileiras. Rev. USP [online]. 2011, n.89, pp. 190-203. ISSN 0103-9989.
  • [9] CASSIOLATO, José Eduardo; LASTRES, Helena M. Martins. Sistemas de inovação e desenvolvimento: as implicações de política. Revista São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 34-45, jan./mar. 2005.
  • [10] CASTRO, D.V.; LEAL, E.A.S.; LANNES, P.A.; REGIO, R.L.S. Políticas de incentivo à inovação: hipóteses para não adesão empresarial à Lei do Bem. IX Simpósio Excelência em Gestão e Tecnologia. Disponível em < http://www.aedb.br/seget/artigos12/37316729.pdf> Acesso em 01/08/2014.
  • [11] CCGE (2010). LIVRO AZUL. Livro Azul da 4ª Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável – Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia/Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2010.
  • [12] DOSI, G. (1984). Mudança Técnica e Transformação Industrial: a teoria e uma aplicação à indústria dos semicondutores. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2006.
  • [13] FURTADO, J. (2004) Padrões de inovação brasileira. Disponível em: . Acesso em 26/07/2015.
  • [14] GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4a ed. São Paulo: Atlas, 2008.
  • [15] GODOY, A.S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas (RAE). São Paulo, v. 35. Mar./Abr. 1995.
  • [16] GRIZENDI, E. Manual de orientações gerais sobre inovação. Ministério das Relações exteriores. Brasília, 2011.
  • [17] GUIMARÃES, E.A. Políticas de inovação: financiamento e incentivos. (Cap.4). In: Negri J.A; Kubota, L.C. (orgs). Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica. Brasília, DF: IPEA, 2008.
  • [18] IBGE (2011). PINTEC. Disponível em: Acesso: 07/09/2014.
  • [19] KANNEBLEY JR., S.; PORTO, G. Incentivos Fiscais à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil. Uma avaliação das Políticas Recentes. Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). 2012.
  • [20] LUNA, F.; MOREIRA S.; GONÇALVES A. Financiamento à inovação. (Cap. 5). In: Negri J.A; Kubota, L.C. (orgs). Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica. Brasília, DF: IPEA, 2008.
  • [21] MCTI (2007). Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais - ano base 2006. CAP. III DA LEI DO BEM - LEI Nº 11.196/05. Brasília – DF, dezembro 2007.
  • [22] ____ (2008). Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais - ano base 2007. CAP. III DA LEI DO BEM - LEI Nº 11.196/05. Brasília – DF, dezembro 2008.
  • [23] ____ (2009). Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais - ano base 2008. CAP. III DA LEI DO BEM - LEI Nº 11.196/05. Brasília – DF, dezembro 2009.
  • [24] ____ (2010). Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais - ano base 2009. CAP. III DA LEI DO BEM - LEI Nº 11.196/05. Brasília – DF, dezembro 2010.
  • [25] ____ (2011). Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais - ano base 2010. CAP. III DA LEI DO BEM - LEI Nº 11.196/05. Brasília – DF, dezembro 2011.
  • [26] ____ (2012). Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais - ano base 2011. CAP. III DA LEI DO BEM - LEI Nº 11.196/05. Brasília – DF, dezembro 2012.
  • [27] ____ (2013). Relatório anual da utilização dos incentivos fiscais - ano base 2012. CAP. III DA LEI DO BEM - LEI Nº 11.196/05. Brasília – DF, dezembro 2013.
  • [28] ____ (2013a). Formulário anual da utilização dos incentivos fiscais - ano base 2013.
  • [29] ____ (2015). Notícia sobre os Comitês de Auxílio Técnico (CATs). Disponível em: < http://www.mcti.gov.br/noticias/-/asset_publisher/IqV53KMvD5rY/content/nota-de-esclarecimento-da-setec-sobre-a-avaliacao-de-projetos-no-ambito-da-lei-do-bem>. Acesso em 10/06/2015.
  • [30] NELSON, R.; WINTER, S. (1982). Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2005.
  • [31] NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. (1995). Criação de conhecimento na empresa: Como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro, RJ: Editora Elsevier, 1997.
  • [32] OCDE (2002). Manual de Frascati: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. São Paulo: F-iniciativas, 2013. (para a tradução brasileira).
  • [33] _____ (2005). Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Rio de Janeiro: FINEP, 2005. (para a tradução brasileira).
  • [34] PACHECO, C.A. As reformas da política nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil (1999-2002). CEPAL. Santiago do Chile: 2002.
  • [35] ____________. Desafios da inovação: incentivos para a inovação: o que falta ao Brasil. Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI): 2010.
  • [36] PENROSE, E. The theory of the growth of the firm. Oxford: Basil Blackwell, 1959.
  • [37] Procuradoria Geral da Fazenda Nacional. (2015). Certidões de regularidade fiscal. Disponível em: . Acesso: 20/04/2015.
  • [38] QUEIROZ, S. (2006). Aprendizado Tecnológico. In PELAEZ, V.; SZMRECSÁNYI, T. Economia da Inovação Tecnológica. São Paulo: Hucitec.
  • [39] RAPINI, M. S. Padrão de financiamento aos investimentos em inovação no Brasil. Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, 2013.
  • [40] RFB (2011). Receita Federal do Brasil. Instrução Normativa IN nº 1.187/2011. Disciplina os incentivos fiscais à PD&I. Disponível em: . Acesso em 10/03/2015.
  • [41] ROCHA, F. Does governmental support to innovation have positive effect on R&D investments? Evidence from Brazil. Revista Brasileira de Inovação. Campinas (SP), 14, n. esp., p. 37-60, julho 2015.
  • [42] ROSENBERG, N. (1982). Por Dentro da Caixa-Preta: tecnologia e economia. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2006 (para a tradução brasileira).
  • [43] SALERNO, M.S.; KUBOTA, L.C. Estado e inovação. (Cap.1). In: Negri J.A; Kubota, L.C. (orgs). Políticas de Incentivo à Inovação Tecnológica. Brasília, DF: IPEA, 2008.
  • [44] SALERNO, M. S.; DAHER, T. Política industrial, tecnológica e de comércio exterior do governo federal (PITCE): Balanço e Perspectivas. Disponível em: . Acesso em: 08/09/2014.
  • [45] SALLES FILHO, S. Política de Ciência e Tecnologia no I PND (1972/74) e no I PBDCT (1973/74). Revista Brasileira de Inovação. Campinas (SP). Vol. 1. Número 2 Julho/Dezembro de 2002.
  • [46] _______________. Política de Ciência e Tecnologia no II PBDCT (1976). Revista Brasileira de Inovação. Campinas (SP). Vol. 2. Número 1 Janeiro/Junho de 2003.
  • [47] _______________. Política de Ciência e Tecnologia no III PBDCT (1980/85). Revista Brasileira de Inovação. Campinas (SP). Vol. 2. Número 2 Junho/Dezembro de 2003a.
  • [48] TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da Inovação, Porto Alegre: Bookman, 2008.
  • [49] TIGRE, P. B. Inovação e teorias da firma em três paradigmas. Revista de economia contemporânea. nº 3, 1998.
  • [50] VIOTTI, E. & MACEDO, M. (orgs.) (2003). Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Campinas, SP: Editora Unicamp.
  • [51] YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010.
  • [52] WEISZ, J. Mecanismos de apoio à Inovação Tecnológica. Brasília: SENAI 2006.
  • [53] ZAWISLAK, P. A.; BORGES, M; WEGNER, D; SANTOS, A.; CASTRO-LUCAS, C. Towards the Innovation Function. Disponível em: < http://www.jotmi.org/index.php/GT/article/view/art94/459 >. Acesso: 09/01/2014.
  • [54] ZUCOLOTO, G. F. Desenvolvimento tecnológico por origem de capital no Brasil: P&D, patentes e incentivos públicos. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009. 211 f. Tese (Doutorado em Economia). UFRJ, Rio de Janeiro: 2009.
  • [55] _______________. Lei do Bem: impactos nas atividades de P&D no Brasil. Revista Radar. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA 2010. Disponível em: < http://www.inova.unicamp.br/inovacao/report/inte-radar6-ipea_leidobem100322.pdf >. Acesso em 10/02/2015.
Como citar:

PADILHA, Fabiane; RUFFONI, Janaina; "DE QUE FORMA A LEI DO BEM INCENTIVA A ATIVIDADE INOVATIVA DAS FIRMAS? UMA REFLEXÃO PARA EMPRESAS SELECIONADAS NO RIO GRANDE DO SUL", p. 354-371 . In: Anais do 1º Encontro da Nacional de Economia Industrial e Inovação [=Blucher Engineering Proceedings, v.3 n.4]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-1enei-021

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações