Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

CONCEPÇÕES SOBRE ESTRATÉGIAS TRADUTÓRIAS: QUESTÕES LÉXICO-SEMÂNTICAS, MORFOSSINTÁTICAS E INTERCULTURAIS NO POEMA A BALADA DO CÁRCERE DE READING, DE OSCAR WILDE

ANJOS, Maria Elizete Pereira dos; PEREIRA, Ariovaldo Lopes;

Artigo Completo:

O presente artigo intenta apresentar reflexões acerca de estratégias utilizadas por estudantes no processo de tradução interlingual de textos para português. Para tanto foi realizada uma análise de atividade de tradução envolvendo professores de língua inglesa em formação do terceiro ano do curso licenciatura em Letras da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Câmpus Posse. A atividade girou em torno da tradução-compreensão de um fragmento do poema do autor irlandês Oscar Wilde, intitulado Balada do Cárcere de Reading, que compõe o livro Profundis, escrito na ocasião em que o autor esteve preso sob acusação de ferir a moral e a ética social por meio de práticas homossexuais. O resultado das observações foi apresentado em forma de texto descritivo e revela as nuanças por que passam os vocábulos no momento da tradução, demonstrando que os estudantes geralmente iniciam o processo tradutório apoiando-se em conhecimentos macrotextuais e posteriormente se baseiam em orientações léxico-semânticas, morfossintáticas e interculturais.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Tradução; Estratégias tradutórias; Língua inglesa,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-041

Referências bibliográficas
  • [1] ALVES, Fábio. Estratégia de busca de internos: memória e mecanismos inferenciais. . In: PAGANO, Adriana, MAGALHÃES, Célia, ALVES, Fábio. (org). Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação. 4.ed- São Paulo: Contexto: 2014.
  • [2] BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
  • [3] BASSNETT, S.; TRIVEDI, H. (eds.). Post-colonial Translation: theory and practice. London: Routledge, 1999. BELL, R. Translation
  • [4] BEZERRA, Paulo. A tradução como criação. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010340142012000300007&script=sci_arttext. Acesso em 25 de janeiro/ 2015.
  • [5] GOROVITZ, Sabine, A tradução enquanto situação de passagem. In.: BELL, Santos, CYNTHIA Ann, ROSCOE-BESSA, Cristiane, HATJE-FAGGION, Válmi (org).Tradução e Cultura, Rio de Janeiro: 7 Letras, 2011.
  • [6] JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 2008.
  • [7] KATAN, David. Translating cultures: an introduction for translators, interpreters, and mediator. 2 nd ed. Manchster, UK: St. Jorome Publishing , 2004.
  • [8] LEVEFERE, Andre. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Bauru: Edusc, 2007
  • [9] Nida, Eugene A. Toward a science of translating. Leiden: E. J. Brill.1964. In RODRIGUES, Cristina Carneiro. Tradução e diferença. São Pulo: Editora UNESP, 2000.
  • [10] OUSTINOFF, Michael. Tradução: Histórias, teorias e métodos. Tradução: Marcos Marcionilo, São Paulo: Parábola Editorial, 2011.
  • [11] PAGANO, Adriana. Estratégia de busca de externos: fontes textuais e recursos computacionais. In: PAGANO, Adriana, MAGALHÃES, Célia, ALVES, Fábio. (org). Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação. 4.ed- São Paulo: Contexto: 2014.
Como citar:

ANJOS, Maria Elizete Pereira dos; PEREIRA, Ariovaldo Lopes; "CONCEPÇÕES SOBRE ESTRATÉGIAS TRADUTÓRIAS: QUESTÕES LÉXICO-SEMÂNTICAS, MORFOSSINTÁTICAS E INTERCULTURAIS NO POEMA A BALADA DO CÁRCERE DE READING, DE OSCAR WILDE", p. 520-530 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-041

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações