Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Catching up ou falling behind? As transformações na estrutura produtiva brasileira em perspectiva comparada à indústria global entre 1995 e 2014

Catching up or falling behind? Brazilian productive structure transformations compared to global industry between 1995 and 2014

GOMES, Guilherme Nascimento; DIEGUES, Antonio Carlos;

Artigo Completo:

Este trabalho analisa as transformações na estrutura produtiva brasileira entre 1995 e 2014 em perspectiva comparada a Estados Unidos, Alemanha, Japão, China e México. Busca-se contribuir para a literatura ao se avaliar, por meio das dimensões produtiva e tecnológica, o grau de aproximação (catching up) ou distanciamento (falling behind) da indústria brasileira face à fronteira internacional. Para tal, parte-se da hipótese de que a constituição de Redes Globais de Produção tem levado a um fenômeno de desindustrialização generalizada (com exceção do leste e sudeste asiáticos), e assim condicionado as possibilidades de desenvolvimento produtivo brasileiro. Como principais resultados constata-se que há um distanciamento da economia brasileira em relação à fronteira internacional nas dimensões produtiva e tecnológica. Mostra-se também que há um aumento no hiato de produtividade (falling behind) entre as estruturas produtivas de quase todos os países selecionados em relação à indústria americana, com exceção da China.

Artigo Completo:

This paper analyzes Brazilian productive structure transformations, compared to the United States, Germany, Japan, China and Mexico, between 1995 and 2014. It contributes to the literature measuring the degree of productive and technological approaching (catching up) or distancing (falling behind) of the Brazilian industry compared to the international benchmarking. The hypothesis is that constitution of Global Production Networks has led to a phenomenon of generalized deindustrialization (with the exception of East and Southeast Asia), and thus conditioned the possibilities of Brazilian productive development. The main results show a distancing of the Brazilian economy in relation to the international frontier in the productive and technological dimensions. It has also been shown that there is an increase in the productivity gap between the productive structures of almost all the selected countries in relation to the American industry, with the exception of China.

Palavras-chave: Desindustrialização, Redes Globais de Produção, Catching up, Falling Behind,

Palavras-chave: Deindustrialization, Global Production Networks, Catching up, Falling Behind,

DOI: 10.5151/enei2017-28

Referências bibliográficas
  • [1] AREND, Marcelo. A industrialização do Brasil ante a nova divisão internacional do trabalho. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2015.
  • [2] AREND, M.; CEZAR, P.; FONSECA, D. 25 anos de catching up , 25 anos de falling behind. Revista de Economia Política, v. 32, n. 126, p. 33–54, 201
  • [3] BELL, M.; FIGUEIREDO, P.N. Building innovative capabilities in latecomer emerging market firms: some key issues. In: CANTWELL, J., ED AMANN, (Org.). Innovative Firms in Emerging Market Countries. Oxford: Oxford University Press, 2012. p. 24-109.
  • [4] COUTINHO, L. A terceira revolução industrial e tecnológica: as grandes tendências de mudança. Economia e sociedade, v. 1, n. 8, p. 69-87, 1992.
  • [5] ERNST, D.; KIM, L. “Global production networks, knowledge diffusion, and local capability formation”. Research Policy, n. 31, p. 1417-1429, 2002.
  • [6] EUROPEAN COMMISSION – EC. European Competitiveness Report: Towards Knowledge-driven Reindustrialisation. Commission Staff Working Document, 2013.
  • [7] GEREFFI, G. International trade and industrial upgrading in the apparel commodity chain. Journal of international economics, v. 48, n. 1, p. 37-70, 1999.
  • [8] GEREFFI, G. Development Models and Industrial Upgrading in China and Mexico. European Sociological Review, v. 25, n. 1, p. 37–51, 2009.
  • [9] GEREFFI, G; HUMPHREY, J; STURGEON, T. The governance of global value chains. Review of international political economy, v. 12, n. 1, p. 78-104, 2005.
  • [10] HIRATUKA, C; SARTI, F. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil. Rev. Econ. Polit. 2017, vol.37, n.1, pp.189-207.
  • [11] HIRATUKA, C. A reorganização das empresas transnacionais e sua influência sobre o comércio internacional no período recente. In: ACIOLY, L.; LEÃO, R. F.(orgs.) Comércio Internacional: aspectos teóricos e as experiências indiana e chinesa. Brasília: Ipea, 2010.
  • [12] LAZONICK, W; O'SULLIVAN, M. Maximizing shareholder value: a new ideology for corporate governance. Economy and society, v. 29, n. 1, p. 13-35, 2000.
  • [13] LEÃO, R.P.F. O padrão de acumulação e o desenvolvimento econômico da China nas últimas três décadas: uma interpretação. 2010. 192 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Estadual de Campinas.
  • [14] LEE, K.; LIM, C. Technological regimes, catching-up and leapfrogging: findings from the Korean industries. Research Policy, v. 30, n. 3, p. 459–483, 2001.
  • [15] MCMILLAN, M. S.; RODRIK, D. Globalization, structural change and productivity growth. National Bureau of Economic Research, 2011
  • [16] MEDEIROS, C. A. A China como um duplo pólo na economia mundial e a recentralização da economia asiática. Revista de economia política, v. 26, n. 3, p. 381-400, 2006.
  • [17] MEDEIROS, C. A. Globalização e inserção internacional diferenciada na Ásia e América Latina, In: Tavares, M. C. e Fiori, J. L., eds., Poder e Dinheiro. Petrópolis: Vozes, 1997.
  • [18] ORGANIZATION FOR ECONOMIC COOPERATION AND DEVELOPMENT - OECD. Structural Adjustment and Economic Performance. Paris: Organization for Economic Cooperation and Development, 1987.
  • [19] OLIVEIRA, G. C. O Estado e A Inserção Ativa na Economia: A Estratégia de Desenvolvimento Econômico da China. Disponível em . Acesso em 11 nov. 2015.
  • [20] PALMA, José Gabriel. Quatro fontes de desindustrialização e um novo conceito de doença holandesa. In: Conferência de Industrialização, desindustrialização e desenvolvimento. Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, 2005.
  • [21] PEREZ, C. Technological revolutions and techno-economic paradigms. Cambridge journal of economics, v.34, n.1, p.185-202, 2009.
  • [22] PEREZ, C.; SOETE, L. Catching up in technology: entry barriers and windows of opportunity. In: DOSI, G. et al. (Org.). Technical change and economic theory. London: Pinter, 1988.
  • [23] STURGEON, et. al. O Brasil nas cadeias globais de valor: implicações para a política industrial e de comércio. 2013. Disponível em . Acesso em 30 out. 2015.
  • [24] STURGEON, T. J. Modular Production Networks: A New American Model of Industrial Organization. Industrial and Corporate Change, v. 11, n. 3, p. 451- 496, 2002.
  • [25] UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT – UNCTAD. Trade and Development Report: Structural transformation for inclusive and sustained growth. United Nations: New York and Geneva, 2016.
Como citar:

GOMES, Guilherme Nascimento; DIEGUES, Antonio Carlos; "Catching up ou falling behind? As transformações na estrutura produtiva brasileira em perspectiva comparada à indústria global entre 1995 e 2014", p. 492-507 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2017-28

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações