Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Brinquedos, memória e o design afetivo: possibilidades para o atual cotidiano

Building affectivity in human experience

Oliveira, Ana Célia Carneiro; Mourão , Nadja Maria;

Artigo :

"O brinquedo é o cerne da infância, indispensável à saúde física, emocional e intelectual. Representa uma realidade cultural de uma sociedade, ao mesmo tempo em que proporciona uma perspectiva de mundo para a criança. Nesta pesquisa, buscou-se conhecer e analisar as relações que possam existir entre os brinquedos, memória e o design afetivo, como possibilidades para vivências humanas no contexto pandêmico atual. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório em contextos temáticos. O método de coleta de dados se apresenta em pesquisa bibliográfica, participativa e registros fotográficos. Buscaram-se as fundamentações em autores que abordam as temáticas. Desta forma, observou-se que o design afetivo se refere às emoções humanas e sua influência na forma em que o ser humano compreende e se relaciona com aos artefatos. A memória é a capacidade de adquirir, armazenar e recuperar informação e fatos obtidos através de experiências. Estas experiências podem ser ouvidas ou vividas e repassadas às novas gerações por meio de recursos como: escrita, voz, música, imagem, entre outros. Em análises, observou-se que no mundo atual, onde há consequências do isolamento social causado pela pandemia do Covid.19, surgiram estímulos para as relações familiares em casa. É importante considerar também que o ambiente familiar é um território de formação de memórias. O produto e o espaço se tornam afetivos a partir do momento que eles adquirem importância para o usuário, a ponto de ele desenvolver relações de afeto. Os brinquedos vivenciados com familiares, em suas residências, podem estimular as relações de afetividade e memórias compartilhadas. Assim, em um lar de experiências alegres e divertidas torna-se saudável, onde é possível estruturar o bem-estar entre adultos e crianças de forma segura e confiante. "

Artigo :

The toy is the core of childhood, indispensable to physical, emotional, and intellectual health. It represents a cultural reality of a society, while providing a world perspective for the child. In this research, we sought to know and analyze the relationships that may exist between toys, memory, and affective design, as possibilities for human experiences in the current pandemic context. This is a qualitative research of exploratory character in thematic contexts. The data collection method is presented in bibliographic and participatory research, and photographic records. The foundations were sought in authors who approach the themes. Thus, it was observed that affective design refers to human emotions and their influence on the way human beings understand and relate to artifacts. Memory is the ability to acquire, store, and retrieve information and facts obtained through experiences. These experiences can be heard or lived and passed on to new generations through resources such as: writing, voice, music, image, among others. In reviews, it has been observed that in today's world, where there are consequences of the social isolation caused by the Covid.19 pandemic, stimuli for family relationships at home have arisen. It is also important to consider that the family environment is a territory of memory formation. The product and the space become affective from the moment they acquire importance for the user, to the point that he or she develops affectionate relationships. The toys experienced with family members, in their homes, can stimulate relationships of affection and shared memories. Thus, in a home of joyful and fun experiences becomes healthy, where it is possible to structure the well-being between adults and children in a safe and confident way.

Palavras-chave: Brinquedo; memória; design afetivo; cotidiano; pandemia,

Palavras-chave: Toy; memory; affective design; everyday life; pandemic,

DOI: 10.5151/jopdesign2021-28

Referências bibliográficas
  • [1] "AFFECTIVEDESIGN. The Influence of Emotional Affect. 2006. Disponível em: http://www.affectivedesign.org/archives/30. Acesso em: 30 maio 202
  • [2] ALMEIDA, A. R. S. O que é afetividade? Reflexões para um conceito. Anais da XXIV Reunião Anual da ANPEd, 2001.
  • [3] BARROS, M. de. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2010.
  • [4] BENJAMIN, W. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2002.
  • [5] BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez, 2010.
  • [6] DAMAZIO, V. Design e Emoção: alguns pensamentos sobre artefatos de memória. In: 7° Congresso de Pesquisa & Desenvolvimento em Design. Paraná: Anais, 200
  • [7] FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3a ed., Tradução J. E. Costa. São Paulo: Artmed, 2009.
  • [8] GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. In: Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas, 2010.
  • [9] HAESBAERT, R. Precarização, reclusão e “exclusão” territorial. Terra Livre. São Paulo, v. 2, n. 23, p.35-51, 2004.
  • [10] LAZAROTTO, Aline Fátima. Por uma cultura do brincar: experiências do Projeto de Extensão Pedagogia na Rua. Caminho Aberto – Revista de Extensão do IFSC, ano 3, nº 4, julho 2016.
  • [11] LE BRETON, David. As paixões ordinárias. Antropologia das emoções. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2009.
  • [12] LE GOFF, Jacques. História e memória. 5. ed. Campinas, SP: UNICAMP, 2003.
  • [13] LEITE, P. P. Olhares Biográficos: A Poética da Intersubjetividade em museologia. Lisboa: Marca d’Agua, 2012.
  • [14] LIRA, A. C. M. Atos brinquedo: história, cultura, indústria e educação de pesquisa em educação – PPGE/ME FURB ISSN 1809– 0354 v. 4, nº 3, p. 507-525, set./dez. 2009.
  • [15] MACIEL, R. C. Ibituruna! A marca de um território: design e identidade em apropriações simbólicas da paisagem em Governador Valadares. 2011. 197 f. Dissertação (Programa de Mestrado em Gestão Integrada do Território) - Núcleo de Estudos Históricos e Territoriais – NEHT da Universidade Vale do Rio Doce, Governador Valadares, 2011.
  • [16] MENEZES, C. S. Design & emoção: sobre a relação afetiva das pessoas com os objetos usados pela primeira vez. Mestrado em Design, Departamento de Artes & Design da PUC-Rio: Rio de Janeiro, 2007.
  • [17] MOURÃO, N. M.; OLIVEIRA, A. C. C. Cultura afetiva: a construção do ser brincante no contexto urbano externo. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, V. 06, ed. especial, artigo nº 1789, e-ISSN: 2525-7870, mar./2020.
  • [18] OLIVEIRA, A. C. C.; MOURÃO, N. M.; CARVALHO, M. F. D. A. Brinquedos biográficos: memória de práticas lúdicas. In: IX Mestres e Conselheiros - Agentes Multiplicadores do Patrimônio, 2017, Belo Horizonte. Anais do IX Mestres E Conselheiros. v. 1. p. 01-12. Belo Horizonte: UFMG, 2017.
  • [19] OLIVEIRA, I.; GEBARA, A. Interação, afeto e construção de sentidos entre crianças na brinquedoteca, Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 36, n.1, p. 373-387, jan./abr. 2010.
  • [20] OLIVEIRA, M. Apego afetivo à máquina (ou: relações objetais que são ""objetais"" mesmo!). In: Food for Thought. 2014. Disponível em: http://marco-oliveira.com.br/blog/tag/apego-aos-objetos. Acesso em: 30 maio 2021.
  • [21] PIAGET, J. A. A psicologia da criança. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,1998.
  • [22] PINO, A. Afetividade e vida de relação. 1998. Texto do curso “Seminários Avançados em Psicologia da Educação” oferecido pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UNICAMP, Campinas, 1998.
  • [23] PORTO, Íris Maria Ribeiro. Brincar é coisa séria?: um estudo do brinquedo na cultura da modernidade. Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Belém, 2007. (Tese)
  • [24] RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.
  • [25] RUSSO, B.; HEKKERT, P. Sobre amar um produto: os princípios fundamentais. Rio de Janeiro: Mauad Editora Ltda, 2008.
  • [26] SANTOS, B. S. A Crítica da Razão Indolente: Contra o desperdício da Experiencia, Porto, Edições Afrontamento, 2002.
  • [27] SANTOS, F.; RUBIO, J. de A. S. Afetividade: Abordagem no Desenvolvimento da Aprendizagem no Ensino Fundamental-Uma Contribuição Teórica. Revista Eletrônica Saberes da Educação, v. 3, n. 1, 2012.
  • [28] TUAN, Yi-Fu. Espaço e Lugar a perspectiva da experiência. São Paulo/Rio de Janeiro, DIFEL, 1983. (1ª ed. norte-americana: Space and Place: the perspective of experience. Minneapolis, University of Minnesota Press, 1977).
  • [29] VOLPATO, G. Jogo e brinquedo: reflexões a partir da teoria crítica. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 07 de maio de 2017.
  • [30] VON, C. A História do Brinquedo: para as crianças conhecerem e os adultos se lembrarem. São Paulo: Alegro, 2001.
  • [31] WALLON, H. Psicologia e educação da infância. Lisboa: Estampa, 1975.
  • [32] "
Como citar:

Oliveira, Ana Célia Carneiro; Mourão , Nadja Maria; "Brinquedos, memória e o design afetivo: possibilidades para o atual cotidiano", p. 237-246 . In: Anais da II Jornada de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Design - UFMA. São Paulo: Blucher, 2021.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/jopdesign2021-28

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações