Artigo - Open Access.

Idioma principal

Brasil-China: uma integração produtiva virtuosa?

Diegues Jr, Antônio Carlos; Mortari, Valéria Silva; Araújo, Caroline Giusti de;

Artigo:

Este trabalho tem por objetivo analisar os benefícios bilaterais gerados a partir da relação comercial entre os países Brasil e China. Entende-se, como argumento central, que as transformações estruturais vivenciadas por cada país nas últimas décadas serão fatores condicionantes dos resultados encontrados. O método utilizado foi a análise insumo-produto pelo cálculo do multiplicador inter-regional, o qual permite mensurar o estimulo direto e indireto gerado pela produção setorial – indústria e serviços – chinesa sobre a economia brasileira e vice-versa, entre 2000 e 2014. Os resultados mostraram que os estímulos promovidos pela produção brasileira sobre a chinesa são maiores que o inverso. Dessa forma, entende-se que há uma assimetria no posicionamento das economias em benefício a economia chinesa. No entanto, argumenta-se que o problema desta integração comercial não está na abertura comercial, mas sim na falta de articulação das políticas brasileiras voltada ao longo prazo, isto é, políticas que permitam o país aproveitar-se dessa nova divisão do trabalho. Reitera-se que esse arcabouço pode levar a uma nova subordinação da economia brasileira as intempéries internacionais.

Artigo:

Palavras-chave: Brasil, China, Integração comercial, Insumo-produto,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/enei2018-03

Referências bibliográficas
  • [1] ACIOLY, L. et al. As relações bilaterais Brasil-China: a ascensão da China no sistema mundial e os desafios para o Brasil. 2011 ALTEMANI DE OLIVEIRA, H. Brasil e China: uma nova aliança não escrita? Revista Brasileira de Política Internacional, v. 53, n. 2, 2010. BAUMANN, Renato; CEPAL, N. U. Brasil: uma década em transição. 1999. AREND, Marcelo. A industrialização do Brasil ante a nova divisão internacional do trabalho. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2015. BECARD, D. S.O que esperar das relações Brasil-China?. Revista de Sociologia e Política, v. 19, n. Supl., 201 BRESSER-PEREIRA, L. C.; MARCONI, N. Doença holandesa e desindustrialização. Valor Econômico, v. 25, 2009. BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; MARCONI, N. Existe Doença Holandesa no Brasil? In: BRESSER-PEREIRA, L. C. (Org.). Doença holandesa e indústria (coletânea). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos (2010). Brasil vive desindustrialização. Folha de S. Paulo, 2010. CANO, W. A desindustrialização no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, Número Especial, p. 831-85 2012. CARVALHO, Veridiana Ramos da Silva. A restrição externa e a perda de dinamismo da economia brasileira: investigando as relações entre estrutura produtiva e crescimento econômico. 2007. CORRÊA, L. M.; PINTO, E. C.; CASTILHO, M. Mapeamento dos padrões de atuação dos países nas Cadeias Globais de Valor e os ganhos em termos de mudança estrutural. Texto para discussão. Rio de Janeiro, 2016. CUNHA, A. M.; BICHARA, J. S.; MONSUETO, S. E.; LELIS, M. T. C. Impactos da ascensão da China sobre a economia brasileira: comércio e convergência cíclica. Rev. Econ. Contemp., Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 406-440, 201 DE NEGRI, F. Conteúdo tecnológico do comércio exterior brasileiro: o papel das empresas estrangeiras. Texto para discussão – IPEA, 2005. DIAS, F. A. R; PORSSE, A. A.; DE OLIVEIRA G.Cadeias Globais De Valor E Complexidade: Uma Análise Sobre A Geração De Emprego No Brasil Para O Período 1995-2011 Pelo Método De Decomposição De Miyazawa. In: Anais do XLIII Encontro Nacional de Economia [Proceedings of the 43rd Brazilian Economics Meeting]. 2016. DIEGUES, A. C.; ROSSI, C. G. Além da desindustrialização: transformações no padrão de organização e acumulação da indústria em um cenário de ‘Doença Brasileira’. Texto para discussão. Instituto de Economia da Unicamp. 2017. FILGUEIRAS, L. A natureza do atual padrão de desenvolvimento brasileiro e o processo de desindustrialização. Relatório de Pesquisa. Centro Celso Furtado, Rio de Janeiro, 2012. 17 GEREFFI, G. Development models and industrial upgrading in China and Mexico. European Sociological Review, v. 25, n. 1, p. 37-51, 2009. GEREFFI, G. Promessa e desafios do desenvolvimento. Tempo social, v. 19, n. 1, p. 223-248, 2007. MASIERO, G.; COELHO, D. B. A política industrial chinesa como determinante da estratégia going global. Revista de Economia Política, v. 34, n. 1, 2014. MÓDULO, D. B.; HIRATUKA, C. Impacto da concorrência chinesa em terceiros mercados: uma análise por regiões e por categorias tecnológicas. Textos para discussão, Ministério da fazenda, n. 003, 2012. MORAIS, I. N. Cadeias produtivas globais e agregação de valor: a posição da China na indústria eletroeletrônica de consumo. 2012. MORCEIRO, P. C. Desindustrialização na economia brasileira no período 2000-2011: abordagens e indicadores.Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual Paulista“Júlio De Mesquita Filho” (UNESP), Departamento De Economia. Araraquara, 2012. MORCEIRO, P. et al. Conteúdo Importado na Produção Industrial e na Demanda Final do Brasil Recente: uma proposta de indicadores de importação e de conteúdo nacional/estrangeiro. In: Anais do XL Encontro Nacional de Economia ANPEC-Associação Nacional dos Centros de Pósgraduação em Economia, 2014. NASSIF, A. Há evidências de desindustrialização no Brasil? Brazilian Journal of Political Economy, vol. 28, nº 1 (109), pp. 72-96. 2008 NONNENBERG, M. B., LEVY, P. M., DE NEGRI, F., & COSTA, K. P. D.O crescimento econômico e a competitividade chinesa. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Rio de Janeiro, 2008. NONNEMBERG, M. J. B.; MESENTIER, A. Is China only assembling parts and components? The recent spurt in high tech industry. Revista Economia Contemporânea. Rio de Janeiro, v. 16, n.2:.287-315. 2012. OECD. Structural Adjustment and Economic Performance. Paris: Organization for Economic Cooperation and Development. 1987. OREIRO, J. L.; FEIJO, C. L. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Revista de Economia Política, vol. 30, nº 2 (118), pp. 219-232. 2010 PALMA, J. G. Quatro fontes de desindustrialização e um novo conceito de doença holandesa.Trabalho a ser apresentado na Conferência de Industrialização, Desindustrialização e Desenvolvimento organizada pela FIESP e IEDI, Centro Cultural da FIESP. 2005. PEREIRA, C.; NEVES, J. A. C. Brazil and China: South-South Partnership or North-South Competition? POLICY PAPER Number 26. 201 PINHEIRO, Maurício Canêdo et al. A urgente necessidade do fortalecimento da competitividade industrial brasileira: reflexão inicial sobre o papel da produtividade e da acumulação de capacidades tecnológicas inovadoras. Technological Learning and Industrial Innovation Working Paper Series, n. 1, 2015. ROWTHORN, R; RAMASWANY, R. Growth, Trade and Deindustrialization. IMF Staff Papers, Vol. 46, N. 1999.
Como citar:

Diegues Jr, Antônio Carlos; Mortari, Valéria Silva; Araújo, Caroline Giusti de; "Brasil-China: uma integração produtiva virtuosa?", p. 41-59 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2018-03

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações