Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Biotecnologia e Inovações Radicais: o Brasil entre 2009 e 2017

Biotechnology and Radical Innovations: Brazil between 2009 and 2017

Saia, Pedro Penalva; Strachman, Eduardo;

Artigo:

O estudo tem como objetivo associar a atividade biotecnológica via Pesquisa e Desenvolvimento com inovações radicais no Brasil, utilizando dados da Pesquisa de Inovação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PINTEC – IBGE), entre 2009 e 2017. Os resultados mostram que o Brasil pouco inova a nível mundial, porém, existe uma correlação positiva entre a porcentagem de empresas inovadoras (P&D), em produtos e processos, que realizam atividades biotecnológicas e a porcentagem de empresas que inovam em nível mundial, entre os setores e atividades da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE). Tal correlação é atestada por um modelo de regressão linear simples entre as porcentagens em cada setor/atividade, porém, os dados indicam que a associação vem perdendo força ao longo da década. Também serão discutidos aspectos relacionados ao conceito de inovação, ao processo inovativo e à biotecnologia.

Artigo:

this article aims to associate the biotechnology activity through Research and Development with radical innovations in Brazil. The data is from the Survey of Innovation (PINTEC), carried out by the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE), between the years 2009 and 2017. The results show that Brazilian companies innovate little with a degree of world novelty, however, there seems to be a correlation between sectors/activities that have more companies which innovates (R&D) - in products and processes - and carry out biotechnological activities and sectors/activities that have more companies which innovate with a degree of world novelty. This correlation is shown through a simple linear regression model, using the percentage of companies in each sector/activity, but the data also shown that this association had weakened over the decade. Topics related to innovation, the innovative process and biotechnology will also be discussed.

Palavras-chave: Biotecnologia; Inovação; Brasil; Processo Inovativo,

Palavras-chave: Biotechnology; Innovation; Brazil; Innovative Process,

DOI: 10.5151/vi-enei-856

Referências bibliográficas
  • [1] ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR ISO 14001:2015. Terceira edição. Rio de Janeiro: ABNT, 2015. Disponível em:< bit.ly/3JjdRLV>. Acesso em: 29 jan. 2020.
  • [2] EPELBAUM, M. ISO Série 50000 – Normas de gestão de energia. Portal O Setor Elétrico. Disponível em: < https://bit.ly/3HJv2Gf>. Acesso em: 8 jul. 2019.
  • [3] EPO - European Patent Office (2013): Finding Sustainable Technologies in Patents. Munich: European Patent Office.
  • [4] EUROSTAT. Air emissions accounts by NACE Rev. 2 activity. Last update: 24-02-2020. Disponível em: < https://bit.ly/3rIGPPn>. Acesso em: 27 FEV. 2020.
  • [5] FEITOSA, P. H. A. (2016). Estrutura tecnológica e mudanças climáticas no Brasil: um estudo exploratório a partir de estatísticas de patentes. Revista Brasileira de Inovação, 15(1), p. 61-86.
  • [6] HASCIC, I., & MIGOTTO, M. (2015). Measuring environmental innovation using patent data. OECD Environment Working Papers, N. 89.
  • [7] HORBACH, J. Determinants of Environmental Innovation - New Evidence from German Panel Data Sources. FEEM Working Paper No. 13, 2006.
  • [8] HORBACH, J.; RAMMER, C.; RENNINGS, K. Determinants of eco-innovations by type of environmental impact - The role of regulatory push/pull, technology push and market pull. Ecological Economics, v. 78, p. 112–122, 2012.
  • [9] IBGE. Pesquisa de Inovação 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro. 2013.
  • [10] _______. Pesquisa de Inovação 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro. 2016.
  • [11] _______. Pesquisa de Inovação 2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro. 2020.
  • [12] ISO – International Organization for Standardization. The Iso Survey of Management System Standard Certifications – 2017 – Explanatory note. Genebra, 2018a. Disponível em: < https://bit.ly/3oHsS2f>. Acesso em: 05 mai. 2019.
  • [13] _______. ISO Survey of certifications to management system standards - Full results. Genebra, 2018b. Disponível em: < https://bit.ly/3HMfvW6>. Acesso em: 05 mai. 2019.
  • [14] _______. ISO 50001 - Energy management. Genebra, (s.d.). Disponível em: < https://bit.ly/3LCS18e>. Acesso em: 05 mai. 2019.
  • [15] _______. What is conformity assessment? Genebra, (s.d.). Disponível em: < https://bit.ly/34Rr5jT>. Acesso em: 05 mai. 2019.
  • [16] KEMP, R.; PEARSON, P. (2007). Final report MEI project about measuring ecoinnovation. UM-MERIT. Maastricht.
  • [17] KOELLER, P.; MIRANDA, P.; LUSTOSA, M. C.; PODCAMENI, M. G. Ecoinovação: revisitando o conceito. Texto para discussão 2556, Ipea, Brasília: Rio de Janeiro. 2020.
  • [18] LEÓN, L. R., BERGQUIST, K., WUNSCH-VINCENT, S., XU, N., & FUSHIMI, K. (2018). Measuring innovation in energy technologies: green patents as captured by WIPO's IPC green inventory. WIPO - Economic Research Working Paper No. 44.
  • [19] LUSTOSA, M. C. J. Meio Ambiente, Inovação e Competitividade na Indústria Brasileira: a cadeia produtiva do petróleo. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, IE/UFRJ, 2002.
  • [20] MATA-LIMA et al. (2018). Consolidação dos Sistemas de Gestão nas Empresas: Análise da Implantação dos Sistemas de Gestão Ambiental no Brasil. Ambiência Guarapuava (PR). V.14, n.3, p. 632 – 648, 2018.
  • [21] NAGAOKA, S., MOTOHASHI, K., & GOTO, A. (2010). Patent statistics as an innovation indicator. In: Hall, B. H., & Rosenberg, N. (Eds.). Handbook of the Economics of Innovation, Vol. 2, pp. 1083-1127. Elsevier.
  • [22] NELSON, R.; WINTER, S. An Evolutionary Theory of Economics Change. Cambridge, Mass Harvard U. P, 1982.
  • [23] OCDE. OECD – ORGANISATION FOR ECONOMICCO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Patent statistics manual. Paris, 2009.
  • [24] OLTRA, V., KEMP, R., & DE VRIES, F. P. (2010). Patents as a measure for eco-innovation. International Journal of Environmental Technology and Management, 13(2), 130-148.
  • [25] PODCAMENI, M. G. B. Meio ambiente, inovação e competitividade: uma análise da indústria de transformação brasileira com ênfase no setor de combustível. Dissertação de mestrado, Instituto de economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, p. 130, 2007.
  • [26] RIBEIRO, L., MONTENEGRO, G., & BRITTO (2018). Inovações Ambientais E Matrizes De Interação Entre Ciência E Tecnologia: Uma Abordagem Entre Os Países Dos Grupos Brics E G7 (1990? 2010). In Anais do XLIV Encontro Nacional de Economia (No. 140). ANPEC-Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia.
  • [27] SANTOS, M. (2016). Inovação Ambiental: determinantes e impactos sobre a produtividade da indústria brasileira. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, Minas Gerais, Brasil.
Como citar:

Saia, Pedro Penalva; Strachman, Eduardo; "Biotecnologia e Inovações Radicais: o Brasil entre 2009 e 2017", p. 768-784 . In: Anais do VI Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação (ENEI): “Indústria e pesquisa para Inovação: novos desafios ao desenvolvimento sustentável”. São Paulo: Blucher, 2022.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/vi-enei-856

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações