Jully 2017 vol. 4 num. 2 - IX SBEA + XV ENEEAmb + III FLES

Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

AVALIAÇÃO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA E DESOXIGENAÇÃO NO RIO CATOLÉ GRANDE, BAHIA

Silvão, Natália Andrade; Trindade, Lídia Raiza Sousa Lima Chaves; Santana, Romário Oliveira de; Santos, Alison Silva dos;

Artigo Completo:

O objetivo deste trabalho foi avaliar a variação temporal de variáveis limnológicas do rio Catolé Grande em um ponto a montante do município de Itapetinga-BA, e quantificar e avaliar temporalmente o coeficiente de desoxigenação (K1) e a demanda última de oxigênio (L0) no mesmo rio em um ponto situado a jusante do mesmo município. As variáveis limnológicas oxigênio dissolvido, condutividade elétrica, pH, turbidez e temperatura foram obtidas na base de dados da Agência Nacional das Águas (ANA) código 53780000. O K1 foi obtido utilizando-se o mesmo procedimento para a demanda bioquímica de oxigênio, por períodos de 0, 1, 2, 3, 4, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 17, 19 e 21 dias enquanto o coeficiente de reaeração foi obtido substituindo-se os dados de entrada na equação proposta por Streeter-Phelps. Analisando os resultados obtidos para as variáveis limnológicas conclui-se que o maior valor de turbidez foi observado no período de menor incidência de chuvas; as demais variáveis condutividade elétrica, potencial hidrogeniônico e oxigênio dissolvido, apresentaram relação direta com a incidência de chuvas; a temperatura da água foi menor nos períodos mais frios do ano e que apresentaram maior regime pluviométrico. Os valores estimados de K1, apresentaram variação temporal, com maior valor no período de maior incidência de chuvas. A classificação proposta por von Sperling (1996) em relação ao K1 variou entre rios com efluentes secundários e águas limpas ou efluentes secundários. Os valores de demanda última de oxigênio tiveram relação direta com os valores do coeficiente de desoxigenação.

Artigo Completo:

Palavras-chave: poluição aquática, recursos hídricos, variáveis de qualidade,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/xveneeamb-093

Referências bibliográficas
  • [1] BARRETO, L. V.; FRAGA, M. S.; BARROS, F. M.; ROCHA, F. A.; AMORIM, J. S.; DE CARVALHO, S. R.; BONOMO, P.; DA SILVA, D. P. Relação entre vazão e qualidade da água em uma seção de rio. Revista Ambiente & Água, v. 9, p. 118-129, 2014.
  • [2] BARROS, F. M.; MARTINEZ, M. A.; MATOS, A. T.; ROCHA, F. A.; SILVA, D. P. Reoxigenação e desoxigenação no rio Turvo Sujo. Enciclopédia Biosfera, v. 7, p. 1-5, 2011.
  • [3] BEZERRA, I. S. O.; MENDONÇA, L. A. R.; FRISCHKORN, H. Autodepuração de cursos d´água: um programa de modelagem Streeter Phelps com calibração automática e correção de anaerobiose. Revista Escola de Minas v. 61 n. 2 Ouro Preto abr./jun. 2008.
  • [4] BRANDELERO, S. M.; SIQUEIRA, E. Q.; LIMA, A. C. B. Desoxigenação em água superficial de ambiente lótico. Revista Ambiente & Agua, Taubaté, v. 5, n. 1, p. 163-171, 2010.
  • [5] BRASIL, 1997. Política Nacional dos Recursos Hídricos. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 1997.
  • [6] BRASIL 2005. Resolução CONAMA (Conselho Nacional de Meio Ambiente). Resolução n.º 357, de 17 de Março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2005.
  • [7] BRASIL, 2011. Resolução ANA (Agência Nacional das Águas). Resolução n.o 274, de 03 de Outubro de 2011. Estabelece procedimentos padronizados para a coleta e preservação das amostras de águas superficiais para fins de monitoramento da qualidade dos recursos hídricos, no âmbito do Programa Nacional de Avaliação da Qualidade das Águas. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2011.
  • [8] CUNHA, A. C.; BRITO, D. C.; CUNHA, H. F. A; SCHULZ, H. E. Dam Effect on Stream Reaeration Evaluated with QUAL2KW Model: Case Study of the Araguari River, Amazon Region, Amapá State/Brazil. In: BILLIBIO, C.; HENSEL, O.; SELBACH, J. Sustainable Water Management in the Tropics and Subtropics – And Case Studies in Brazil. Fundação Universidade Federal do Pampa, Jaguarão/RS, p. 697. 2011.
  • [9] CORDEIRO, G. G.; GUEDES, N. M.; KISAKA, T. B.; NARDOTO, G. B. Avaliação rápida da integridade ecológica em riachos urbanos na bacia do rio Corumbá no Centro-Oeste do Brasil. Revista Ambiente & Água, vol. 11 n. 3 Taubaté – Julho / Setembro 2016
  • [10] DEMARS, B. O. L.; MANSON, J. R. Temperature dependence of stream aeration coefficients and the effect of water turbulence: a critical review. Water Research, v. 47, p. 1-15, 2013. GONÇALVES, J. C. S. I.; SARDINHA, D. S.; SOUZA, A. D. G.; DIBIAZI, A. L. B.; GODOY, L. H.; CONCEIÇÃO, F. T. Avaliação espaço-temporal da qualidade da água e simulação de autodepuração na bacia hidrográfica do córrego São Simão, SP. Revista Ambiente & Água, Taubaté, v. 7, n. 3, p. 141-154, 2012.
  • [11] HAIDER, H.; ALI, W.; HAYDAR, S. Evaluation of various relationships of reaeration rate coefficient for modeling dissolved oxygen in a river with extreme flow variations in Pakistan. Hydrological Processes, v. 27, p. 3949-3963, 2013.
  • [12] LIMA, E.M., PINTO; J.E.S. Bacia do rio catolé, Bahia - brasil: bases geoambientais e socioeconômicas para a gestão da água e do solo. Revista Geográfica de América Central Número Especial. EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-11.
  • [13] MAROTTA, H.; SANTOS, R. O.; ENRICH-PRAST, A. Monitoramento limnológico: um instrumento para a conservação dos recursos hídricos no planejamento e na gestão urbano-ambientais. Revista Ambiente & Sociedade, Campinas, v. 11, n. 1, p. 67-79, 2008.
  • [14] ROCHA, F. A.; BARROS, F. M. Variáveis de qualidade de água influenciadas pelo tipo e época de amostragem, no rio Catolé-BA. Revista Enciclopédia Biosfera, v. 6, p. 1-6, 2010.
  • [15] SILVA, A. E. P.; ANGELIS, C. F.; MACHADO, L. A. T.; WAICHAMAN, A. V. Influência da precipitação na qualidade da água do Rio Purus. Revista Acta Amazonica. v. 38 p.733 – 742. 2008.
  • [16] STREETER, H.W.; PHELPS, E.B. A study of the pollution and natural purification of the Ohio river. U.S. Public Health Serv. Bull 146, Washington: Public Health Service, 1925.
  • [17] TEODORO, A.; IDE, C. N.; RIBEIRO, M. L.; BROCH, S. A. O.; SILVA, J. B. da. Implementação do conceito Capacidade de Diluição de Efluentes no modelo de qualidade da água QUAL-UFMG: estudo de caso no Rio Taquarizinho (MS). Revista Engenharia Sanitária e Ambiental. vol.18 no.3, Rio de Janeiro jul./set. 2013.
  • [18] TERNUS, R.Z., SOUZA-FRANCO, G.M., ANSELMINI, M.E.K., MOCELLIN, D.J.C. & DAL MAGRO, JACIR. 2011. Influence of urbanisation on water quality in the basin of the upper Uruguay River in western Santa Catarina, Brazil. Revista Acta Limnol. Bras. 23:189-199.
  • [19] VON-SPERLING, M. Princípios de tratamento biológico de águas residuárias: introdução e qualidade das águas e do tratamento de esgotos. 2. ed. Belo Horizonte: FMG, 1996.
Como citar:

Silvão, Natália Andrade; Trindade, Lídia Raiza Sousa Lima Chaves; Santana, Romário Oliveira de; Santos, Alison Silva dos; "AVALIAÇÃO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA E DESOXIGENAÇÃO NO RIO CATOLÉ GRANDE, BAHIA", p. 928-937 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/xveneeamb-093

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações