Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

AVALIAÇÃO ESTÉTICA EM AMBIENTES RESIDENCIAIS DE IDOSOS

VILLAROUCO, Vilma; PAIVA, Marie Monique; SOBRAL, Rafaela Ferreira de Almeida;

Artigo Completo:

O presente artigo tem como finalidade realizar uma abordagem sobre a importância das características estéticas de ambientes residenciais vivenciados por idosos, pois devido a permanência prolongada dos usuários nesses locais. Desse modo, a influência exercida pelo ambiente no usuário idoso direciona estudos com vistas a uma maior adequação dos espaços físicos às necessidades físicas e psicológicas de idosos, considerando dimensões socioculturais e experiências anteriores, assim como aspectos funcionais e simbólicos dos ambientes.

Artigo Completo:

Palavras-chave: avaliação estética; idosos; ambientes.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-eneac2016-AMB03-4

Referências bibliográficas
  • [1] BARROS DE OLIVEIRA, José H. Psicologia do Envelhecimento e do Idoso. 4ª edição. Porto, Portugal:Legis Editora | Livpsic, 2010.
  • [2] BAXTER, Mike; tradução Itiro Iida. Projeto de produto: Guia pratico para desenvolvimento de novos produtos. 3. Ed. São Paulo: Blucher, 2011.
  • [3] CAMARANO, Ana Amélia. Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica. In: FREITAS, Elizabete V., & al. (Orgs.). Tratado de geriatria e gerontologia (pp.88-105). Rio de Janeiro: Guanabara, Koogan, 2006.
  • [4] CAMARANO, Ana Amélia (Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? (pp. 13-37). Rio de Janeiro: IPEA, 2010.
  • [5] ELALI, Gleice A. Relações entre comportamento humano e ambiência: uma reflexão com base na psicologia ambiental. In: Colóquio Internacional Ambiências compartilhadas: cultura, corpo e linguagem. / Ambiences em partage: culture, corps et language, 2009, Rio de Janeiro, RJ. Anais do Colóquio Internacional Ambiências Compartilhadas. Rio de Janeiro: ProArq - UFRJ, v. 1. p. 1-17, 2009.
  • [6] FLORES, Ângela R. B.; ULBRICHT, Vânia R.; ZANCHETT, Pedro S. Terceira idade e moradia. In: Anais do XV Congresso Brasileiro de Ergonomia – ABERGO. Porto Seguro-Bahia, 2008.
  • [7] FRANÇA, Franciney Carreiro. Meu quarto, meu mundo: Configuração espacial e modo de vida em casas de Brasília. Dissertação de mestrado. Programa de pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, UNB, Brasília, 2001.
  • [8] GJERD, Morten. Visual Aesthetic Perception and Judgement Of Urban Streetscapes. In; BARRET, P. (Ed.) Building a Better World: CIB World Congress, Salford, UK, 2010.
  • [9] IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso: Janeiro 2016.
  • [10] JOHNSON, Angie. Visualisation techniques, human perception and the built environment. Northumbria Working Paper Series: Interdisciplinary Studies in the Built and Virtual Environment, 2 (2), pp. 93-103, 2009.
  • [11] LECOVICH, Esther. Aging in place: From theory to practice. ANTHROPOLOGICAL NOTEBOOKS. Slovene Anthropological Society, Vol. 20 Issue 1, p21-33, 2014.
  • [12] LEMOS, Carlos A. C. História da casa brasileira. Editora Contexto, São Paulo, 1989.
  • [13] LÖBACH, Bernd. Design industrial - Bases para a configuração dos produtos industriais. 1ª edição. São Paulo: Editora Edgar Blücher, 2001.
  • [14] MOORE, Gary T. Environment-Behavior Studies. In: SNYDER, J. C. & CATANESE, A. J. (Eds.) Introduction to architecture. New York: McGraw-Hill. Pp. 46-71, 1979.
  • [15] NASAR, Jack. L. Visual quality by design. Holland MI: American Society of Interior Designers, Haworth Inc. United States of America, 2008.
  • [16] NERI, Anita Liberalesso. Palavras-chave em gerontologia. 3ª Edição. Campinas, SP: Editora Alínea, 2008.
  • [17] NERI, Anita Liberalesso. Velhice e qualidade de vida na mulher. In: NERI, Anita Liberalesso (Org.). Desenvolvimento e envelhecimento: Perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas. (pp 161-199). 4ª Edição. Campinas, SP: Papirus, 2008.
  • [18] NERI, Anita Liberalesso Teorias psicológicas do envelhecimento: Percurso histórico e teorias atuais. In: FREITAS, Elizabete V., & al. (Orgs.). Tratado de geriatria e gerontologia (pp.58-77). Rio de Janeiro: Guanabara, Koogan, 2006.
  • [19] ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2005.
  • [20] PAÚL, Constança. A construção de um modelo de envelhecimento humano. In: PAÚL, Constança; FONSECA, António M. (Orgs.). Envelhecer em Portugal. Psicologia, saúde e prestação de cuidados. (pp.21-41). Lisboa: Climepsi Editores, 2005.
  • [21] PAIVA, Marie; FERRER, Nicole; VILLAROUCO, Vilma. The process of aging: A case study approach implementing an ergonomics evaluation of the built environment for the elderly in Brazil. Work (Reading, Mass), v. 50, n. 4, p. 595-606, 2015.
  • [22] PANERO, Julius; ZELNIK, Martin. Dimensionamento Humano para Espaços Interiores. 1ª Edição, 4ª impressão. SL, Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2008.
  • [23] PAPALÉO NETTO, Matheus. O Estudo da velhice: histórico, definição do campo e termos básicos. In: FREITAS, Elizabete V., & al. (Orgs.). Tratado de geriatria e gerontologia (pp.02-12). Rio de Janeiro: Guanabara, Koogan, 2006.
  • [24] PASINATO, Maria Tereza de M.; KORNIS, George E. M. A inserção dos cuidados de longa duração para idosos no âmbito dos sistemas de seguridade social: experiência internacional. In: CAMARANO, Ana Amélia (Org.). Cuidados de longa duração para a população idosa: um novo risco social a ser assumido? (pp.39-66). Rio de Janeiro: IPEA, 2010.
  • [25] PERRACINI, Mônica R. Planejamento e adaptação do ambiente para pessoas idosas. In: FREITAS, Elizabete V., & al. (Orgs.). Tratado de geriatria e gerontologia (pp.1142-11151). Rio de Janeiro: Guanabara, Koogan, 2006.
  • [26] PINHEIRO, José Q.; ELALI, Gleice A. Comportamento socioespacial humano. In: Temas básicos em Psicologia Ambiental. CAVALCANTE, Sylvia; ELALI, Gleice A. (Orgs). Petrópolis: Editora Vozes, 2011
  • [27] REIS, Antônio Tarcísio da Luz; LAY, Maria Cristina Dias. Avaliação da qualidade de projetos – uma abordagem perceptiva e cognitiva. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 6, n. 3, p. 21-34, jul./set. 2006.
  • [28] ROESLER, Sara. Avaliação da qualidade dos espaços abertos em conjuntos habitacionais. Dissertação de mestrado. Programa de pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2011.
  • [29] SANOFF, Henry. Visual research methods in design. New York: Van Nostrand Reinhold, 1991. VILLAROUCO, Vilma, ANDRETO, Luiz. Avaliando desempenho de espaços de trabalho sob o enfoque da ergonomia do ambiente construído. Revista Produção, Vol.18,n.03,set/dez 2008, ISSN 0103-6513. São Paulo: ABEPRO, 2008.
  • [30] WHO, World Health Organization.2014 World Health Statistics - A wealth of information on global public health. Disponível em: www.who.int. Acesso em: Julho 2015.
  • [31] ZABALBEASCOA, Anatxu. Tudo sobre a casa. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.
  • [32] ZEISEL, John. Inquiry by design: environment/behavior/neuroscience in architecture, interiors, landscape, and planning. New York: W. W. Norton; Revised edition, 2006.
  • [33] ZIMERMAN, Guite I. Velhice: aspectos biopsicossociais. Porto Alegre: Artmed, 2000.
Como citar:

VILLAROUCO, Vilma; PAIVA, Marie Monique; SOBRAL, Rafaela Ferreira de Almeida; "AVALIAÇÃO ESTÉTICA EM AMBIENTES RESIDENCIAIS DE IDOSOS", p. 293-303 . In: Anais do VI Encontro Nacional de Ergonomia do Ambiente Construído & VII Seminário Brasileiro de Acessibilidade Integral [=Blucher Design Proceedings, v.2 n.7]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-eneac2016-AMB03-4

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações