Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Avaliação dos pictogramas de advertências das rotulagens de produtos saneantes: a compreensão do usuário idoso

Evaluation of warning labels of sanitizing products: comprehension of the elderly user

Vieira, Ricardson Borges; Diniz, Raimundo Lopes;

Artigo completo:

A presente pesquisa verificou a presença dos pictogramas de advertência em produtos saneantes domissanitários (produtos de limpeza), testando sua compreensão e percepção por usuários idosos. A metodologia foi baseada em Formiga (2011), iniciando com um levantamento dos produtos disponíveis nos pontos de venda e de suas respectivas rotulagens. Encontrou-se com a coleta de dados o uso de quatro categorias de referentes para esses tipos de pictogramas, as quais foram representadas pelas palavras: “tóxico”, “corrosivo”, “inflamável” e “manter afastado de crianças e animais”. Todos os símbolos estão relacionados ao Sistema Globalmente Harmonizado para Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS). Uma vez selecionadas as variantes e os pictogramas, aplicaram-se as seguintes técnicas: método de produção, teste de compreensão e estimativa de compreensibilidade. Os resultados mostraram que uma parcela do público investigado não conseguiu compreender efetivamente os símbolos apresentados, com percentual de compreensibilidade variando entre 40% e 60%. Isso revela que os usuários em questão não fizeram ligações significativas com os conceitos (advertências) ou pictogramas que os representam. Recomenda-se então que os projetos de design das rotulagens desses produtos apliquem a redundância das informações textuais sobre as pictóricas -- como alternativa de comunicar o perigo das substâncias contidas em tais produtos -- e a utilização de informações que correspondam à bagagem cultural do consumidor.

Artigo completo:

This research verified the presence of the warning pictograms in household sanitizing products (cleaning products), testing their understanding and perception by elderly users. The methodology was based on Formiga (2011), starting off with a survey of the products available at the points of sale and their respective labels. The use of four categories of referents for these types of pictograms were used to collect data; those categories were represented by the words: "toxic", "corrosive", "flammable" and "keep out of the reach of children and animals". All symbols are related to the Globally Harmonized System of Classification and Labeling of Chemicals (GHS). Once the variables and pictograms were selected, the following techniques were applied: production method, comprehension test and comprehensibility estimation. The results showed that a portion of the researched public could not effectively understand the symbols presented to them, with the percentage of comprehensibility varying between 40% and 60%. This reveals that the users in question made no significant connections to the concepts (warnings) or pictograms that represent them. It is thus recommended that the label design projects of these products apply the redundancy of textual information about the pictorial ones -- as an alternative to communicate the danger of the substances contained within said products -- and the use of information that corresponds to the cultural baggage of the consumer.

Palavras-chave: produtos saneantes, pictogramas, compreensibilidade,

Palavras-chave: sanitizing products, pictograms, comprehensibility,

DOI: 10.5151/9cidi-congic-1.0325

Referências bibliográficas
  • [1] Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). (1997). NBR 5991: Embalagens plásticas para álcool - Requisitos e métodos de ensaio. Rio de Janeiro.
  • [2] Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). (2010). NBR 14725: Produtos Químicos: Informações sobre Segurança, Saúde e Meio Ambiente. Rio de Janeiro.
  • [3] Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). (2009). NBR 14725-2: Produtos químicos: informações sobre segurança, saúde e meio ambiente. Parte 2: sistema de classificação de perigo. Rio de Janeiro: ABNT.
  • [4] Associação dos Designers Gráficos do Brasil (ADG). (2000). ABC da ADG: glossário de termos e verbetes utilizados em design gráfico. São Paulo: ADG.
  • [5] Associação Maranhense de Supermercados (AMASP). (2016). Número de vedas e lojas do ano de 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2018.
  • [6] Ayres, T. J., Gross, M. M., Wood, C. T., Horst, D. P., Beyer, R. R., & Robinson, J. N. (1989). What is a warning and when will it work? Proceedlngs of the Human Factors Society 33rd annual meeting, pp. 426-430.
  • [7] Brasil. (2010). Resolução ANVISA – RDC nº 59, de 17 de dezembro de 2010. Dispõe sobre os procedimentos e requisitos técnicos para a notificação e o registro de produtos saneantes e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 out.
  • [8] Brasil. (2011). Secretaria de Inspeção do Trabalho/SIT. Portaria nº 229 de 24.05.2011. Altera a Norma Regulamentadora nº 26. D.O.U, 27 maio, Brasília.
  • [9] Brasil. (2013). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 32, de 27 de junho 2013. Dispõe sobre os procedimentos e requisitos técnicos para o registro de produtos saneantes corrosivos à pele ou que causem lesão ocular grave e dá outras providências. Diário Oficial da União, 123, 28 jun.
  • [10] Conselho Regional de Química – IV Região (CRQ). (2012). Guia para empresas de saneantes. CRQ IV Região.
  • [11] Correa, L. M. L. (2005). Saneantes Domissanitários e saúde: um estudo sobre a exposição de empregadas domésticas. Dissertação (Mestrado), UFRJ, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.
  • [12] Davies, S., Haines, H., Norris, B., & Wilson, J. R. (1998). Safety pictograms: are they getting the message across? Applied Ergonomics, 29(1), pp. 15-23.
  • [13] Duarte, E., Rebelo, F. & Wogalter, M. (2010). Virtual Reality and Its Potential for Evaluating Warning Compliance. Human Factors and Ergonomics in Manufacturing & Service Industries, 20(6), p. 526–537.
  • [14] Edworthy, J. & Adams, A. (1996). Warning design: A research prospective. London/ Bristol, PA: Taylor & Francis.
  • [15] Formiga, E. (2011). Símbolos gráficos: métodos de avaliação de compreensão. São Paulo: Blucher.
  • [16] Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas.
  • [17] Iida, I. & Guimarães, L. B. M. (2016). Ergonomia: projeto e produção. (3. Ed). São Paulo: Blucher.
  • [18] Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO). (2013). Sistema Inmetro de Monitoramento de Acidentes de Consumo (SINMAC). Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2017.
  • [19] International Standard Organization (ISO). (2001). ISO 9186: Test methods for judged comprehensibility and for comprehension. Genève.
  • [20] Kalsher, M.J., Wogalter, M.S., & Racicot, B.M. (1996) Pharmaceutical container labels: enhancing preference perceptions with alternative designs and pictorials. International Journal of Industrial Ergonomics, 18, pp. 83–90.
  • [21] Leite, C., Spinillo, C. G. & Soares, M. M. (2007). As contribuições da linguagem gráfica pictórica para o design de avisos e advertências em medicamentos. In: 4 Congresso Internacional de Pesquisa em Design. Anais do 4º Congresso Internacional de Pesquisa em Design. Rio de Janeiro: CIPED.
  • [22] Matos, C. R. (2009). Pictogramas e seu uso nas instruções médicas: estudo comparativo entre repertórios para instruções de uso de medicamentos. Dissertação de Mestrado, USP, São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • [23] Medeiros, C. R. P. X., Villela, C. S. S., & Pereira, V. L. D. V. (2010). Desenvolvimento de símbolos de advertência compreensíveis. Ação ergonômica, 5(1), pp. 35-45.
  • [24] Mello, M. G. S., Rozemberg, B., & Castro, J. S. M. (2015). Domissanitários ou domitóxicos? A maquiagem dos venenos. Caderno Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 23 (2), pp. 101-108.
  • [25] Monteiro, S., Heleno, L. & Ventura, J. (2017). Estudo preliminar da compreensão dos pictogramas de produtos químicos perigosos por jovens. In: Vertentes e Desafios da Segurança 2017. ASVDS – Associação Vertentes e Desafios da Segurança: Leira.
  • [26] Moreira, C. S. et al. (2010). Análise retrospectiva das intoxicações admitidas no hospital universitário da UFJF no período 2000-2004. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 15(3), p. 879-888.
  • [27] Negrão, C., & Camargo, E. (2008). Design de Embalagem: do marketing à produção. São Paulo: Novatec.
  • [28] Neves, P. D. M., & Belline, M. (2012). Intoxicações por agrotóxicos na Mesorregião Norte Central Paranaense – 2007 a 2011. O Mundo da Saúde, São Paulo, 36(4), pp. 564-573.
  • [29] Nicácio, P., Spinillo, C., & Diniz, R. L. (2013). Design da Informação em embalagens de brinquedos para relações sociais: análise da apresentação gráfica do conteúdo informacional de avisos e advertências. In: Proceedings of the 6th Information Design International Conference, 5th InfoDesigner Design Proceedings, 1(2).
  • [30] Organização Internacional do Trabalho (OIT). (2014). A segurança e a saúde na utilização de produtos químicos no trabalho: Dia Mundial da segurança e saúde no trabalho. Lisboa.
  • [31] Pettendorfer, M. P. (2006). Advertências visuais: uma análise da compreensão dos rótulos de risco pela ótica da ergonomia informacional. Dissertação de mestrado, PUC-Rio, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.
  • [32] Sanders, M., & McCormick, E. (1993). Human Factors in Engineering and Design. 7. ed. New York: McGrawHill.
  • [33] Santos, T. F. P. (2016). Análise de acidentes em laboratórios químicos e similares. Dissertação de Mestrado, Instituto Politécnico de Setúbal, Setúbal, Portugal, 71 p.
  • [34] SBDI. (2006). Sociedade Brasileira de Design da Informação. [s.l.]. Disponível em: . Acesso: em 10 ago. 2018.
  • [35] Souza, S. M. R. (2005). O nacional e o internacional na comunicação por pictogramas. In: Anais. São Paulo: Centro Universitário SENAC e SBDI.
  • [36] Ta G. C., Mokhtar, M. B., Mohd Mokhtar, H. A., Ismail, A. B., & Abu Yazid, M. F. (2010). Analysis of the comprehensibility of chemical hazard communication tools at the industrial workplace. Industrial Health, 48(6), p. 835-844.
  • [37] United Nations (UN). (2017). Globally Harmonised System of Classification and Labelling of Chemicals (GHS). 7 ed. (Rev). New York/Geneva: United Nations, p. 534.
  • [38] Wogalter, M. & Laughery, K. (2006). Warnings. In: Karwowski, W. (Ed.). International Encyclopedia of Ergonomics and Human Factor, 2. ed. London: Taylor and Francis, pp. 1367-1373.
  • [39] Wogalter, M. S., & Sojourner, R. J. (1997). Comprehension and retention of safety pictorials. Ergonomics, 5(40), pp. 531-542.
  • [40] Wogalter, M. S., & Silver, N. C. (1995). Arousal strength of signal words: connoted strength and understandability by children, elders, and non-native English speakers. Ergonomics, 34, p. 79-89.
Como citar:

Vieira, Ricardson Borges; Diniz, Raimundo Lopes; "Avaliação dos pictogramas de advertências das rotulagens de produtos saneantes: a compreensão do usuário idoso", p. 324-332 . In: Anais do 9º CIDI | Congresso Internacional de Design da Informação, edição 2019 e do 9º CONGIC | Congresso Nacional de Iniciação Científica em Design da Informação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/9cidi-congic-1.0325

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações